Rádio Observador

Saúde

O estranho caso da ADSE

Autor
843

Estranhamente, enquanto se sucederam saldos negativos da ADSE suportados pelo Estado nunca foram levantados problemas, mas o saldo positivo de 2014 gerou uma onda política e mediática de indignação

Depois de anos a fio com sucessivos saldos negativos cobertos pelo Orçamento de Estado, em 2014 pela primeira vez na sua história a ADSE apresentou um saldo positivo. A inédita auto-sustentabilidade do financiamento do subsistema de saúde exclusivo dos funcionários e pensionistas do Estado resultou da subida dos descontos para 3,5%. Estranhamente, enquanto se sucederam saldos negativos suportados pelo Estado nunca foram levantados problemas, mas o saldo positivo de 2014 gerou uma onda política e mediática de indignação, protestos e denúncias.

Pedro Passos Coelho defendeu-se das acusações de ter tomado medidas que conduziram a um saldo positivo da ADSE argumentando que os excedentes serão empregues para fazer face aos compromissos futuros do subsistema e que se “porventura acontecer que no médio e no longo prazo a ADSE venha a acumular excedentes superiores aqueles que são necessários para no futuro fazer face às suas necessidades, às necessidades dos seus beneficiários, nesse caso a própria ADSE poderá decidir, das duas uma: ou melhorar o nível de serviço e oferecer – dado que tem suporte financeiro para isso – melhores benefícios aos beneficiários da ADSE ou, eventualmente, corrigir e baixar o nível de contribuições”.

A argumentação de Passos Coelho é politicamente compreensível, mas profundamente injusta para os contribuintes portugueses. Sendo os avultados défices passados da ADSE responsáveis por uma fatia da dívida pública, seria da mais elementar justiça que o subsistema respondesse por pelo menos uma parte dessa dívida acumulada pelo Estado português. A alternativa é os défices passados incidirem exclusivamente sobre a generalidade dos contribuintes portugueses, a maioria dos quais está impossibilitado de beneficiar da ADSE.

Mas mais estranho ainda do que a polémica gerada por a ADSE ter passado dos défices crónicos para uma situação de auto-sustentabilidade é a própria natureza do subsistema no contexto das políticas de saúde em Portugal. Num país em que existe um SNS estatal e universal, é francamente bizarro que seja o próprio Estado a oferecer paralelamente aos seus funcionários e pensionistas um subsistema de saúde exclusivo que se traduz na garantia de uma considerável liberdade de escolha que é negada ao resto da população.

Daí que, numa perspectiva socialista, faça todo o sentido defender a extinção da ADSE, como recentemente voltou a argumentar Vital Moreira e como argumentou em 2013 Álvaro Beleza. Estranhamente, no entanto, esta é uma posição minoritária entre os socialistas portugueses. Em alternativa, numa perspectiva liberal, o modelo de maior liberdade de escolha subjacente à ADSE, embora inaceitável como privilégio exclusivo dos funcionários e pensionistas do Estado, poderia ser visto como uma via interessante para a reorganização de todo o SNS.

Qualquer destas posições – socialista ou liberal – relativamente à ADSE seria consistente. O que não faz sentido nenhum é o Estado promover um SNS nos moldes existentes e, simultaneamente, sustentar um subsistema de saúde exclusivo para os seus funcionários e pensionistas. Nestas condições, a exigência de auto-financiamento da ADSE – se possível acompanhado da cobertura de pelo menos parte dos défices passados – é uma orientação política de elementar bom senso e justiça.

Professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

Anthony de Jasay (1925-2019)

André Azevedo Alves

Com uma personalidade de trato nem sempre fácil e ideias heterodoxas e politicamente incorrectas, Jasay fez o seu percurso maioritariamente à margem do sistema académico vigente. 

Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)