Ambiente

O aquecimento global arrefeceu a esquerda fracturante

Autor
125

O aquecimento global estagnou. O facto representa uma derrota política da corrente ideológica que usou a ciência para legitimar o seu radicalismo contra o capitalismo.

Diz a esquerda fracturante que o aquecimento global é uma evidência dos nossos tempos – e só alguém cego e pleno de má-fé poderia pôr em causa o que é evidente. É este o ponto de partida para qualquer debate sobre o assunto, que tem como cenário uma previsão apocalíptica quanto ao futuro do planeta. E com uma causa simples de identificar: a poluição causada pelo homem. Ou seja, o aquecimento global é resultado directo da acção humana, nomeadamente de um modo de vida ligado ao ócio, ao individualismo e ao consumo. Em suma, ao capitalismo. Foi esta a convicção que dominou o debate público e, durante anos, foram raros os que se atreveram a desconfiar. Até porque, como sempre nos relembravam, nunca se tratou de uma questão de opinião ou de visão política, mas de ciência – isto é, de factos incontestáveis e, consequentemente, de evidências.

Só que, recentemente, as evidências deixaram de ser evidentes. De acordo com um artigo publicado na reputada revista “Science”, o aquecimento global estagnou no início deste século e, tudo indica, assim permanecerá até cerca de 2030. Isto apesar do aumento das emissões de gases com efeito estufa – ou seja, isto apesar da acção humana –, sendo o oceano Atlântico a (provável) principal explicação para o fenómeno. Ora, a descoberta é particularmente relevante, por duas razões principais: mostra como é complexo o equilíbrio de factores que têm influência sobre o clima (e como sabemos pouco acerca desse equilíbrio), e mostra que a acção humana não é o factor dominante nessa relação. Dito de forma simples, a conclusão é que, por mais que tantos o desejem, o homem não controla o clima.

De facto, acreditar no contrário foi sempre demasiado fácil. Essa relação de causalidade entre a acção do homem e o clima impõe uma visão do mundo que nos é querida: a de que o homem é a razão e a causa de tudo. Da mesma forma que, na idade média, se acreditava que tempestades e terramotos eram castigos divinos pelos pecados humanos, hoje há quem identifique num furacão a consequência directa da exploração petrolífera. A ciência substituiu a religião, mas o raciocínio manteve-se – continuamos a acreditar que tudo depende só de nós.

Mas mais do que fácil, foi útil acreditar. Politicamente útil. Porque o que verdadeiramente interessa é o carácter político da alegada relação causal entre a acção humana e o clima. Essa não foi um acidente, foi deliberada. E não foi imposta pela ciência, foi mesmo uma opção ideológica. Para alimentar os activismos e moralizar debates. Para fixar o modo de vida ocidental como raiz da ameaça à sustentabilidade do planeta. Para impor como solução a ruptura com esse modo de vida. Para, no fundo, fazer do aquecimento global o alibi para legitimar a luta contra o capitalismo e a defesa do socialismo. Durante décadas, funcionou. Manifestos, protestos, agendas fracturantes. Houve de tudo. Agora, está na hora de virarmos a página.

Olhando para trás, é de certo modo chocante verificarmos que tanta gente tenha escolhido acreditar numa relação de causalidade tão fragilmente demonstrada em termos científicos. Sim, porque a questão-chave nunca foi reconhecer que há aquecimento global ou que a acção humana pode contribuir para o efeito estufa (isso está efectivamente demonstrado), mas sim o estabelecer de uma relação causa-efeito entre a acção humana e esses fenómenos climatéricos. Esse salto lógico, que nunca foi devidamente sustentado, foi rápida e acriticamente aceite. Confirmou-se a regra: uma boa mentira, para ser credível, tem de ter uma ponta de verdade.

Obviamente que nada disto significa que o ambiente não deva ser cuidado ou que, perante estas descobertas, ganhámos o direito de esburacar a camada de ozono à nossa vontade. Nada disso. O que está em causa é uma dupla lição. A de que o homem não controla tudo. E a desta importante derrota política. A de uma corrente ideológica que usou a ciência para esconder o seu radicalismo contra o capitalismo. Pela ciência se ergueu. Pela ciência caiu.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo
107

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Governo

O faz-de-conta /premium

Alexandre Homem Cristo
421

O governo promete, aloca verba mas lança concursos públicos abaixo do preço de mercado, que ficam vazios. Incompetência? É mais provável o contrário: eis uma forma hábil de controlar a despesa pública

Japão

Pegar o touro pelos cornos

José Miguel Pinto dos Santos
340

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)