Rádio Observador

Eleições na Madeira

O desafio crucial de Costa na Madeira (e uma “golpada”) /premium

Autor
106

Se trago a Madeira do Atlântico foi por saber até que ponto é vital para António Costa a derrota de Miguel Albuquerque daqui a três meses. Costa quer tudo dele, ilhas incluídas.

1. Quando perguntei a Miguel Albuquerque com que dinheiro contava pagar as douradas promessas feitas nas últimas quarenta e oito horas aos médicos e professores da Madeira se ganhasse as eleições de Setembro próximo, ouvi simplesmente “com o nosso” (sem que ele sequer pestanejasse).

Mangas de camisa, olhar azul claro e um cabelo mais decente que o costume, o líder do governo madeirense continua a não pestanejar: ”recuperámos as finanças, temos um superavit há três anos, baixámos os impostos, exportamos mais do que importamos”. Sub entendido, eu que não me aflija com o custo das promessas de melhores dias para ambas as classes profissionais: “a despesa está consolidada e devidamente enquadrada”.

A verdade porém é que o que me traz não é uma história madeirense mas uma esperança lisboeta. Ou seja, se hoje “desloquei” a Madeira de um lado para o outro do Atlântico e a trouxe até ao Continente foi por saber a que ponto é vital para António Costa e para os socialistas – os de cá e os de lá – a derrota do PSD de Albuquerque daqui a três meses. Vital e determinante. Costa quer poder dizer em Outubro que Portugal é dele, ilhas incluídas. Enquanto não calcar de vez Passos de Coelho aqui, e Albuquerque lá — como já ocorre nos Açores onde vigora um “sistema” socialista de liberdade de escolha muito sui generis para dizer o mínimo — António Costa não descansará. Nem olhará a meios (políticos, constitucionais, financeiros, humanos).

Olhando porém as coisas ao vivo e em directo como me aconteceu por estes dias na Madeira, o sonho socialista esmorece. E com a recente vitória do PSD nas eleiçĩoes europeias de Maio (PSD: 37,15%; PS: 25,8%), um dia o sonho pode virar um pesadelo: por qualquer razão cuja inexplicabilidade não escapou a nenhum observador político ou “civil”, Paulo Cafofo, ex-presidente da autarquia do Funchal que ganhou bem, onde cresceu politicamente e se fez gente, decidiu abandonar o cargo após a derrota, para “se dedicar inteiramente à campanha eleitoral”. Perdeu de uma asssentada palco e poder e Deus sabe quanto o primeiro faz falta e o segundo, ainda por cima institucional, só empurra para cima. Com a cedência gratuita e exclusiva da praça pelo adversário, Miguel Albuquerque, a falar sozinho, tem resposta para tudo e o seu lado guerrilheiro – que está sempre à mão para as grandes ocasiões e é afinal o que melhor o define — faz o resto.

É verdade que ainda é cedo e que os verões costumam ser portadores de surpresas. Como por exemplo a surpresa do cansaço, um fastio ancorado em décadas do mesmo poder a que as novas gerações, forjadas noutros parâmetros, métodos e valores, decidisse pôr um ponto final. O meu interlocutor nem se comove nem se demove: “claro que nenhum jovem votará com o passado na cabeça, mas quem duvida que valorizará o percurso político de duas gerações do PSD responsáveis pela extraordinária mudança aqui operada?” E logo surge o slogan de estimação: “só um destituído muda para pior “.

O “pior” chama-se Cafofo (um antigo professor de liceu apaixonado pela intervenção política e muito esperançadamente amado no lisboeta Largo do Rato) que estes dias se ocupava dos Estados Gerais do PS local. Partido que não lidera mas pelo qual concorre como candidato à chefia do Executivo, uma curiosidade placidamente aceite por uns e outros, também ela certamente à espera de melhores dias. Se os verões são sempre (melancolicamente) efémeros, os seus três meses podem porém custar politicamente a passar. E muito.

