Rádio Observador

caderno de apontamentos

Descentralização na Educação: e as escolas?

Autor
  • David Sousa
131

Entendamo-nos: não é pelo simples facto de as verbas para as escolas passarem a ser canalizadas através das autarquias em vez de diretamente do ME, que as escolas passam a ter melhores resultados.

No âmbito das sessões desenvolvidas pela ANDAEP, por todo o país, para ouvir as principais preocupações dos diretores de agrupamentos e escolas públicas, o tema da descentralização tem sido um dos mais aflorados: a ausência de debate e o receio que a descentralização configure uma transferência de competências para as autarquias em prejuízo da autonomia das escolas é a principal preocupação.

Esta preocupação é manifestada num momento em que a temática da descentralização volta a estar na agenda e no discurso políticos e em que é consensual a perspetiva de que as escolas, em Portugal, têm uma muito reduzida margem de autonomia nas questões que são centrais e relevantes na sua ação educativa, como sejam o currículo e a gestão dos seus recursos humanos.

Será consensual a ideia (da OCDE) da importância da descentralização de competências políticas relacionadas com o planeamento, direção, financiamento e alocação de recursos educacionais do poder central para unidades subnacionais públicas, regionais ou locais. Falta pensar no lugar da escola e da sua autonomia em todo este processo. E disto, em Portugal, pouco ou nada se fala!

É absolutamente premente que sejam criadas soluções pensadas “fora da caixa”, conceptualmente enquadradas, que resultem de um amplo debate envolvendo, de forma efetiva, as escolas e os seus principais atores.

Há muito tempo que não vemos, em Portugal, uma ideia clara e consequente sobre um sentido para a educação (com exceção da constituição de agrupamentos de escola e a redução do número das chamadas “unidades orgânicas”). As boas ideias que vão surgindo são, normalmente, metidas na gaveta ou ignoradas.

Será o caso de um artigo publicado na revista Brotéria, em setembro de 2011, por Joaquim de Azevedo e Rodrigo Queirós e Melo, no qual propõem um novo modelo de regulação da educação que visaria “dar resposta aos desafios e às necessidades de um sistema educativo fundado na autonomia das escolas e na regulação policêntrica, solidária e socio-comunitária da educação.”

Trata-se de uma visão profundamente atual. Um exemplo disso é o facto de na Cimeira ISTP18, que decorreu em Lisboa, nos passados dias 22 e 23 de março, o tema da 1ª sessão plenária ter sido “Escolas no centro das suas comunidades”, por ser entendido que “poucos países tomaram a iniciativa de pensar de forma aprofundada sobre a maneira de reforçar o papel vital das escolas nas suas comunidades”.

O município de Cascais teve esta visão. Em 2013, de certo modo inspirada conceptualmente nas ideias do referido artigo e concretizada num trabalho que envolveu município, agrupamentos de escolas e a Universidade Católica do Porto, foi possível construir uma proposta de criação, em Cascais, de uma Autoridade Local de Educação e Formação (ALEF). Baseada em oito princípios orientadores e organizadores, assumiam-se como objetivos (1) promover mais e melhor educação no Município de Cascais, de modo a que ninguém fique para trás, sem uma resposta educativa adequada e justa, (2) criar condições para uma gestão participada e integrada, eficaz e eficiente dos recursos ao nível da educação e da formação profissional e (3) criar melhores condições para que as escolas se concentrem na sua missão de ensinar e fazer aprender (…).

Cascais acabou por assinar com o Governo, em maio de 2015, no âmbito do Programa Aproximar Educação, um Contrato Interadministrativo de Delegação de Competências. Apesar de alguns ganhos para as escolas (no caso de Cascais, o principal terá sido o de, finamente, ter acabado o problema da falta de pessoal não docente), consideramos que este modelo (do Programa Aproximar) não responde às aspirações das escolas e que se perdeu uma oportunidade.

Entendamo-nos: não é pelo simples facto de as verbas para as escolas passarem a ser canalizadas através das autarquias em vez de diretamente do ME, que as escolas passam a ter melhores resultados e os alunos melhores aprendizagens. Esta é uma equação errada cujas consequências, muitos diretores, por todo o país, mostram temer. Acreditamos que, só por uma questão de (des)confiança por parte do poder central, foi abandonada uma excelente proposta de descentralização e autonomia para a qual seria importante voltar a olhar.

Diretor do Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo, Cascais. Vice-presidente da ANDAEP (Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas) – as opiniões manifestadas neste artigo são pessoais e não vinculam a ANDAEP.
‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto
187

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)