Livros

Intervalos

Autor

Europa matriz e porto ou Europa em declínio? União Europeia ou Desunião Europeia? Acreditar ou desistir? Leiam este livro de Carlos Gaspar: reflecte-se tanto quanto se aprende.

1. Dantes havia intervalos nos cinemas. Foram abolidos, ainda bem. Já a vida, o ruído dos dias, o ofício, as chatices, não se podem dar ao luxo de os dispensar, de vez em quando há fadários que precisam como pão para a boca de serem posto entre-parêntesis. O intervalo é porém um conceito interessante em si, pelo que subitamente pode pressupor tantas as “utilizações” que permite, a fantasia que despoleta.

Gosto de intervalos.

Não haverá porém melhor intervalo do que quando se agarra um livro e não nos desagarramos dele. Talvez só a música embora o exercício da comparação entre universos tão distintos – mas a que tantas vezes se procede — sempre me surja como ocioso e a “medição” entre o efeito de tais mundos sobre as nossas pobres almas, me pareça totalmente descabida. (Como diria o outro, musica ou letras, “é conforme”.)

2. De modo que no dobrar da esquina de um desses intervalo, agarrei no livro de José Cutileiro. (Abril e Outras Transições, D. Quixote). Livrinho breve, objecto muitíssimo bonito na sobriedade com que nos deita (ele, a nós) o primeiro olhar, mas pelo meu lado também não costuma escapar-me a moldura gráfica que embrulha o que me querem contar e este livro sabe-a toda: capa, tipo de letra, cheiro a papel, tamanho. O seu autor também sabe. José Cutileiro- entre algumas outras coisas e nenhuma de somenos – foi embaixador, viu muito, reteve tudo, não esqueceu nada. E um dia cinzelou a memória com uma boa ideia (e Deus sabe como é difícil ter uma boa ideia e depois domesticá-la para ela não nos devorar a nós).

Cutileiro voltou ao palco de três “transições” políticas por si vividas, na pele (e até ao osso!) do ofício diplomático: o 25 de Abril de 1974; o fim do Apartheid (estava em posto em Pretória, tendo sido das primeiras pessoas a avistar-se com Nelson Mandela, pouquíssimos dias após a sua libertação); a guerra dos Balcãs, numa esfacelada Jugoslávia pós-Tito. Três momentos históricos, fortes, intensos, decisivos, que aqui nos surjem, digamos, “ligados” por um denominador comum que é o olhar do próprio José Cutileiro — actor doublé de fino e atentíssimo observador. Óptima escolha de três questões maiores. Contada com aquele misto de arguta inteligência, indiscutível conhecimento de personagens, palco e bastidores políticos subtileza e ainda esse soupçon de cinismo que ele às vezes põe nas coisas que nos descreve, como quem agarra no sal ou na pimenta e apura um tempero. E claro, uma lucidez sem sombra de ilusão sobre quase nada — e perdoe-se-me o excesso de à vontade na afirmação — que a vida e a natureza humana conhece-as ele, como poucos. Tudo isto já não seria pouco, mas falta o melhor e aqui ele é o “vécu”. O maior interesse deste livro é justamente o ter sido ele vivido – e respirado — até ao fundo dos fundos por quem o escreve.

As três “Transições” são antecedidas, precedidas ou intercaladas por algumas reflexões sobre Portugal e a nossa indefinível (aqui não peço desculpa pelo à vontade no uso do adjectivo) condição portuguesa. Onde de novo há finíssima observação, há humor e sabor, há realidade, nas pequenas histórias que José Cutileiro desencantou da sua memória e nas pessoas a quem recorreu para as ilustrar. Com elas — histórias e pessoas — agarra numa pincelada de palavras e conta, melhor que num tratado ou em mil estudos, esta coisa (indefinível outra vez) de ser português.

3. Foi um momento roubado a mim própria, um breve intervalo numa manhã de afazeres. Entrei na Gulbenkian à procura do “Outro lado do Espelho”, como a Alice.

Mas ainda antes de me aperceber da organização do espaço na imensa sala, o meu olhar foi captado não pelo interior — a omnipresença ambígua dos espelhos nas telas –, mas pelo exterior verde que se avistava através da larga e lisa superfície do vidro das janelas. Via o jardim como se subitamente fosse a primeira vez que o via, rasgado em clareiras e caminhos e ao mesmo tempo tão poderosamente secreto, por vezes um quase bosque escondido. Árvores antigas, plantas, arbustos, folhagem densa, natureza pujante de verdes e castanhos, quem diria que era Janeiro. Outra tela.

Era — foi — difícil tirar dali o olhar. Filtrado pela luz coada da manhã, porque é que o jardim me cativava tanto? Levei tempo a deixar-me contaminar pelos espelhos e sua perturbante ambiguidade, a complexidade de significados e sentidos que eles podem projectar em cada um, num percurso através de cinco núcleos que nos são propostas para a viagem ao outro lado de cada um daqueles espelhos.

