Educação

Ensino privado e interesse público /premium

Autor

O ensino privado não se opõe ao interesse público. Pelo contrário, a liberdade e até o apoio ao ensino privado podem estar ao serviço do interesse público.

A mais recente edição da revista semanal The Economist dedica 12 páginas (e um dos cinco editoriais) ao tema da “Educação Privada”. Os dados contidos no estudo e os argumentos desenvolvidos pela revista certamente surpreenderão os que entre nós teimam em opor o interesse público ao ensino privado. Vale a pena rever brevemente este excelente trabalho de The Economist.

O ponto de partida reside no crescimento acentuado, à escala mundial, do ensino privado nos últimos 15 anos: de 10 para 17% no caso do ensino primário; de 19 para 27% no ensino secundário. Este crescimento é particularmente acentuado nos países em vias de desenvolvimento, como a Índia, China, Paquistão ou Vietname, entre outros. Na Índia, o sector privado educa actualmente metade dos alunos, e mais de um terço no Paquistão.

Estes dados poderiam levar a pensar que se trata de um fenómeno do mundo em vias de desenvolvimento. De facto, o crescimento vigoroso do ensino privado nos últimos 15 anos tem ocorrido sobretudo nos países pobres que entretanto encetaram a chamada “descolagem” (da pobreza) através do crescimento económico. O aumento da procura pelo ensino privado exprime, antes de mais, a expansão das classes médias e a elevação da sua ambição “melhorista” — a ambição de melhorar a sua própria condição e das suas famílias, parafraseando Adam Smith.

Mas o fenómeno não se reduz aos países em vias de desenvolvimento. Nos EUA , a partir da década de 1990, teve lugar um vigoroso movimento das chamadas “Charter schools” — escolas que são geridas privadamente mas em que os alunos recebem “vouchers” públicos para pagar as propinas. O número de alunos nestas escolas cresceu de 400 mil no ano 2000 para 2,8 milhões em 2015.

Um fenómeno semelhante teve lugar no Reino Unido, com as chamadas “Academias” e “Escolas Livres” (também elas geridas privadamente, com “vouchers” públicos para cobrir as propinas). Cerca de três quartos dos alunos britânicos do ensino secundário e um terço dos alunos do ensino primário frequentam hoje estas escolas. Na Holanda, três quartos dos alunos frequentam escolas privadas, na maior parte dos casos pagando as propinas com fundos públicos. E os exemplos podiam continuar (para a Suécia, o Chile e muitos outros casos que The Economist analisa com algum detalhe).

No plano conceptual, a questão interessante é a seguinte: se tantas pessoas em tantos países procuram cada vez mais o ensino privado, como explicar a oposição de tantos políticos e de tantos intelectuais ao ensino privado em nome do interesse público?

A razão em regra apresentada é a da desigualdade inerente ao ensino privado: apenas os mais ricos têm meios para pagar as propinas no ensino privado. Isso gera uma evidente desigualdade entre os que “têm mais e podem mais” e os que “têm menos e podem menos”.

Este é certamente um argumento razoável — ainda que deva ser atenuado pelo confronto com o facto de muitas famílias de classe média e média-baixa (não propriamente “ricas”) estarem na origem do crescimento do ensino privado dos últimos 15 anos.

Mas basta uma breve pausa de reflexão para entender que, se esta desigualdade de acesso fosse o real problema, a solução óbvia seria simples: financiar publicamente os alunos que precisam (e merecem, de acordo com os seus resultados escolares) de forma a poderem pagar as propinas nas escolas privadas. Esta é, aliás, a solução inerente às “Charter schools” nos EUA, às “Academias” no Reino Unido, e a grande parte das escolas privadas na Holanda.

O real problema deve por isso residir noutro lugar. Creio que se chama também desigualdade, mas é uma desigualdade de tipo diferente da do acesso ao ensino privado. Trata-se da desigualdade de resultados em regra produzidos pelo ensino privado — que em regra são melhores do que os resultados produzidos pelo ensino estatal. Mesmo quando não são melhores, no entanto, a simples existência de ensino privado, gerido descentralizadamente e em concorrência com o sector estatal (este em regra gerido centralizadamente) contém em sim mesma a possibilidade de obter resultados diferentes, com métodos diferentes, com opções diferentes.

 

Por outras palavras, não se trata de opor ensino privado e ensino estatal. Trata-se de compreender que a concorrência entre ambos fornece o estímulo mais eficaz para a melhoria dos padrões e dos resultados educativos.  A simples existência de ensino privado descentralizado contém a possibilidade de concorrência e de resultados desiguais — que podem depois ser comparados e fonte de melhoria para todos.

Como argumenta The Economist, o ensino privado não se opõe ao interesse público. Pelo contrário, a liberdade e até o apoio ao ensino privado podem estar ao serviço do interesse público.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Carta de Inglaterra /premium

João Carlos Espada
185

Após cinco dias em Inglaterra, não faço ideia de como vai acabar o Brexit. Mas faço votos de que, qualquer que seja o resultado, não estrague as boas maneiras que ainda encontrei por todo o lado.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Educação

Professores, precisam-se

Marco Almeida
2.454

Sem capacidade para atrair novos docentes, o Estado revela a sua incapacidade para enfrentar o desígnio mais importante para o desenvolvimento sustentado e sustentável, o desígnio da Educação e Ensino

caderno de apontamentos

Seremos livres? /premium

Maurício Brito

Os resultados a que chegámos permitem-nos afirmar que a despesa com a recuperação total do tempo de serviço dos professores rondaria os 300 milhões de euros – metade do valor que o governo apresenta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)