506kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

i

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR

O meu Natal é maior do que o teu

Em Portugal não se faz por menos: há uma disputa ao centímetro pela maior árvore de Natal do país, um Pai Natal iluminado no Guinness e o maior presépio vivo da Europa. Fomos conhecê-los.

    Índice

    Índice

Caldas da Rainha. O título de maior árvore de Natal iluminada em Portugal só durou 25 dias (culpe-se Aveiro)

O tamanho aqui — e “aqui” são as Caldas da Rainha — importa. E mais importará a cronologia nesta história. A 17 de novembro era inaugurada na Praça 25 de Abril a “maior árvore de natal artificial e iluminada” do país. A inauguração, ou melhor, a iluminação, foi com pompa — e até teve direito a coro gospel e tudo. E o caso não era para menos, dirão alguns: 41 metros de altura — contando já com uma estrela de seis metros no topo –, 20 metros de diâmetro, mais de 10 toneladas de peso e 5.000 metros (sim, leu bem: cinco-mil) de iluminação. Não há outra como esta no país. Até 12 de dezembro, não havia.

Nesse dia, Aveiro chegou-se à frente com uma árvore com 50 metros de altura. E, como quem não quer a coisa, ainda tinha no topo um barco moliceiro a fazer as vezes da estrela. O recorde das Caldas da Rainha durou 25 dias. Mas o presidente da Câmara, Fernando Tinta Ferreira, não deu por mal gastos os 125 mil euros (a árvore inclui-se nos 76 mil gastos em iluminação de rua) que investiu no Natal caldense. “A verdade é que a nossa árvore, quando foi inaugurada, era mesmo a maior do país. Agora é a segunda, não é? Pois, acho que há outra lá para Aveiro ou o que é. Não importa nada. Para mim, e olhando à nossa dimensão — pois não somos uma capital de distrito [como Aveiro é] –, até somos a maior. Proporcionalmente, somos.” Palavra de presidente.

Convidámos Fernando Tinta Ferreira a subir até ao terraço da Câmara, de frente para a estrela no topo da árvore. São três andares e um telhado de altura. E a pergunta impõe-se: porquê investir tanto numa árvore? “É precisamente isso: um investimento. E que trará retorno às Caldas. Quando pensámos na árvore de Natal — e este é o segundo ano em que temos uma árvore desta dimensão [em 2015 tinha 30 metros] –, pensámos que se a apresentássemos como a maior do país, isso atrairia os media. E os media atrairiam os visitantes. Foi o que aconteceu no ano passado e é o que está a acontecer neste ano. Tudo isto foi pensado. Não é por acaso. E pensámos logo no começo do ano, com a Associação Empresarial [das Caldas da Rainha e do Oeste]”, explica.

A árvore de 41 metros, vista da Avenida 1º de Maio (Créditos: Fábio Pinto/Observador)

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR

As Caldas da Rainha são “um centro comercial a céu aberto”. Quem o diz é o presidente da Associação, Paulo Agostinho. “Há mais de 600 lojas, 40 restaurantes e 80 pastelarias. Tudo na rua. Para atrair visitantes no Natal, tínhamos de pensar em grande. Queríamos a maior árvore. E contactámos as 12 empresas que oferecem este tipo de serviço. Contratámos aquela que nos fornecesse a maior. Curiosamente, a empresa que fez a árvore de Aveiro nem sequer é uma destas; é uma empresa de metais. Eles quiseram bater o nosso recorde. E os recordes estão aí para ser batidos, não é verdade? Mas, por causa disso, fomos notícia duas vezes: com a maior árvore e quando deixou de ser a maior”, graceja. Mas, para Paulo Agostinho, só faz sentido ter uma árvore desta envergadura, um “chamariz”, se a oferta que as Caldas da Rainha têm para oferecer a complemente.

Até ver, e olhando aos números de 2015, tem tido. “A maioria das empresas teve um aumento de vendas de 20%. E este ano, pelo que os comerciantes me têm dito, o negócio também está a correr bem. Mas nós não temos só a árvore e o comércio para oferecer. Temos a ‘Casa do Pai Natal’, temos uma exposição de árvores de Natal [na Avenida 1.º de Maio] em que participaram mais de 60 escolas e entidades, e temos o ‘Comboio Mágico’, que é um sucesso. Repare: é de manhã [10h30] e até fazem fila par lá entrar!”, explica.

O maquinista é Patrick. “O comboio é o menino dos meus olhos”, atira. Não circula sobre carris, mas pelo asfalto, às vezes alcatroado, às vezes empedrado. “O empedrado é que é pior. E também há ruas mais esburacadas que outras, mas já as vou conhecendo e desvio-me. Isto dá-me cabo das costas ao fim do dia, mas vale a pena”, explica. E o dia de Patrick tem horas de trabalho a perder de conta, de manhã à noite, das 11h00 às 19h30. Patrick vai escutando hip-hop na cabine. Nas carruagens de trás, escutam-se canções de Natal em loop. A fila adensa-se.

