Rádio Observador

União Europeia

O Brexit do nosso descontentamento – Parte 2

Autor

Tal como o Euro se revelou um poço sem fundo e sem corda para se de lá sair, o Brexit está a demonstrar que também a UE é uma prisão de onde ninguém pode sair porque a sua chave desapareceu.

Há 9 meses o Observador publicou um texto meu intitulado “O Brexit do nosso descontentamento”. Longe estava eu de imaginar que passado este tempo o título então utilizado era tão premonitório.

O Brexit está num labirinto com solução desconhecida. A incompetência da primeira-ministra May e dos deputados britânicos levaram a esta situação. E a hipótese de adiamento da data de saída está agora em cima da mesa.

Gosto muito do Reino Unido, é o nosso aliado mais antigo, vivi lá durante alguns anos e até coloquei o “Big Ben” na minha página do “facebook” (apesar de não a usar muito) porque é o símbolo da democracia e da liberdade.

Mas os problemas dos britânicos não têm de ser os problemas dos portugueses. O que se passa agora no Reino Unido interessa-me porque é uma forma de ver a democracia funcionar com todas as suas imperfeições. Mas o que lá se vai passar depois da saída apenas aos britânicos diz respeito.

A visão geral na Europa é que deve ser o Reino Unido a resolver o problema que criou. Não concordo. O que me preocupa seriamente são os efeitos negativos da saída nas economias europeias e o que me interessa enquanto português é o que é que a UE está a fazer para os prevenir ou minimizar.

Esta deveria ser também a preocupação dos responsáveis europeus desde o início do Brexit. A melhor forma de a abordar era, sem qualquer dúvida, facilitar ao máximo a saída dos britânicos de forma a prejudicar o menos possível os restantes países.

Mas não, a opção foi exactamente a contrária. Os responsáveis europeus resolveram dificultar a saída, dividindo o acordo em dois momentos (saída e relações pós-Brexit) para prolongar a incerteza e alimentar o risco, agora cada vez maior, de ter os países da UE envolvidos nesta confusão que se tornou o Brexit.

Portugal não deveria ter de sofrer com as opções dos britânicos. Mas infelizmente parece cada vez mais certo que a incerteza vai continuar a aumentar, e com ela o risco de se gerar um forte efeito negativo da saída do Reino Unido.

O processo do Brexit deixa-nos assim uma importante e preocupante lição. Tal como o Euro se revelou um poço sem fundo e sem corda para se de lá sair, o Brexit está a demonstrar que também a UE é uma prisão de onde ninguém pode sair porque a sua chave desapareceu. A consequência é que as saídas, quando as houver, serão feitas à bruta e com um custo grande para as populações.

PS. Uma das coisas que mais me espanta neste processo é a atitude suicida da Irlanda, que será de longe o país mais prejudicado com o Brexit mas que, na ânsia de conseguir juntar a parte Norte da ilha, parece estar disposta a hipotecar o bem estar da sua população.

Director do Gabinete de Estudos do Ministério da Economia
O texto reflecte apenas a opinião do autor

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

Ainda Hong Kong, Macau e a Democracia

Ricardo Pinheiro Alves

Hong Kong e Macau reflectem a diferença entre 330 anos de construção lenta e gradual, mas consistente, de Liberdade e Democracia no Reino Unido, e apenas 44 anos nem sempre consensuais em Portugal.

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Ricardo Pinheiro Alves
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)