Crónica

Os idiotas polivalentes /premium

Autor

A sociedade, para o idiota polivalente, é uma superfície lisa onde todas as diferenças não apenas são artificiais (como, em certa medida, de facto o são), mas também elimináveis da primeira à última.

Às vezes, vem a tentação de pesar os tempos, de tentar perceber quais as suas crenças mais notórias. É uma maneira de procurar dar forma ao informe, ao sentimento vago que o mundo à volta nos provoca. Vale o que vale. E a possibilidade da parcialidade é o menos. O risco, é claro, é acabarmos por onde começamos, isto é, pelo tal sentimento, sem adiantar nada. Mas, por razões higiénicas, vale a pena. Com sorte, alivia.

Comecemos pelo sentimento de irrealidade. É difícil escapar-lhe. À superfície mediática, parece que tudo se passa numa espécie de vazio quadriculado em que cada espaçozinho deve ser preenchido por um medo novo e por uma proibição nova, em benefício do progresso da espécie. Há medos e proibições para todos os gostos e temperamentos. O passado deixou de existir, a não ser como imagem negativa do que deve ser e das conquistas do futuro. Não é preciso ser conservador para sentir isto. Basta estar consciente de que não nascemos ontem e ter alguma memória. Ver as pessoas pensarem e agirem como se assim fosse cria a sensação de se viver num mundo irreal, sem materialidade alguma. As palavras do passado e as memórias do passado são uma a uma apagadas. É isto sinal de alguma particular vitalidade do presente, da energia da vida que quer modificação? De modo nenhum. A vida precisa da memória, vive dela, particularmente da memória de como se sentia noutros tempos. De outro modo não pode ser examinada e não merece, como dizia um filósofo, ser vivida.

Em tempos passados, asseguram-nos, havia polímatas, gente cuja especialidade, como a de Mycroft, o irmão de Sherlock Holmes, era a omnisciência. Hoje, a figura dominante seria antes a do idiota polivalente, ou idiota multiusos. Além de costumar achar-se graça a si mesmo, na exacta proporção em que lha falta, tem ideias sobre tudo. A religião, por exemplo, reduz-se a uma inexplicável tara do passado que é não só possível como urgente extirpar. Ao mesmo tempo, ama a ciência com um amor filial. Só que, tal como não percebe, completamente destituído de imaginação como é, a religião, também tudo ignora sobre a ciência. Não apenas nos seus detalhes, o que é pouco importante, mas no seu enraizamento histórico, na sua dimensão e projecto. A bem dizer, a ciência não lhe interessa para nada. É um símbolo, apenas um símbolo, do que crê ser a desejável ruptura total com o passado. É um supersticioso da ciência, ou melhor dizendo, de um ídolo dotado de poderes mágicos ao qual nada corresponde na realidade.

O que vale para a religião e a ciência vale igualmente, como não poderia deixar de valer, para a sociedade. A sociedade, para o idiota polivalente, é uma superfície lisa onde todas as diferenças não apenas são artificiais (como, em certa medida, de  facto o são), mas igualmente elimináveis da primeira à última. Dito por outras palavras, é possível aos seus olhos as sociedades viverem numa espécie de assimbolia generalizada. Mais do que possível é desejável. E, mais que desejável, tal é o resultado necessário do progresso em direcção ao Bem. Ora, é certamente verdade que uma sociedade que viva em perpétuo estado de hiper-simbolia, onde todas as diferenças sejam vistas como naturais e absolutas, é algo próximo do horror, um horror que desgraçadamente foi mais a regra do que a excepção na história da humanidade. Mas não é menos verdade que nenhuma sociedade pode viver em permanente estado de assimbolia e de indiferenciação, já que o resultado imediato de tal estado, de um estado em que todas as diferenças no interior da sociedade se esbatem, é a incalculável multiplicação da violência no seu seio. Esta simples constatação é incompreensível ao idiota polivalente.

Tomemos o exemplo das recentes eleições na Suécia (mas muitos outros exemplos, é claro, se poderiam dar). Não há notícia que não mencione o perigo terrível da votação dos “Democratas suecos”, símbolo da extrema-direita. Para o que estou a querer dizer não me interessa o facto de aparentemente o partido ter evoluído, desde os anos oitenta do século passado, em que era francamente racista e nacionalista, para posições muito mais moderadas, evolução que implicou a expulsão de muitos dos seus membros. O que interessa é outra coisa: as razões pelas quais a sua votação aumentou de forma tão estrondosa.

São razões fáceis de perceber, mesmo à distância. Quando o ex-primeiro-ministro Fredrik Reinfeldt, do Partido Moderado, declara em 2015, no contexto do debate sobre as migrações, que os suecos são em si mesmos “desinteressantes” e que as fronteiras são construções “ficcionais”; quando a ministra da Integração, Mona Sahlin, anuncia em 2004 que os suecos invejam os curdos por estes possuírem uma história e uma cultura ricas e unificadoras enquanto os suecos se limitam a apreciar irrelevâncias; quando a secretária parlamentar Lise Bergh responde em 2005, confrontada com a questão de saber se é necessário preservar a cultura sueca: “O que é a cultura sueca? E com isto suponho que respondo à sua pergunta”; quando se vive assim fundo na assimbolia – bom, do que é que se está à espera?

Pesam-se os tempos, ou uma parte das suas faces mais visíveis, e é isto que se encontra. Um mundo assim povoado por idiotas polivalentes, em formidável mergulho na irrealidade, só pode ir por muito mau caminho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maioria de Esquerda

Portugal ao lusco-fusco /premium

Paulo Tunhas
141

Tudo parece, sob a batuta de António Costa, viver numa atmosfera de incerteza em que nada é exactamente o que parece, numa ambiguidade organizada que cria as condições da sua própria perpetuação.

Politicamente Correto

As intenções das palavras /premium

Paulo Tunhas

A linguagem é uma coisa que se mexe e procurar imobilizá-la e regulá-la muito certinha é anular aquilo, a tal mobilidade, que lhe permite manter um certo contacto com a realidade a que se refere.

História

As oito reflexões de Hideyoshi

José Miguel Pinto dos Santos
142

Não será que hoje se age, fala e se publicam tweets depressa demais? Se se toma uma decisão irrefletida e danosa, ao menos que haja coragem moral para se retificar o que houver a retificar. Ao menos.

Crónica

O verde dos Açores, neste Outono vivo /premium

Laurinda Alves
1.544

A Terceira é tudo isto e bem mais, uma de nove ilhas onde não há lixo no chão, onde todos os campos estão impecavelmente tratados e cada horta, pasto ou lameiro parece não ter uma planta fora do lugar

Crónica

Portugal: perdidos & achados /premium

Helena Matos
1.185

Portugal em anúncios classificados. Há stock de fascistas. Mestre espiritual para a Segurança Social. Alvíssaras e ilusionistas. Apelos pelo líder da oposição e pelo desaparecido Trib. Constitucional

Crónica

A propósito de ditaduras /premium

Alberto Gonçalves
2.292

Não há que enganar, embora o engano seja língua franca: fala-se na ditadura que aí vem para dissimular a ditadura que deveria vir. Agitar tiranos hipotéticos é estratégia típica de tiranos comprovados

passeio aleatório

Nunca tinha ido a Moscovo /premium

Nuno Crato
195

Na última edição do estudo TIMSS, em 2015, os nossos estudantes passaram à frente de 36 países, incluindo a Finlândia! Como é possível ter passado à frente do país modelo da educação europeia?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)