Circula nas redes sociais um vídeo que mostra o excerto de um programa televisivo espanhol, supostamente emitido a 24 de dezembro de 2019, no qual aparece uma mulher (que diz ser vidente) a fazer “previsões”. Nesse vídeo, a mulher descreve um conjunto de acontecimentos que têm sido interpretados como sendo uma previsão detalhada da pandemia de Covid-19 que tem vindo a atingir o mundo. Trata-se, contudo, de um vídeo falso, pelo menos no que toca à data de emissão. O vídeo tem estado a ser disseminado na internet com uma data adulterada e não com a verdadeira.

O programa e a vidente, esses, são verdadeiros. A vidente é Nube de María, que só no Facebook conta com mais de 300 mil seguidores, e o programa é o Toni Rovira y Tú, de entretenimento, produzido pela cadeia catalã 25tv e que é emitido todas as noites em vários canais regionais espanhóis. O programa é apresentado pelo artista catalão Toni Rovira.

Publicação de um utilizador português no Facebook com o vídeo falso da vidente espanhola

No vídeo que tem circulado nos últimos dias nas redes sociais, a vidente Nube de María conversa com Toni Rovira sobre as suas previsões para 2020, dizendo coisas como: “Será um ano de muito medo, de incerteza, de terror. Vai haver um antes e um depois nas nossas vidas. É uma tomada de consciência que vamos ter”; “A Terra não pode mais, estamos a destrui-la“; “Será um 2020 que todos nós vamos recordar”; “Todas as almas, sejamos de cor branca, negra, chineses, as nossas almas vão-se unir todas”; “a Natureza vai castigar todos os humanos; aos animais não vai castigar; ao ozono e ao oxigénio também não; aos peixes do mar, à água, não vai castigar; só vai castigar os humanos”.

A mulher acrescenta informações cada vez mais detalhadas. Por exemplo, sugere que, durante “40 dias, pelo menos, o planeta vai descansar”. Depois, apela a todos os telespectadores para que mantenham uma boa alimentação e uma prática de desporto para aumentar “as nossas frequências de vibração” — conceito sobre o qual Nube de María não apresenta qualquer explicação científica — e para fortalecer o sistema imunitário. Por fim, ao mencionar os “abraços espirituais” que costuma partilhar com a sua comunidade de seguidores, remata com mais uma previsão adequada à pandemia que o mundo atravessa atualmente: “Creio que em 2020 não haverá nenhum abraço”.

Este vídeo está a ter uma grande disseminação nas redes sociais. A publicação abaixo, feita por um utilizador português do Facebook, contava já com mais de mil partilhas quando o Observador a consultou. No YouTube, o Observador encontrou pelo menos duas partilhas do mesmo vídeo que, juntas, somam perto de meio milhão de visualizações.

Há, pelo menos, três aspetos que apontam para a falsidade deste vídeo:

  • Em primeiro lugar, apesar de no ecrã aparecer a data “24-12-2019” durante a emissão, não há vestígios deste vídeo na internet anteriores a fevereiro deste ano. As primeiras referências encontradas pelo Observador surgem em fevereiro de 2020 e, em alguns meios espanhóis, abundando depois as réplicas do vídeo divulgadas durante o mês de março;
  • Em segundo lugar, o apresentador Toni Rovira partilhou na sua página do Twitter, a 24 de dezembro de 2019, uma fotografia do programa original do dia (reprodução abaixo), onde é possível constatar que as roupas usadas por ele e os acessórios usadas pela vidente não correspondem ao que se vê no vídeo que tem sido partilhado (e que é atribuído ao programa transmitido a 24 de dezembro). São apenas parecidos, o que indicia que o vídeo foi gravado noutro momento. Exemplo: no vídeo supostamente gravado a 24 de dezembro, o apresentador aparece com um laço no pescoço e, na imagem que partilhou no Twitter nesse dia, aparece com uma gravata e com um casaco diferente. Já a vidente aparece com uma roupa parecida, mas na fotografia partilhada no Twitter apresenta-se com um colar sobre o vestido que, no vídeo, já não tem.
  • Finalmente, embora não haja referências àquele vídeo em dezembro do ano passado, é possível encontrar na página da vidente no Facebook um vídeo mais recente, de 31 de dezembro, onde Nube de María apresenta novamente as suas previsões para o ano que estava para começar. Nesse vídeo, a vidente (que parece usar as mesmas roupas em todos estes vídeos) diz que 2020 iria começar com um “ciclo positivo” — contradizendo diretamente a afirmação atribuída ao programa supostamente emitido na semana anterior. Nesse dia (supostamente, uma semana depois de prever a pandemia), a vidente dizia que 2020 seria um ano bom para abrir a porta a “novos projetos” amorosos, para “sair da nossa zona de conforto” e um ano de “abundância”. E que era um ano para quebrar com o “ciclo negativo” de 2019. 

Nesta publicação feita no Twitter pelo programa Toni Rovira y Tú de 24 de dezembro de 2019 é possível ver que a roupa do apresentador e os adereços da vidente não correspondem ao vídeo

Este vídeo já mereceu várias referências na imprensa espanhola, seja em tom irónico seja no sentido de o desmentir e negar. Os meios de comunicação espanhóis que tentaram contactar a vidente e o apresentador de televisão no sentido de esclarecer quando é que o vídeo tinha sido efetivamente gravado não obtiveram resposta.

Conclusão

Embora não seja totalmente claro se este vídeo é uma simples mentira ou uma manipulação mais complexa da informação, nem que motivos poderão estar por detrás da eventual produção do vídeo, uma coisa é certa: não há um vídeo datado de dezembro do ano passado no qual esta vidente preveja a pandemia da Covid-19. Não há provas de que o vídeo tenha sido efetivamente gravado a 24 de dezembro e tendo em conta a imagem disponibilizada pelo apresentador nesse dia, há detalhes que indiciam de que se tratarão de momentos diferentes. Além disso, não é possível encontrar este vídeo nas redes sociais do programa nem nas da vidente. Também não encontrámos outros vídeos com o mesmo tipo de previsão em dezembro.

Segundo o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

Errad0

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota 1: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook.

Nota 2: O Observador faz parte da Aliança CoronaVirusFacts / DatosCoronaVirus, um grupo que junta mais de 100 fact-checkers que combatem a desinformação relacionada com a pandemia da COVID-19. Leia mais sobre esta aliança aqui.

IFCN Badge