1. O que é o ISIS?

  2. ISIS é o acrónimo para o grupo jihadista Estado Islâmico do Iraque e do Levante. No ano passado, a ramificação da Al-Queda no Iraque chamada Estado Islâmico do Iraque anunciou que ia fundir-se com a Jabhat Al-Nusra, a ramificação da mesma organização na Síria. Na época, esta última  estava a lutar ao lado dos rebeldes contra Assad. Foi depois disso que surgiu o grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS).

    Em fevereiro de 2014, o ISIS foi expulso da Al-Qaeda por ser “demasiado violento”, de acordo com vários especialistas internacionais. O ISIS ignorava repetidamente os avisos para não matar civis e, segundo os registos do departamento militar dos EUA, é um dos grupos terroristas mais sangrentos no planeta.

    O ISIS é liderado por Abu Bakr al-Baghdadi, que tomou o controlo da organização após o ex-líder ter sido eliminado por um bombardeamento de caças F16 americanos, em junho de 2006. Páginas jihadistas na internet afirmam que ele é descendente direto do profeta Mohamed, que vem de uma família religiosa e que tem um doutoramento em estudos islâmicos. A revista Time já lhe chamou o “novo Bin-Laden”.

  3. Como surgiu o ISIS e quais as suas raízes?

  4. O grupo jihadista do Estado islâmico do Iraque, parte integrante do atual do ISIS, era conhecido como a Al-Qaeda no Iraque, durante a segunda guerra do golfo, em 2003. O seu líder era Abu Musab Al Zarqawi, que em 2004 declarou a sua fidelidade à organização de Bin Laden. O ISIS chegou a controlar partes significativas do território iraquiano, até que as forças militares americanas e as milícias sunitas os derrotaram em 2006.

    Porém, o ISIS não foi eliminado totalmente. Em 2011, o grupo renasceu. Explorou a identidade sunita, desafiando a maioria xiita e um governo de Bagdad cada vez mais sectário e que foi quebrando as pontes com população sunita.

    screen shot 2013-12-12 at 8.43.20 am

    Quando os americanos saíram do país em 2011, deixaram para trás uma milícia informal anti-Al-Qaeda conhecida por movimento Sahwa. Contudo Nouri al-Maliki, o primeiro ministro iraquiano, considerou esse grupo politicamente hostil e promoveu a sua dissolução. Isso abriu caminho ao ISIS, fazendo com que o processo de recruta de novos militantes islamitas se tornasse mais fácil.

    Numa gravação áudio publicada na internet, Abu Mohammed al-Adnani, porta voz do ISIS, provoca Maliki. “Perdeste uma oportunidade histórica para as tuas pessoas controlarem o Iraque e os xiitas vão amaldiçoar-te enquanto viveres.” Adani também prometeu que o ISIS iria capturar as cidades do sul de Karbala e Najaf, dois dos principais santuários islâmicos xiitas.

  5. Quais os objectivos do ISIS?

  6. O ISIS pretende criar um novo Estado islâmico radical que agrupe as áreas de maioria sunita d Síria e do Iraque. Esse estado estender-se-ia desde não muito longe da costa mediterrânica da Síria até perto de Bagdad.

    islamist-militants-aim-to-redraw-map-of-the-middle-east-1402620168_Fotor

    No auge do poder do ISIS iraquiano, em 2006, a organização chegou a elaborar o seu próprio mapa:

    Uma das características mais notadas nesta ambição territorial é que ela ignora por completo a divisão do Médio Oriente existente desde a sua partição entre áreas de influências britânica e francesa e, em especial, a linha Sykes-Picot (ver mais abaixo).

     

  7. Como é que este conflito se enquadra na história recente do Iraque?

  8. A República do Iraque é filha de mais uma das divisões salomónica em que foi pródigo o século XX, onde as fronteiras eram traçadas a régua e esquadro em função das conveniências geopolíticas. Mas a sua história é muito mais antiga.

    Em traços largos, o Iraque moderno situa-se na região onde em tempos floresceu a Mesopotâmia, terra entre os rios, pedaço fértil de civilização desde há oito milénios. Foi lá que se fundaram quatro impérios notáveis: acadiano, sumério, assírio e babilónio; foi lá que nasceu a escrita e muitos dos elementos constituintes da civilização.

