Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não é Cais, é um autêntico Caos do Sodré. São dez e tal da noite de uma terça-feira mas a sensação, para quem atravessa a ‘Rua Cor de Rosa’, é a de um sábado. Está, literalmente, à pinha — apesar da chuva copiosa que se abateu sobre Lisboa. Há uma razão: é aqui que decorre a Night Summit, uma espécie de prolongamento da Web Summit noite dentro. Os empreendedores despem o fato e conversam de cerveja na mão, num ambiente mais descontraído. Para fazer negócios? Sim, às vezes. Mas este evento noturno é muito mais do que isso.

À porta de um dos bares mais movimentados da rua, Andreia é o centro das atenções. Morena, de olhos muitos azuis e lábios rubros, segura um chapéu de chuva preto à entrada, ao mesmo tempo que recebe os participantes, de sorriso no rosto. Nem sempre: está visivelmente incomodada com o alemão que já arrasta as palavras para lhe distribuir uns galanteios desajeitados. Pergunta-lhe o nome e tenta reproduzi-lo: “Andrrrrrreeeiaaa”. Ela lá vai tentando manter a elegância até que remata o assunto: “Isto é um bocado desconfortável para mim”. Fim de história.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.