Patrick junto ao comboio que conduz (Créditos: Fábio Pinto/Observador)

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR

Constança, cinco anos, chega pela mão da avó Graziela. Ou o contrário. “É mais ela que me arrasta para cá. Ela adora isto. E pede-me para vir cá todos os dias. O comboio e a árvore gigante trazem muita gente de fora aqui às Caldas. E isso é bom.” Mas no comboio, ou na fila para o comboio, nem sempre corre tudo bem. Precisamente por causa dos “repetentes” como Constança e a avó. E Patrick recorda-nos: “Há caras que eu vou conhecendo. E às vezes os pais são piores do que os filhos. Quando digo às crianças que têm que esperar até voltar a andar no comboio [as viagens são de meia em meia hora], elas ficam amuadas, mas os pais discutem e dizem que estavam na fila. Faz parte. Vou ser sincero: o comboio já esteve em Alcobaça, Castelo Branco, Leiria — e Leiria até ficou ‘chateada’ comigo por não estar lá este ano — e nunca vi nada como nas Caldas. Epá, isto tem sido uma loucura.”

A cidade das Caldas da Rainha é conhecida pela sua cerâmica. A de Rafael Bordalo Pinheiro e a “fálica”, como lhe chama Paulo Agostinho. Mas será que a árvore gingante — tal é o sucesso — vai ser, daqui por alguns anos, mais conhecida do que a atividade tradicional da cidade? “Não”, responde, “são complementares”. Mas nada de varrer a louça (a mais “fálica”, claro está) para baixo do tapete durante a quadra natalícia. Antes pelo contrário. “Somos uma cidade da cerâmica. E a louça fálica faz parte da nossa cultura. Identifica-nos. É verdade que às vezes é depreciada ou mal-tratada, mas é um ramo de atividade e até está exposta nas lojas de rua. Não choca nada com o Natal. Se o turista vier ver a árvore e levar um souvenir como esse, melhor para todos”, explica.

A árvore do próximo ano já está a ser pensada. Em maio começará a ser negociada e em novembro erguer-se-á. O recorde de Aveiro — e que até foi das Caldas durante algumas semanas — cairá? “Vamos ver, vamos ver. Uma coisa é certa: não será pequena. E tentaremos que seja a maior. Mas até pode não ser uma árvore e ser outra coisa. O nosso propósito é que seja algo que traga visitantes às Caldas”, garante o presidente da Associação Empresarial.

Águeda. O maior Pai Natal do mundo (em breve o Guinness dirá se é ou não) senta-se aqui

Saídos das Caldas, a viagem continua para norte, para Águeda. Lá chegados, e antes mesmo de atravessar o rio, não há como enganar: é ele. Está de costas, mas é ele. O maior de que há memória em Portugal e não só. É o maior Pai Natal iluminado do mundo. Por falar em iluminação, são 250 mil lâmpadas a brilhar a partir das 17h45. Ainda não são 17h45, é começo da tarde, mas a azáfama é muita na baixa da cidade e no Largo 1º de Maio, onde o “barbudo” se senta.

O pai natal gigante, junto ao rio Águeda (Créditos: Fábio Pinto/Observador)

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR

O frio é de enregelar o mais natalício dos natalícios. E alguns sentam-se à volta de uma fogueira que arde lado a lado com o Pai Natal. Entre ele e a fogueira, e ao som de “Primeiro Beijo”, de Rui Veloso, dois namorados envolvem-se num beijo “ardente” – afinal, o frio aperta e a carne é fraca. Não os incomodámos. O avô Vítor não sabe do neto Salvador. O petiz escondeu-se debaixo de uma das botas do Pai Natal – e tem muitos por onde se esconder: a base tem nove por 12 metros; de altura são 21 metros – e nem sinal dele. Lá o encontrou, o avô. E conta: “Não somos de cá. Viemos de Coimbra. Curiosamente, não foi ele que me pediu para vir. Fui eu que, ao passar por aqui, vi o Pai Natal ao longe e resolvi parar.”

A intenção da Câmara Municipal foi precisamente essa: quem quer que passasse, mesmo que em “visita de médico”, viesse visitar Águeda, surpreendidos pelo Pai Natal gigante. E investiu, a Câmara, 49 mil euros na construção deste. “É o segundo ano que está”, explica o vereador do Turismo, Edson Santos. “Sabíamos que este Pai Natal existia e que tinha estado noutras cidades – durante pouco tempo por ano, oito dias se tanto. E queríamos que viesse para Águeda. Então, contactámos o construtor. Porquê? Nós apostamos muito na arte urbana — temos o festival Agitágueda no Verão, por exemplo. E essa aposta na arte urbana é uma forma de atrair visitantes, que usufruem da paisagem, da gastronomia, do comércio, de tudo. É uma aposta ganha: os restaurantes estão cheios, a hotelaria também, há excursões para visitar a cidade e o Pai Natal. E mais do que para quem nos visita, o Pai Natal é um orgulho para a gente da terra. As ruas estão repletas de gente”, explica.

