O cenário é difícil de imaginar: 21 mil pessoas dos quatro cantos da Europa e do mundo a trabalhar durante 48 horas com desconhecidos para derrotar um inimigo comum. Um cenário tornado possível pela Comissão Europeia através da iniciativa #EUvsVirus, uma hackathon (uma maratona de criação) para desenvolver ideias digitais inovadoras para combater o surto da Covid-19 que decorreu entre os dias 24 e 26 de abril.

A ideia surgiu já em plena pandemia e foi levada a cabo pelo Conselho Europeu de Inovação, em colaboração com outras direções-gerais da Comissão Europeia e com alguns Estados-Membros, e com o patrocínio da comissária Mariya Gabriel. Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, e Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, foram dois dos muitos embaixadores por toda a Europa.

A participação foi extraordinária. 21 mil participantes de 141 países diferentes a trabalhar em 2 mil ideias, e 80 mil a assistir a tudo em direto. No final, avaliadores de toda a Europa avaliaram os projetos, e a 30 de abril foram anunciados os vencedores – 117, os três primeiros (em alguns casos, 3º lugar ex aequo) de cada um dos 37 desafios escolhidos. Graças a vários parceiros, um total de 100 mil euros será distribuído pelos vários projetos vencedores, que terão a oportunidade de explicitar as suas necessidades e serão ajudados a encontrar apoios no final de maio, em nova sessão organizada pela Comissão. Tudo isto feito de forma solidária, sem a Comissão gastar um único euro no evento, graças a uma equipa de 400 voluntários dedicados.

Portugal respondeu em força à chamada. 500 participantes estiveram a trabalhar nos 37 desafios, e há 6 equipas com portugueses entre as vencedoras, em categorias tão diversas como a coesão social, a continuidade dos negócios ou a educação à distância.

Para além dos 100 mil euros em apoios dados pelos parceiros aos projetos vencedores, o Conselho Europeu de Inovação organizará ainda, nos dias 22 a 25 de maio, uma matchathon, um evento que vai promover o match entre as necessidades dos projetos e os recursos que os parceiros e novos apoios possam disponibilizar, contribuindo assim para que as ideias se tornem soluções robustas para responder aos problemas dos europeus. As soluções vencedoras serão ainda alojadas numa nova plataforma, EIC Covid Platform, para ser mais fácil ligar os potencias utilizadores, como hospitais ou empresas, às soluções que os beneficiam.

Estas iniciativas mostram bem o melhor da Europa: em tempos difíceis, centenas de funcionários dedicam o seu próprio tempo a criar um evento onde todo o mundo se pode juntar para desenhar as soluções que resolvem os pequenos e os grandes problemas das nossas vidas em tempo de pandemia.