2. A verdade é que todos estas conjecturas, apostas e estados de alma foram expeditamente postas entre-parêntesis para celebrar o êxito (outro) do pintor Jorge Martins aqui na Madeira. Celebrar também aquilo que de algum modo foi o completar de uma história feliz: a primeiríssima vez que ele obteve um prémio de pintura, foi a Madeira que lho ofereceu, corria então o ano de 1967. “Eu tinha vinte e poucos anos, estava exilado em Paris e era um pelintra”. Mas o ex-pelintra de ontem e artista maior de hoje ainda guardam ambos, intacta, a lembrança emocionada dessa distinção, tanto mais que ela veio acompanhada pela aquisição do próprio quadro, eleito pelo júri do Prémio “Cidade do Funchal”. Conhecedor desta história, e grande apreciador de Martins, Francisco Clode, director do Património e Museus da Madeira, desafiou o pintor a expôr na Madeira as telas que ele havia visto em Lisboa, no Museu Arpad Szenes, há cerca de dois anos mas… os artistas não gostam de “remakes” estáticos: o lugar escolhido, a “Casa das Mudas” — casa de arte desenhada pelo arquitecto Paulo David e que ele quis debruçada sobre o mar — “puxou” pelo fôlego do artista e interagiu com a sua inspiração. Para as Mudas vieram também entre outras telas e desenhos, dez inéditos com cor e dez a preto e branco, que Jorge Martins nunca mostrara. Veio em suma mais arte, e mais vida vivida para as brancas salas de impressivo pé direito do que é hoje o “Mudas – Museu de Arte Contemporânea”. Uma “escolha muito pessoal e solitária” que “o belíssimo espaço e a existência de um catálogo quase lhe exigiam”. Uma história que tinha de ser contada.

E depois, não é verdade?, Jorge Martins tem um dom: interpela e é isso que de imediato acontece quando passamos aquelas largas portas, somos capturados, mas haverá privilégio maior do que ser-se aprisionado pelo traço de alguém que soube tocar-nos?

3. Já em Lisboa, quando ouvi dizer que alguma gente “do” teatro tinha semi-torcido o nariz à “Golpada” discordei de imediato do veredicto, embora reconhecendo como a peça pode porém ser tão, como dizer?, inesperada, no palco do Teatro Aberto… E como de certo modo essa “impressão” de descontinuidade pode ter criado reticências aos mais antigos, aos “dali”, aos mais afeiçoados a um circuito que sempre preferiu mais a qualidade que o estremeção da novidade, sem aviso prévio.

Sucede que esta “Golpada” não é senão justamente uma boa mistura entre uma novidade muito “fora da caixa” — desculpem a expressão, também não gosto dela – e a exigência, a solidez, o profissionalismo que são e fizeram a assinatura da “casa”. Foi o vento fresco que ali soprou com velocidade que me trouxe a estas linhas. A história ( escrita pela alemã Dea Loher) seria — e é – uma quase historieta não fora a extraordinária encenação de João Lourenço, manuseando um puzzle de muitas peças: uma vertiginosa articulação entre o verbo, falado e cantado, o jogo dos actores, os instrumentos musicais, o movimento, a cenografia, a ginástica , a coreografia e tudo isto feito com arte e cheio de engenho (e trouvailles várias). Por detrás da aparente convencionalidade ou possível trivialidade da história há aqui e ali o clarão da poesia, o murmúrio da solidão, um lampejo de esperança que subitamente envolvem os personagens com a cor da pungência mas encenar a pungência, dá-la a ver, torná-la carne e osso, não é para qualquer um.

Foi o que fez aqui João Lourenço. Com o risco e o talento inerentes.

PS: O verão é outra vida. Espero que o Atlântico me conceda essa graça. Boas Férias!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

À atenção da direita /premium

Maria João Avillez
152

Espantei-me que não se espantasse mais com o estado de saúde das direitas em Portugal: que país normalmente constituído e com um regime democrático sobrevive com metade da democracia a funcionar?

Madeira

António Costa dono disto tudo? /premium

Maria João Avillez
103

Vale a pena antecipar o duelo entre dois homens que mutuamente se medem: Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional (PSD) e Paulo Cafofo (apoiado pelo PS), presidente da Câmara do Funchal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)