O coronavirus tem reduzido a poluição global. É não são só as notícias de golfinhos nos canais de Veneza ou veados a passear nos centros das urbes europeias. Os satélites da Agência Espacial Europeia e da NASA comprovam-no. Alguns balanços, como o da Carbon Brief, apontam mesmo para que este ano seja possível cumprir o Acordo de Paris!

A explicação é simples: como resposta à pandemia do novo coronavirus, país atrás de país, incluindo o nosso, têm optado por decretar quarentenas aos seus cidadãos, fechando fronteiras, proibindo voos, deslocações e grande parte da laboração. O resultado é uma emissão substancialmente inferior de vários poluentes, GEEs incluídos (menos um milhão de toneladas de CO2 por dia, segundo a Agência Internacional da Energia).

Sem vergonha em usar algo como uma pandemia para fazer vingar agendas políticas, a extrema-esquerda logo se saiu com um slogan: “o coronavirus deve dar-nos esperança que somos capazes de enfrentar a crise climática”.

Como é típico do ativismo ambiental, custos não se discutem. Mas se pensarmos que por exemplo há agências de rating a rever o crescimento chinês em menos 11% do PIB, isto apenas após um trimestre, é caso para ficarmos assustados com esta solução replicada pelos outros três trimestres… E pelo ano seguinte… E o outro, e o outro… Passávamos a vida no sofá e pagávamos as contas com notas que imprimíamos em casa?

Já Greta Thunberg pede ação: “a luta pela pandemia não pode fazer esquecer a luta pelo ambiente”. Faz assim um apelo à luta por meios digitais. Porque estes não consomem energia, não emitem carbono, não carecem de lítio ou não causam resíduos eletrónicos? Não, porque quem vive do protesto, não pode parar de protestar…

Tudo previsível, mas sobra uma grande questão: então e as vacas?

Afinal, dizem-nos as Environmental Research Letters que comer carne é a principal causa das alterações climáticas, diz-nos o documentário “Cowspiracy” que mais de metade das emissões de carbono se deve às vacas, e sendo elas assim tão nefastas a poluição melhora num ápice? Que aconteceu às vacas? Foram afetadas pelo vírus? Os açambarcadores mataram-nas todas? Deixaram de ruminar?

Ou era só “banha de cobra” que alguns responsáveis tontos compraram porque acharam que ficavam bem na fotografia?

Mistério…