Na rua, literalmente na rua, está Maria, “só Maria”, vendedora de cavacas, numa pequena banca montada (estrategicamente) à saída de uma passadeira. “Ó menino, eu nem sou de Águeda, mas é uma alegria ver tanta gente. E entra muito money, que é o que eu preciso e o nosso primeiro ministro quer”, graceja. E continua: “Ele nunca haveria de morrer!” Quem? O Pai Natal? “Não, menino, o Gil [Nadais]. Abençoado, este presidente da Câmara. E ainda por cima montou-me ali um rapaz [leia-se: Pai Natal] tão bonito e tão grande ao fundo.” Conversa feita, despedimo-nos de Maria. Mas esta, depois de atravessada a passadeira para o outro lado da rua, atira de chofre: “Olhem: saudinha e bom Natal! Não comam é muitos doces, que faz borbulhas!”

As montras da baixa de Águeda, do café — e os cafés vendem Pastéis de Águeda como “pãezinhos quentes” por estes dias — ao talho, do supermercado à taberna, estão engalanadas. Mas nenhuma reluz tanto como a da florista. “Chamar-me, chamo-me Maria. Mas o meu ‘nome artístico’ é Graciete. E não sou florista, amor. Sou mais fina que isso: agora sou ‘designer de flores’”, graceja. Diz que a montra é feita com “uns tarecos” da “selva” que tem por casa. E dos tarecos e da selva nasceu uma árvore de Natal feita de desperdício floral. “Ó amor, tira-me então uma fotografia da montra, para eu pôr no Facebook e as minhas amigas meterem ‘gosto’! Eu caprichei nisto porque sou florista. É defeito de profissão”, explica, enquanto enrola um ramo de flores, sem nunca tirar dele os olhos. E a clientela? Aumenta nesta altura? “Assim-assim. Mas se não houvesse nada ainda era pior, não é?”

A montra da florista Graciete (Créditos: Fábio Pinto/Observador)

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR

O vereador do Turismo garante que há clientela. “No ano passado houve um acréscimo e foi por isso que este ano voltámos a investir no Pai Natal.” Mas se o Pai Natal não tivesse a dimensão que tem, o acréscimo seria menor do que é. “Naturalmente. Nós pensámos nele, com esta dimensão, por saber que seria notícia. E agora se entrar para o Guinness, mais notícia será.” A candidatura está entregue. “Em 2015 também nos queríamos candidatar, mas as condições climatéricas não nos permitiram fazer as medições necessárias. Uma coisa é certa: quer seja recorde, quer não, o Pai Natal estará cá para o ano, tal e qual como está hoje. Não nos interessa isso. Interessa-nos é que as pessoas – as de fora e as de Águeda – usufruam da cidade”, explica.

Priscos, Braga. Na terra do pudim, o maior presépio vivo da Europa é uma “máquina do tempo” com 800 figurantes

– Qualquer dia, o presépio é mais conhecido do que o Pudim Abade de Priscos, não?
– Acho que o presépio até é mais conhecido do que o pudim. [Risos] É que as pessoas comem o pudim e não sabem que é da freguesia. E para conhecer o presépio têm mesmo que vir cá.

O padre Francisco Torres é quem organiza, desde há 11 edições, o maior presépio vivo da Europa, em Priscos. E este é maior a cada ano. Neste, serão 30.000 metros quadrados de área, 90 cenários diferentes e cerca de 800 figurantes. O reconhecimento não vem em nenhum livro dos recordes. Mas veio “de cima”, do Vaticano e do Papa Francisco. A inauguração, a 21 de dezembro, teve a bênção do Sumo Pontífice. “É o que é. Mas não podemos, lá porque tivemos essa bênção, estar cheios de penachos. Seria errado. O que significou? Foi como um filho tirar boas notas na escola e o pai sentá-lo ao colo e beijá-lo na testa. Foi isso que sentimos”, explica.

