Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ainda há pouco mais de um ano, Jerónimo de Sousa mantinha a mesma dúvida de Bernardino Soares, confessada 16 anos antes – que a existência de uma democracia na Coreia do Norte é uma questão de opinião. Tendo o jornalista insistido com ele sobre a dificuldade em reconhecer a inexistência da mesma, Jerónimo de Sousa rematou com “o problema não é esse. O que é a democracia? Primeiro tínhamos de discutir o que é a democracia”.

Bom, parece-me que esta dúvida explica em muito o porquê do PCP manter a sua festa do Avante num ano atípico como este. Porque também aqui temos de perceber primeiro o que é a democracia. Também aqui temos de perceber primeiro o que é a igualdade de direitos (e deveres). Também aqui temos de perceber o que é essa coisa invulgar da responsabilidade e liderança pelo exemplo. Também aqui temos de perceber o que é atípico. Também aqui temos de perceber o que são festivais de Verão. E também aqui temos até de perceber, primeiro, o que é o IVA.

A teimosia do PCP em realizar a festa do Avante demonstra que não só não tem ideia nenhuma do que são estas realidades, como mostra uma completa falta de respeito para com aqueles a quem eles gostam de chamar a “classe trabalhadora”.

Porque neste ano atípico, em que se legislou no sentido da proibição dos festivais de Verão, centenas, para não dizer milhares, de trabalhadores ficaram prejudicados. Desde as bandas de música a todo um conjunto de pessoas que garante a montagem física e técnica desses mesmos festivais, às empresas fornecedoras dos meios técnicos, dos pequenos quiosques de comida e bebida que abundam nos festivais,aos restaurantes e arrendamentos de curta duração, que deixaram de ter clientes por via dos festivais, etc.. Os trabalhadores que são prejudicados por este ano atípico são aos milhares.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Neste mesmo ano atípico, permanece a restrição de poderem estar apenas dez pessoas nos funerais. Num momento de despedida definitiva de um ente querido, por grande que a família e amigos sejam em número, dez pessoas são o limite.

Neste ano atípico, os centros comerciais fecham às 20 horas, com as óbvias consequências para os lojistas em geral e na restauração em particular.

Neste ano atípico não se podem vender bebidas alcoólicas a não ser para consumo dentro dos restaurantes, que têm de fechar às 23 horas, e é proibido o consumo de álcool em espaços públicos depois das 20 horas.

Neste ano atípico, as discotecas podem finalmente reabrir, mas sem pistas de dança, e apenas se funcionarem como cafés e só até às 20 horas!

Mas nada disto se aplica à festa do Avante, que não só se vai realizar, como se prolongará até à uma e meia da manhã  – e cheira-me que não devem ser os cafés, ou galões, as bebidas preferidas dos festivaleiros.

Com a desculpa de ser uma actividade política – quando até os restantes partidos cancelaram as suas festas de rentrée – foi evidente desde o primeiro momento, nomeadamente quando os festivais de Verão foram cancelados, que o PCP iria manter a festa do Avante.

António Costa, aliás, logo no dia seguinte fez um duplo mortal empranchado com pirueta à rectaguarda, dizendo que “não lhe passava pela cabeça proibir actividade política”. Ou seja, a festa do Avante não é necessariamente um festival de Verão. Eu também acho – é um festival e é no Verão, mas associar as duas coisas parece-me um abuso anti-democrático.

O que temos então na festa do Avante?

Música! São muitas as bandas que tocam ao longo destes três dias na festa do Avante. Tal como no Rock in Rio, no MEO Sudoeste, ou no Primavera Sound.

Comida e bebida! Para três dias a bombar, claro que existem vários espaços com comida e bebida para venda e respectivo consumo. Tal como no Nos Alive, no Super Bock Super Rock, ou no EDP Cooljazz.

Agora … o que é que não há na festa do Avante que há nos outros festivais? Na realidade, há em todo o lado? Além do Covid, claro, mas isso não é para aqui chamado, não me macem!

IVA! Ora aí está um ponto que distingue a festa do Avante de qualquer outro evento ou festival. Nada do que é vendido está sujeito a IVA, tal como o lucro não está sujeito a IRC. Come-se e bebe-se, mas não há cá facturas …  “Isto é para ajudar o partido, não há IVA” … E o lucro não paga IRC, porque os partidos não estão sujeitos a IRC.

Mas deixando a componente fiscal para outro artigo, o que está hoje em causa, que é a questão da saúde pública e a coerência entre a realidade “PCpiana” e o resto da população, a prova da inversão de princípios é, desde logo, saber-se que em vez de ser o PCP a pedir a aprovação e as orientações à Direcção Geral de Saúde, é esta que anda atrás do PCP para ter conhecimento das regras a aplicar e do plano de contingência para se poder pronunciar. Ou melhor, simular um qualquer pronunciamento que nunca será, de forma explicita, nem contra nem a favor.

Já o nosso Marcelo, agora a acumular funções de nadador salvador, diz que é muito difícil pronunciar-se sobre uma realidade tão complexa, que envolve autocarros, comes e bebes, espectáculos, comícios … É verdade! É mais complexa do que qualquer outro festival de Verão. Não será, então, tão simples perceber porque não se deve realizar?

Não querendo ser chata, por acaso há uns anos, Ruben de Carvalho, disse que a festa do Avante era o percursor dos festivais de música em Portugal. Ao site Abril Abril, o então membro do comité central disse que “a primeira versão do Rock in Rio é a Festa do Avante! passada a papel químico”.

Mas hoje os tempos são outros. E uma coisa é o PCP, outra coisa são os outros todos.