    Até ao final da I Guerra Mundial o Iraque estava integrado no império Otomano, que entrou em colapso com a derrota da coligação alemã e austro-húngara. A divisão dos despojos foi realizada por ingleses e franceses e teve por base um acordo celebrado em 1916 no qual se traçou uma “linha na areia” que ficou conhecida como linha Sykes-Picot, o nome dos diplomatas que o negociaram. A França ficou com a zona hoje ocupada pela Síria e pelo Líbano, o Reino Unido com a região da Palestina, da Jordânia e do Iraque.

    Sykes-Picot-1916

    Esta divisão não teve em consideração as províncias otomanas pré-existentes, distribuindo povos por vários países (os curdos acabaram divididos entre a Turquia, o Iraque, o Irão e a Síria). A divisão das províncias otomanas também não se preocupava muito com as realidades nacionais subjacentes.

    Screen Shot 2014-06-13 at 12.16.43

    Os ingleses tomaram conta do território em 1920 com base num mandato da Liga das Nações (antecessora da ONU), mandato esse que durou uma dúzia de anos em que se criou uma monarquia artificial apoiada na elite sunita ensinada nas boas universidades britânicas. Fartos do deserto e das querelas étnicas, os britânicos entregaram o território ao Rei Faisal, que se manteve no poder até 1958.

    Nessa altura, com a Europa ocupada a largar possessões ultramarinas e a fundar a Comunidade Económica Europeia, a agitação no Médio Oriente levou à sua recomposição em função de alinhamentos geoestratégicos. Foi a época em que nasceu a efémera República Árabe que pretendia unir o Egito e a Síria, enquanto no Iraque os golpes de estado se sucederam durante vinte anos, até que Saddam Hussein tomou o poder. Apoiado inicialmente pelos franceses e também pelos americanos, que temiam os xiitas recém-chegados ao poder no vizinho Irão, Saddam organizou um regime sangrento que perpetuou o poder dos sunitas à custa do esmagamento das outras etnias.

    Sobreviveria até 2003, altura em que uma coligação liderada pelos Estados Unidos invadiu o país, derrubou o regime e desmantelou o Estado iraquiano. O vazio de poder então criado e a dificuldade de criar novas estruturas legitimadas pelo voto permitiu a emergência de poderes regionais e de grupos terroristas, que obrigaram os Estados Unidos a manter uma força de combate no país até 2011.

    Hoje o Iraque continua a falhar os requisitos de um estado-nação: o governo central não tem controlo sob o território, não existe um sistema económico coeso, nem língua ou religião comum às três parcelas territoriais – o sul predominantemente xiita, o norte de maioria curda e as regiões centrais onde a maioria é sunita.

    Screen Shot 2014-06-14 at 14.57.50

  9. Qual a importância da Síria neste conflito?

  10. Terrenos controlados pelo ISIS na Síria, em março de 2014. Fonte: BBC

    O caos em que a Síria está mergulhada devido ao estado de guerra-civil, fez com que o ISIS conseguisse controlar uma porção do país de forma relativamente segura. É de lá que se suspeita que esteja a vir o armamento dos jihadistas. De forma indirecta, o conflito entre o líder sírio, Bashar Al Assad, e os rebeldes deu acesso a armamento pesado e a fundos que os jihadistas estão agora a utilizar na sua invasão do Iraque.

    Mas isso não explica tudo. As políticas sectárias do governo iraquiano, que descrimina as populações sunitas, criaram um descontentamento que gerou uma ampla base de recrutamento ao ISIS. Se o conflito na Síria permitiu aos extremistas terem acesso a financiamento e a armamento, é no Iraque têm conseguido recrutar militares treinados e muitos jovens descontentes.

    Foi assim que o ISIS se tornou capaz de conquistar Mosul depois de, num ataque relâmpago em dezembro do ano passado, ter obtido o controlo das cidades de Fallujah e Ramadi, as duas maiores fortalezas da população sunita na província de Anbar, no Iraque.

