União Europeia

O Brexit do nosso descontentamento – Parte 2

Autor

Tal como o Euro se revelou um poço sem fundo e sem corda para se de lá sair, o Brexit está a demonstrar que também a UE é uma prisão de onde ninguém pode sair porque a sua chave desapareceu.

Há 9 meses o Observador publicou um texto meu intitulado “O Brexit do nosso descontentamento”. Longe estava eu de imaginar que passado este tempo o título então utilizado era tão premonitório.

O Brexit está num labirinto com solução desconhecida. A incompetência da primeira-ministra May e dos deputados britânicos levaram a esta situação. E a hipótese de adiamento da data de saída está agora em cima da mesa.

Gosto muito do Reino Unido, é o nosso aliado mais antigo, vivi lá durante alguns anos e até coloquei o “Big Ben” na minha página do “facebook” (apesar de não a usar muito) porque é o símbolo da democracia e da liberdade.

Mas os problemas dos britânicos não têm de ser os problemas dos portugueses. O que se passa agora no Reino Unido interessa-me porque é uma forma de ver a democracia funcionar com todas as suas imperfeições. Mas o que lá se vai passar depois da saída apenas aos britânicos diz respeito.

A visão geral na Europa é que deve ser o Reino Unido a resolver o problema que criou. Não concordo. O que me preocupa seriamente são os efeitos negativos da saída nas economias europeias e o que me interessa enquanto português é o que é que a UE está a fazer para os prevenir ou minimizar.

Esta deveria ser também a preocupação dos responsáveis europeus desde o início do Brexit. A melhor forma de a abordar era, sem qualquer dúvida, facilitar ao máximo a saída dos britânicos de forma a prejudicar o menos possível os restantes países.

Mas não, a opção foi exactamente a contrária. Os responsáveis europeus resolveram dificultar a saída, dividindo o acordo em dois momentos (saída e relações pós-Brexit) para prolongar a incerteza e alimentar o risco, agora cada vez maior, de ter os países da UE envolvidos nesta confusão que se tornou o Brexit.

Portugal não deveria ter de sofrer com as opções dos britânicos. Mas infelizmente parece cada vez mais certo que a incerteza vai continuar a aumentar, e com ela o risco de se gerar um forte efeito negativo da saída do Reino Unido.

O processo do Brexit deixa-nos assim uma importante e preocupante lição. Tal como o Euro se revelou um poço sem fundo e sem corda para se de lá sair, o Brexit está a demonstrar que também a UE é uma prisão de onde ninguém pode sair porque a sua chave desapareceu. A consequência é que as saídas, quando as houver, serão feitas à bruta e com um custo grande para as populações.

PS. Uma das coisas que mais me espanta neste processo é a atitude suicida da Irlanda, que será de longe o país mais prejudicado com o Brexit mas que, na ânsia de conseguir juntar a parte Norte da ilha, parece estar disposta a hipotecar o bem estar da sua população.

Director do Gabinete de Estudos do Ministério da Economia
O texto reflecte apenas a opinião do autor

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Por uma UE com futuro

Ricardo Pinheiro Alves

São muitos os sinais de crescente centralismo na União Europeia, cada vez mais preocupantes porque este centralismo que é adjectivado como “democrático” significa na realidade menos Democracia.

União Europeia

Brexit: chegou a altura do bom senso imperar

Ricardo Pinheiro Alves

Havendo um acordo mínimo no parlamento inglês, e tendo a União Europeia já humilhado suficientemente o Reino Unido, chegou o tempo de encerrar o processo e que a UE27 e o senhor Tusk tenham bom senso.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)