Rádio Observador

Eleições Europeias

Marca d’água /premium

Autor

Votei antecipadamente. Reflecti em plena campanha eleitoral. E agora? Conto carneiros até que fechem as últimas urnas de voto nos Açores não vá eu com os meus textos perturbar os eleitores?

Qual é o dia de reflexão dos eleitores que votaram no passado Domingo? Sim, aqueles que, como foi o meu caso, optaram por votar antecipadamente estão certamente desobrigados de reflectir no sábado anterior às eleições. Nós já reflectimos há sete dias. A não ser claro que se nos aplique a obrigação de reflectir pós-dia de eleições. (É certo que os desacertos entre as escolhas feitas pelos eleitores  e aquilo em que os eleitos se transformaram depois de escolhidos são tão sonantes que levam a pensar que a reflexão pós-eleitoral devia ser obrigatória e vinculativa.) Assim sendo, e estando eu neste limbo reflectivo-legislativo, tenho a acrescentar que quero mesmo escrever sobre esta eleição europeia – a tal para que votei há uma semana – e sobre a duvidosa legalidade da forma como decorreu a votação em que participei.

Já aos leitores que hoje têm de reflectir recomendo que revejam a Raquel Welsh em “One million years BC”, sim exactamente aquele filme dos anos 60 que mistura bikinis, dinossauros e hortas biológicas. Andam os caros leitores com o comando até ao momento da aula de natação da Raquel Welsh aos primitivos. Pronto ficam aí sossegados que eu já volto e uma coisa dessas vale a pena ser vista várias vezes. Entretanti eu reflito sobre a minha experiência eleitoral de há uma semana. Repito, de há uma semana. Logo estou por minha conta.

Não foi uma questão de mais fila ou de muito tempo para votar. É de legalidade mesmo que falo ou mais propriamente escrevo: votou-se depois da hora e havia urnas abertas – sim, com a urna sem tampa e com os votos todinhos ali à vista e à mão de qualquer um. Quanto ao sigilo do voto também me parece que está mais que comprometido. Senão vejamos o que aconteceu: o voto não foi apenas dobrado como nas outras eleições, mas sim colocado dentro de um envelope branco que por sua vez foi metido dentro doutro envelope, este azul. Com o voto duplamente envelopado entregava-se o mesmo a um membro da mesa que escrevia no dito envelope exterior o nosso nome do eleitor, o nosso número de cartão de cidadão e o local de voto. Como é óbvio o processo inverso é possível: olha-se para o envelope azul e lê-se o nome que lá está. Depois é só abrir o envelope azul, em seguida o branco e depois desdobrar o voto. Dir-se-á que tal nunca acontecerá. Não sei.

Acreditando que os leitores perceberam devidamente a engenhoca dos envelopes voltemos à aula de natação da Raquel Welsh mais precisamente ao momento em que estavam os primitivos a descobrir as maravilhas do crawl e aparece a aventesma do dinossauro voador.

Creio que foi desde esse momento fundador na História do cinema e dos bikinis que nas cabecinhas ocidentais se passaram a confundir alterações climáticas com tudo o que comprometa “o bom tempo” para ir à praia.  Basta ouvir as palavras de ordem dos betinhos urbanos que desfilaram no centro de Lisboa para “salvar o planeta” e as diatribes daquela adolescente Greta que parece saída das aterrorizantes brigadas de crianças khmers vermelhas, para constatar que mais dinossauro menos vulcão se tornou fé obrigatória acreditar que o planeta está em risco por culpa da humanidade, para o caso das culpas restrita ao mundo ocidental. E assim com a Raquel Welsh quase a ser devoradas pelas crias do pterodactilo (o bikini continuava a assentar-lhe estupendamente!) voltamos à minha votação. De há uma semana, não se esqueçam os leitores nem a CNE.

Se alguém tratou de experimentar previamente o procedimento estabelecido para a votação antecipada certamente que se calou bem caladinho pois ao tentar-se enfiar a matrioska de envelopes dentro da ranhura da urna de voto constatava-se que não cabia. A sério, os envelopes não passavam facilmente daí que em algumas mesas de voto se tenha optado por abrir as urnas. Também ninguém ponderou o tempo necessário para se escrever no envelope exterior o nome do eleitor, o seu número de cartão de cidadão, local de voto e selar com uma etiqueta numerada a matrioska de envelopes. Mas ainda faltavam mais uns detalhes logo mais tempo na fila: tínhamos de depositar o voto na urna aberta ou lutar com a ranhura para, por fim, recebermos o comprovativo de que tínhamos votado devidamente etiquetado com um número igual ao que selara o nosso envelope. Como se percebe tudo isto demorava muito mais tempo que a votação habitual. Mas ninguém o previu.  Afinal uma coisa é anunciar o voto antecipado e fazer de conta que sim senhor somos muito modernos. Outra bem distinta é tratar e verificar os procedimentos para que ele de facto aconteça.

