caderno de apontamentos

O professor é um elemento-chave

Autor
  • Isabel Leite
200

Os países que consistentemente têm melhores desempenhos ou que mais têm progredido são os que formam os melhores professores, promovem o seu desenvolvimento profissional e incentivam a colaboração.

Nas últimas quatro décadas Portugal fez um progresso substantivo na educação. Temos hoje uma população mais escolarizada. Temos menos jovens a abandonar precocemente a escola, mais a concluir o ensino secundário e um desempenho cada vez melhor dos alunos portugueses nas sucessivas edições de estudos de avaliação internacional (e.g., TIMMS, PISA). Mas é possível progredir mais. Apesar da evolução, a escolaridade média da nossa população ainda é baixa e o insucesso, expresso nas taxas de retenção e na percentagem de alunos com aptidões insuficientes, merece particular atenção.

Para sermos capazes de enfrentar os desafios de uma sociedade global, cada vez mais competitiva, onde o desenvolvimento económico e o bem-estar social estão fortemente dependentes do conhecimento, é imperativo continuar a apostar na preparação das gerações futuras e universalizar a qualidade da educação. Ciente da necessidade de um melhor sistema educativo, a Fundação Belmiro de Azevedo apresentou em abril de 2016 um think tank para a Educação, o EDULOG, que tem por missão ajudar a identificar os problemas reais da Educação no nosso país; promover o seu estudo, contribuindo com dados objetivos e cientificamente fundamentados; propor soluções e debatê-las, envolvendo a sociedade para que o consenso e estabilidade emerjam.

O primeiro ano de actividade do EDULOG arrancou com uma conferência onde dois economistas, John Friedman e Pedro Carneiro, apresentaram dados que uma vez mais salientam a relação inequívoca entre o nível educacional e o estatuto socio-económico da população, o papel da educação no combate às desigualdades sociais e mostram o retorno económico do investimento público em educação. Das comunicações e debate sobressaíram dois elementos comuns. Primeiro, os estudantes que aprendem com os melhores educadores/professores têm uma melhor progressão escolar, maior probabilidade de ingressar no ensino superior e, no futuro, tendem a auferir melhores salários e a viver em contextos mais favoráveis. Segundo, os professores diferem significativamente entre si na aprendizagem e resultados escolares que são capazes de promover. A mensagem foi clara, o Professor é um elemento-chave se se pretende melhorar o sistema educativo, combater desigualdades e promover oportunidades.

Parte destes dados não nos deve surpreender. Empiricamente – enquanto professores, alunos, ou encarregados de educação – temos certamente a perceção de que o sucesso na aprendizagem está intrinsecamente relacionado com a qualidade do ensino e da interação que o professor é capaz de estabelecer com os seus alunos. Os resultados apresentados na conferência de lançamento do EDULOG e os estudos desenvolvidos por outros investigadores confirmam esta impressão.

O estudo e debate acerca do impacto do professor na aprendizagem dos alunos não é propriamente um tópico novo. Na área da Economia foi investigado nos anos 70 por Hanushek (1971) e recentemente, após 2005, readquiriu um novo fôlego. A existência de grandes bases de dados longitudinais, onde a caracterização socio-demográfica dos alunos e os seus resultados escolares estão associados aos dos professores, permitiu a vários cientistas explorar o efeito do professor no desenvolvimento e resultados dos alunos.

No domínio das Ciências da Educação, o extenso trabalho de análise de centenas de estudos realizado por John Hattie, da Universidade de Melbourne, é esclarecedor. O professor é quem mais faz a diferença. A interação que o professor estabelece com os seus alunos e aquilo que faz na sala de aula (e.g., o propósito e clareza com que ensina, a forma como monitoriza o ritmo de aprendizagem, o feedback que dá aos alunos) são cruciais para o sucesso escolar. Por cá, o recente projeto AQueduto revelou o contributo determinante que as variáveis relacionadas com os professores (relacionamento, motivação e formação pedagógica) tiveram para a progressiva e sustentada melhoria dos resultados a Matemática no PISA entre 2003-2012.

Um outro dado relevante, os países que consistentemente têm melhores desempenhos ou que mais têm progredido são os que atraem e formam os melhores professores, promovem o seu desenvolvimento profissional e incentivam a colaboração que assegura a transmissão de conhecimento entre professores mais e menos experientes. Não admira, pois, que isso se reverta num ensino de elevada qualidade e no reconhecimento e valorização social da profissão.

A magnitude do efeito do professor, a variabilidade entre professores e o seu potencial para melhorar a qualidade da educação no nosso país despertou a atenção do EDULOG que assim decidiu abrir candidaturas para o estabelecimento de parcerias com vista ao estudo do tema. O concurso desafiava à investigação centrada na pessoa e papel do professor como elemento-chave à aprendizagem do aluno. Foi selecionado o projeto “O Impacto do Professor nas Aprendizagens do Aluno: Estimativas para Portugal”, apresentado pela parceria entre a Universidade Nova e o University College of London. Nos próximos 3 anos a equipa de investigadores propõe-se estimar o contributo individual do professor, anonimizado, a partir da análise dos dados nacionais que têm sido recolhidos ao longo dos últimos anos pelo Ministério da Educação, o que representa um importante passo na investigação da Educação no nosso país.

Os resultados deste estudo são um primeiro passo que por certo abrirá caminho a novas linhas de investigação. Qual a relação entre a distribuição dos professores por escolas e regiões e as diferenças que se encontram nos resultados escolares? Existe convergência entre a eficiência estimada e a perceção dos gestores escolares, pares, encarregados de educação e alunos? De que modo essa perceção influencia as tomadas de decisão na gestão das escolas ou o apoio dos encarregados de educação aos seus educandos?

No conjunto espera-se que a resposta a estas questões contribua para a definição de medidas que permitam elevar a formação inicial e contínua dos professores, preparar melhor a transição da formação académica para a atividade profissional, aperfeiçoar o recrutamento e a gestão escolar e contribuir para uma cada vez maior valorização do papel e missão do professor. Numa altura em que se perspetiva, por razões demográficas, a saída a médio-prazo de uma considerável proporção do atual corpo docente, pode ainda representar um estímulo a práticas de partilha de conhecimento e experiência entre aqueles que constituem a chave para a universalidade da qualidade na Educação: os Professores.

Prof. Auxiliar da Universidade de Évora, Conselho Consultivo do EDULOG

‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Ser educador /premium

Bruno Silva
838

A Escola sempre foi para mim uma segunda casa. Lá, ainda miúdo, encontrei alguns verdadeiros mestres. Mais tarde percebi o que queria para a minha vida, queria ser como eles: um educador!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)