  11. O que significa a perda de Mosul?

  12. A perda de controlo de Mosul é de extrema importância. Trata-se da segunda cidade mais populosa do país e está localizada nos arredores os poços de petróleo. O ISIS ter sido capaz de conquistar a cidade num dia quer dizer que o grupo é ainda mais poderoso do que alguns analistas internacionais faziam temer e que está muito coeso ao nível militar.

    ct-web-iraq-militant-movements-gfc

    Segundo o Washington Post, ao conquistarem a cidade de Mosul, o ISIS pode ter passado a ser a organização terrorista mais rica do mundo. No banco central da cidade, tomaram posse de 425 milhões de dólares em ouro.

  13. Há quanto tempo é que os Estados Unidos saíram do Iraque? Foi-lhes pedida ajuda?

  14. O último contingente militar americano saiu do Iraque em dezembro de 2011. O presidente Obama cumpria assim uma das suas promessas eleitorais, não sem que a forma como ordenou a retirada tivesse sido objecto de críticas.

    Depois de, nos primeiros anos após a intervenção, os Estados Unidos terem sentido enormes dificuldades no terreno, a mudança de estratégia iniciada ainda durante a administração Bush – e que ficou conhecida como “the surge” – permitiu reconquistar o controlo do território e criar condições para uma transferência total de poder para as autoridades iraquianas.

    Na altura da retirada final foi debatida a hipótese de permanecer no Iraque um contingente limitado de militares norte-americanos, designadamente para apoio à formação e treino do exército iraquiano. Não essa a vontade da administração Obama, e não é sequer claro que fosse esse o desejo das autoridades iraquianas: o primeiro-ministro Nouri al-Maliki depende muito dos iranianos e estes não querem americanos na região.

    Nos Estados Unidos a imprensa, nomeadamente o New York Times, tem vindo a referir pedidos de ajuda realizados pelas autoridades de Bagdad, que terão solicitado apoio aéreo nalgumas operações militares. Sexta-feira, dia 13, o Presidente Obama veio dizer que “a nossa equipa de segurança nacional estuda todas as opções”, mas ao mesmo tempo distanciou-se de qualquer solução que passe pelo envio de tropas terrestres.

    A evolução da situação no Iraque já levou alguma imprensa a lembrar que “tudo isto deve servir de aviso para a retirada das forças militares americanas do Afeganistão em 2016”, como escrevia em editorial do Wall Street Journal.

    Até agora, sábado, dia 14 de junho, o governo iraquiano não pediu formalmente ajuda internacional, nem declarou estado de emergência nacional. Se o fizer, será através de um pedido às Nações Unidas.

     

  15. Qual o poder real do exército iraquiano?

  16. O exército iraquiano não é muito “temível”, escreve Zack Beauchamp de forma irónica na página de jornalismo explicativo americano VOX. À chegada do grupo jihadista a Mosul, os militares de serviço fugiram da cidade em massa, deixando para trás tanques, helicópteros e armas. No passado, o exército iraquiano já utilizou ataques aéreos contra o ISIS, mas esse tipo de ataques causam muitas baixas civis em ambientes urbanos.

    Devido à velocidade que o ISIS está a conquistar cidades no Iraque, as dúvidas quando à capacidade do exército treinado pelas forças militares americanas, aumenta os medos do governo.

  17. Quem é quem no actual poder iraquiano?

  18. Nouri al-Maliki é primeiro ministro do Iraque e secretário geral do Partido Islamico Dawa desde que o governo de transição realizou eleições em 2006. Encontra-se no seu segundo mandato como primeiro ministro. Maliki começou a sua carreira política como dissidente xiita quando o país estava sobre o domínio de Saddam Hussein nos anos 1970. Esteve exilado durante 24 anos até à queda do regime.

    Jalal Talabani, presidente do Iraque, é um político de origens curdas. Foi o primeiro presidente não-árabe do país. Talabani é o fundador e foi secretário geral do principal partido político curdo do país, a União Patriótica do Curdistão. É conhecido por ser um defensor dos direitos da população curda e da democracia no Iraque há mais de 50 anos.

    Saadoun al-Dulaimi é o ministro da defesa iraquiano e ex-ministro da cultura. Tem um mestrado em sociologia e um doutoramento em psicologia social.