O padre guia-nos pelo presépio, do acampamento romano à Aldeia dos Judeus, da manjedoura às catacumbas. E das catacumbas sai uma mulher assustada, de mão sobre o coração e palpitante. “Oh senhor padre, o senhor padre ia-me matando. Então, estão ali mortos!”, atira. E graceja o pároco de Priscos: “É verdade. As famílias não os foram buscar à morgue e nós trouxemo-los para aqui, como figurantes.” “Sabe, aquilo são bonecos numa mortalha, mas às vezes está lá mesmo um figurante enrolado e assusta as pessoas…”

O presépio virou “casa assombrada” num parque de diversões, é? O padre explica: “Não, não. Mas as pessoas não podem ver o Natal só como uma época fofinha, até melosa. Têm que conhecer tudo daquela época e como se vivia em Belém. Jesus nasceu numa manjedoura, ao lado dos animais e do estrume. Isso não é fofinho. E quando as pessoas morriam, erram enroladas em mortalhas e sepultadas como ali se viu. O natal não representa só o nascimento. As pessoas devem conhecer a história toda.”

A entrada do "campus rumanus", em Priscos (Créditos: Fábio Pinto/Observador)

FÁBIO PINTO/OBSERVADOR

Seguimos para a manjedoura. Habitualmente, e mesmo quando o presépio é “vivo”, encontram-se figurantes para fazer de José e Maria, encontram-se os animais, mas não um recém-nascido sobre as palhinhas deitado. Em Priscos, sim. “Nós vamos à procura das famílias. Só no presépio de 2015 tivemos 33 famílias com bebés. O pai, a mãe e o filho. E recordo-me de uma história curiosa, a de um casal que me disse que o filho não era batizado e que eles não eram casados. E eles perguntaram-me se, ainda assim, poderiam vir fazer de figurantes. Respondi-lhes que sim. Afinal, Jesus também não era batizado. E Maria e José nunca se casaram. Aceitamos todas as confissões religiosas, todas as sensibilidades – e até aceitamos quem não tem nenhuma.” Voltando aos bebés-figurantes. Como é que estes lidam com a fria manjedoura e o corrupio de visitantes? “Lidam bem. Até dormem uma soneca. [Risos] É verdade que cá fora faz frio, mas lá dentro, com os animais, é mais acolhedor e quente. Desde que tenham o que comer, adormecem e nem dão pelos visitantes.”

O telefone toca.

– Oh homem, você é o centurião, você é que manda. Faça de conta que é verdade…

Quem faz figuração em Priscos, fá-lo pro bono. O Presépio Vivo recebeu cerca de 55 mil euros da Câmara Municipal de Braga — vencedor que foi do Orçamento Participativo –, mas o dinheiro é quase todo para pagar os materiais e pagar aos reclusos do Centro Prisional de Braga, que constroem e reparam o presépio. “De outra forma, e sem a boa-vontade das pessoas, o presépio não custaria 55 mil, mas 220 mil euros.” Voltando às instruções que o padre João deu por telefone. “Há muita coisa para fazer: casamentos, funerais e até batalhas. Agora mesmo, estava a falar com um ‘centurião’ do exército romano e a dar-lhe instruções para amanhã. Mas é tudo simples. Chego-me à beira do responsável, digo-lhe o que temos que fazer no dia e ele organiza tudo com os restantes figurantes. Há sempre um guião, ensaia-se tudo, mas também se vive muito do improviso no próprio dia.”

O padre Francisco Torres (Créditos: Fábio Pinto/Observador)

O padre chama José Pinto: “Oh senhor Pinto! Venha cá…” “É para me confessar, senhor padre?”, graceja o mais velho dos figurantes do presépio. Que idade tem? “Um maluco e uma batata!” Como disse? “Não sabe o que é um maluco? É nove. E uma batata é zero…” Noventa, portanto. Fez de tudo, José Pinto: de figurante, de trolha, limpou com a enxada o cenário de uma ponta à outra e até “coisou coisas”. “Sabe, eu trabalho de graça. E a seco! Mas sou mais ‘rico’ por dar do que se recebesse”, explica.

Este ano, e como sempre, José Pinto veste “a farda”, anda pelo presépio, “pico qualquer coisa, bebo um copinho” e diz-se “feliz” assim. Mas nem todos ficam felizes com o “papel” que lhes calhou em sorte. Ou azar. Todos querem ser Maria ou José, todos querem ser apóstolos, poucos querem ser soldados romanos e muito menos fariseus. “Tenho que saber lidar com as sensibilidades, os feitios e as neuroses de cada um. Há muitos que não querem ser pobres e pedem-me, uma vez que são remediados no dia-a-dia, para fazerem de ricos uma vez na vida. Acho que as pessoas revivem aqui a sua meninice”, explica o padre.

O título de maior presépio vivo da Europa não lhe pesa. Nem teme que um dia o perca. “Sei que há presépios em Itália, por exemplo, que são quase tão grandes quanto o de Priscos. Mas nós temos o que há de mais precioso: as pessoas. Isto é organizado pelas pessoas, não é por nenhuma empresa. E até costumo dizer: se tivesse sido organizado por uma empresa, o empreiteiro já estaria rico e, provavelmente, preso. Gastar-se-iam milhões neste presépio. O que fazemos aqui é um pequeno-grande milagre.”

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.