Neste momento da fita já a Raquel Welsh está de figura inspiradora da presente articulação entre o feminismo e a ecologia pois não é em vão que ela lidera aquele grupo de amazonas que não só praticava a pesca sustentável como se dedicava com particular sucesso à agricultura biológica.

Nada do que aconteceu na votação de dia 19 é tecnicamente irresolúvel mas a forma atabalhoada como decorreu esse dia de eleições remete para um padrão governamental: anuncia-se, faz-se o show do anúncio, colhem-se os louros jornalísticos do projecto ambicioso, do anúncio histórico, da medida inovadora… Quando chega a hora da verdade em que o histórico não existe, o inovador fica abaixo das expectativas e o ambicioso falha já não há notícias até porque os jornalistas já estão a comentar outro projecto ambicioso, outro anúncio histórico e outra medida inovadora…

Por exemplo, em Maio de 2018, anunciava-se como um dado adquirido que bastava cortar vagas no ensino superior em Lisboa e no Porto para que milhares de estudantes se pusessem a caminho das universidades e politécnicos do interior. Em Setembro, o ministro Manuel Heitor rejubilava porque a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro tinha atraído mais 82 novos estudantes do que no ano anterior. O Politécnico de Bragança mais 63, a Universidade do Minho 59 e a do Algarve 45. Curiosamente a Guarda que não fica no litoral registava menos 53 alunos, e as interiores Beja e Viseu perdiam respectivamente 25 e 23 alunos.

Feitas as contas conclui-se que o interior ganhou menos alunos que o Governo notícias a anunciar que íamos ter mais alunos no interior. Agora, em Maio de 2019, um estudo veio confirmar isso mesmo (o falhanço da medida não o sucesso das notícias sobre ela): “Corte de vagas não produziu efeitos desejados”. Como é óbvio a agenda anda agora entretida a anunciar o resultado doutras medidas. Elas terão de ser cada vez mais, mais espampanantes, mais ideologicamente marcadas e mais irrealistas para no seu estardalhaço ofuscarem o falhanço das anteriores mesmo quando o seu falhanço é de 100% como aconteceu com a muito propalada linha de crédito para limpeza da floresta.

E a Raquel Welsh o que foi feito dela? O “leitor-eleitor em dia de reflexão” que me perdoe mas não podia estar a interromper a contabilidade dos alunos que iam para o interior e não foram com a descrição do momento em que a mesma Raquel se torna uma precursora do multiculturalismo na versão tribal mas deixo já aqui a minha proposta: os manifestantes que querem “salvar o planeta”, mais a menina Greta e os deputados que a querem ouvir qual sibila, apanham o cacilheiro e vão até Cacilhas. Aí, com os pezinhos em cima desses terrenos que já foram de um estaleiro que a luta contra o capitalismo destruiu e que a empresa estatal“Baía do Tejo” se prepara agora para vender por 2 mil milhões de euros (para quê? Para escritórios e habitação que a indústria já foi para a China!) falam sobre as alterações climáticas e a subida do nível do mar. Assim ficará mais claro quem em Lisboa quer declarar a emergência climática e em Almada quer construir rentinho ao mesmo mar que em Lisboa se garante vai subir. Acreditem o anacronismo do bikini da Raquel Welsh a par da sua aula de natação aos primitivos são um detalhe ao pé do desacerto entre o discursos e a prática desta gente.

Em resumo e como resultado de uma reflexão que creio aprofundada pela forma como votei nestas eleições: sabemos que a esquerda está no poder quando os anúncios governamentais são avaliados em função do anunciado e não do acontecido. É a sua marca d’água. Tal como o bikini era da Raquel Welsh.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Salazar

O lugar do morto /premium

Helena Matos
795

Em Santa Comba, a imagem da campa rasa de Salazar tem uma clara leitura política: morreu pobre o homem que esteve 40 anos no centro do poder em Portugal. 

Ambiente

O corpo humano no planeta do bom tempo /premium

Helena Matos
376

O corpo humano desumaniza-se. Já o corpo dos animais gera ternura, carinho e tudo nele obedece a esse mantra do nosso tempo: ser natural num planeta em que o clima oficial é um eterno bom tempo.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições

Liberal e de Direita /premium

Diogo Prates

Rejeito o mantra de esquerda “temos de perder vergonha de ir buscar a quem está a acumular dinheiro", antes acredito que o Estado não pode limitar as empresas naquele que é o seu papel: gerar riqueza.

Política

Salvo raras exceções

Diogo Poço Miranda

Não interessa aos dirigentes políticos que os melhores se envolvam na política, porque o certo é que se os melhores da sua geração o tivessem feito eles não estariam lá. Salvo raras exceções

Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)