“Eu nu​nca vou pedir desculpa pelos Estados Unidos. Eu não me importo com os factos”. A frase de George H. W. Bush, proferida durante a campanha eleitoral, a 2 de agosto de 1988, serve de base para uma publicação disseminada no Facebook, que alega que os EUA não pediram desculpa ao Irão quando abateram um avião iraniano com 290 pessoas a bordo. Embora a frase tenha sido efetivamente dita por George H. W. Bush, este era na altura vice-Presidente dos EUA e só viria a assumir a presidência no ano seguinte ao acontecimento (de 20 de janeiro de 1989 a 20 de janeiro de 1993). O então Presidente do país, Ronald Reagan, pediu desculpas em nome da nação.

O autor do conteúdo difundido no Facebook, que teve mais de 24 mil visualizações em 24 horas, alega que a Marinha dos Estados Unidos abateu um avião civil iraniano, matando 290 pessoas, 66 das quais crianças – o que é verdade. No entanto, a mesma publicação destaca que os EUA recusaram pedir desculpas ao Irão, justificando-o com as palavras de Bush pai, que era vice-Presidente do país. Uma frase que viria a ser destacada pela CNCB como uma das mais marcantes do político, aquando da sua morte, a 30 de novembro de 2018.

A publicação surge numa altura em que aumenta a tensão entre os Estados Unidos e o Irão, após a morte do general iraniano Qassem Soleimani, comandante da força dos Guardiães da Revolução iranianos, Al-Qods.

Ao contrário do que é veiculado, o Presidente dos EUA, que esteve no poder entre 1981 e 1989, pediu perdão ao Irão. Num artigo partilhado pelo The Washington Post, no dia 6 de julho de 1988, pode ler-se que Ronald Reagan afirmou ter pedido desculpas ao Irão pelo abate de um avião de passageiros iraniano sobre o Golfo Pérsico, que matou todas as 290 pessoas a bordo, e declarou que reparações ou compensações às famílias das vítimas eram “um assunto para ser discutido”.

Na sequência do incidente, conta a mesma publicação, foi enviada uma nota diplomática de cinco parágrafos ao governo iraniano, expressando “profundo pesar” pelo sucedido no dia 3 de julho daquele ano, quando um avião comercial da Iran Air, que voava entre Teerão e o Dubai, foi derrubado por um míssil disparado de um navio da Marinha norte-americana. Segundo a versão dos EUA, o comandante da embarcação USS Vincennes terá confundido o Airbus A300 da Iran Air com um avião de combate iraniano F14.

Citado pelo The Washington Post, Marlin Fitzwater, porta-voz da Casa Branca, disse que a mensagem do Presidente dos EUA procurou “garantir ao governo iraniano que o ataque foi um acidente”. E essa mensagem para Teerão deve ser considerada um pedido de desculpas? “Sim”, respondeu Ronald Reagan aos jornalistas, quando embarcava num helicóptero para visitar El Salvador.

De acordo com a informação divulgada naquela altura por um porta-voz do Pentágono, a Marinha teria recebido dois sinais diferentes do Airbus: um indicava que podia ser uma aeronave civil, o outro dizia respeito a um avião de guerra F14 iraniano. Convencido que o seu navio estava em perigo, o comandante William Rogers III terá dado instruções para abater o avião civil, quando este se encontrava a cerca de 15 quilómetros da embarcação.

Conclusão

George H. W. Bush disse efetivamente que nunca pediria desculpas em nome dos Estados Unidos. Contudo, ele não era o Presidente do país em 1988, quando a Marinha norte-americana abateu um avião civil iraniano, matando as 290 pessoas a bordo, 66 das quais crianças. Ronald Reagan, o então Presidente dos EUA, pediu desculpa ao governo iraniano pelo sucedido. Desta forma, conclui-se que não é correto afirmar que “os Estados Unidos recusaram-se a pedir desculpas” ao Irão.

Enganador

De acordo com o sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

MISTO: as alegações do conteúdo são uma mistura de factos precisos e imprecisos ou a principal alegação é enganadora ou incompleta.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook.

IFCN Badge