Magnifico. Fiz e refiz o percurso das cinco “estações” de uma das exposições mais inteligentes – não sei se a palavra é bem esta, talvez envolvente, talvez interpelante – que tenho visto na Gulbenkian, notavelmente bem “dada a ver” pela sua curadora Maria Rosa Figueiredo. Mas uma curadora não é afinal também ela uma criadora?

4. Falei acima de filmes sem intervalos (e sim, ainda bem: que seria dar mais tempo aos esfaimados devoradores de pipocas que se sentam ao nosso lado e nos arruínam o filme?), mas este que agora vi foi seguramente em si mesmo um resplandecente intervalo: entre mau jornalismo e tibieza humana, bom jornalismo e direiteza de carácter. Falo do “The Post”, claro, e não acredito que haja algum jornalista digno desse nome que não tenha sentido a garganta seca, um sobressalto, uma furtiva lágrima quando Catherine Graham — proprietária do Washington Post — decide que sim, “Os Papéis do Pentágono”, sim, são para publicar, sim. São, sim.

O filme é uma galopada vibrante e bem coreografada e eu que não sou desse tempo, sou ainda um bocadinho dele: o inconfundível frenesim – um frenesim exclusivo, só nosso –, a pressa, a arqui sagrada “hora de fecho”, a partida sempre sobressaltada e a alta velocidade das provas para a gráfica, primeiro em “A Capital”, depois no “Expresso, o “tudo para ontem”, a também inconfundível alegria pela “cacha” obtida, a camisola sempre vestida, o brio. Que tempos.

Mas nesses ou nestes tempos, aqueles vinte segundos ao telefone de uma mulher de meia idade, Catherine Graham/Merryl Streep, dividida e tensa, no auge da solidão e sabendo como só a ela cabe o peso, a responsabilidade e o resultado da sua decisão, valem o filme. Julgo até que não é preciso ser jornalista de vocação ou profissão (não é a mesma coisa) para perceber que se trata de uma história de carácter a propósito de jornalismo.

Um filme para todos, portanto.

5. Um só intervalo não chega para apreciar este livro: lendo-o, reflecte-se tanto quanto se aprende. Um bom ponto (A Balança da Europa, Carlos Gaspar, Aletheia).

A Europa está em declínio ? perguntamo-nos, entre o receio e a inquietação perante um hoje incerto. Dizem-no um “hoje” de mudança de rumo, será assim? Há Macron, imperial, disposto a devolver ao eixo franco-alemão o seu poder e a sua liderança; há Merkel, navegando na maré baixa, depois do longo ciclo das marés altas; há uma gente desequilibrada e perigosa no canto leste, há uns grupos organizados de extrema direita à espera e a espreita da sua vez, com muitos votos no bolso; há um sul a mudar mas nem todo na mesma direção. E há crises pesadas, dos refugiados à flagrante usura dos próprios sistemas democráticos, passando pela encalhada reforma do euro (será desta?). Avanços e recuos, súbitas ilusões (como agora, com Macron), más surpresas, desilusões, desuniões, medos. E um divórcio litigioso entre eleitos e eleitores, eis o que tem sido o pão nosso de cada dia.

Mas… é preciso ir buscar o antes disto. Voltar ao ao passado: essa longa, trágica, sanguinária, impressionante história que Carlos Gaspar – para melhor recortar o hoje europeu de que nos quer falar – ressuscita, relembra e revê. Uma lição, partitura para vários instrumentos, história, política, cultura e civilização ocidental. E conhecimento da génese de que são feitos os comportamentos humanos que ditaram as decisões e as escolhas que, sabemo-lo bem, conduziram às vitórias ou ao horror.

Europa matriz e porto ou Europa em declínio? União Europeia ou Desunião Europeia? Acreditar ou desistir? Leiam este livro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Poder e manipulação /premium

Maria João Avillez
429

O mais interessante é que não estou a brincar. Pelo contrário: tamanhas tentações de poder, controlo e manipulação preparam para a guerra. Preparam-nos.

Livros

O cavaleiro de cristal

Maria João Avillez

O livro traz-nos intacto o ar dos muitos tempos que o Victor testemunhou, com alguns dos quais privou intimamente, nalguns dos quais interveio directamente. Com desapiedade lucidez.

PSD

Primavera chuvosa (e um até já)

Maria João Avillez
139

Convinha reparar que na cave e subcave onde se fabrica o veneno, a temperatura da indignidade e o grau da brutalidade – do insulto, da falsidade, do ódio – atingem picos que nunca se viram, nem usaram

História

Angola é nossa! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
254

Angola é nossa porque é da nossa língua, como nossa é também porque, na sua imensa maioria, é católica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)