Crónica

Os idiotas polivalentes /premium

Autor

A sociedade, para o idiota polivalente, é uma superfície lisa onde todas as diferenças não apenas são artificiais (como, em certa medida, de facto o são), mas também elimináveis da primeira à última.

Às vezes, vem a tentação de pesar os tempos, de tentar perceber quais as suas crenças mais notórias. É uma maneira de procurar dar forma ao informe, ao sentimento vago que o mundo à volta nos provoca. Vale o que vale. E a possibilidade da parcialidade é o menos. O risco, é claro, é acabarmos por onde começamos, isto é, pelo tal sentimento, sem adiantar nada. Mas, por razões higiénicas, vale a pena. Com sorte, alivia.

Comecemos pelo sentimento de irrealidade. É difícil escapar-lhe. À superfície mediática, parece que tudo se passa numa espécie de vazio quadriculado em que cada espaçozinho deve ser preenchido por um medo novo e por uma proibição nova, em benefício do progresso da espécie. Há medos e proibições para todos os gostos e temperamentos. O passado deixou de existir, a não ser como imagem negativa do que deve ser e das conquistas do futuro. Não é preciso ser conservador para sentir isto. Basta estar consciente de que não nascemos ontem e ter alguma memória. Ver as pessoas pensarem e agirem como se assim fosse cria a sensação de se viver num mundo irreal, sem materialidade alguma. As palavras do passado e as memórias do passado são uma a uma apagadas. É isto sinal de alguma particular vitalidade do presente, da energia da vida que quer modificação? De modo nenhum. A vida precisa da memória, vive dela, particularmente da memória de como se sentia noutros tempos. De outro modo não pode ser examinada e não merece, como dizia um filósofo, ser vivida.

Em tempos passados, asseguram-nos, havia polímatas, gente cuja especialidade, como a de Mycroft, o irmão de Sherlock Holmes, era a omnisciência. Hoje, a figura dominante seria antes a do idiota polivalente, ou idiota multiusos. Além de costumar achar-se graça a si mesmo, na exacta proporção em que lha falta, tem ideias sobre tudo. A religião, por exemplo, reduz-se a uma inexplicável tara do passado que é não só possível como urgente extirpar. Ao mesmo tempo, ama a ciência com um amor filial. Só que, tal como não percebe, completamente destituído de imaginação como é, a religião, também tudo ignora sobre a ciência. Não apenas nos seus detalhes, o que é pouco importante, mas no seu enraizamento histórico, na sua dimensão e projecto. A bem dizer, a ciência não lhe interessa para nada. É um símbolo, apenas um símbolo, do que crê ser a desejável ruptura total com o passado. É um supersticioso da ciência, ou melhor dizendo, de um ídolo dotado de poderes mágicos ao qual nada corresponde na realidade.

O que vale para a religião e a ciência vale igualmente, como não poderia deixar de valer, para a sociedade. A sociedade, para o idiota polivalente, é uma superfície lisa onde todas as diferenças não apenas são artificiais (como, em certa medida, de  facto o são), mas igualmente elimináveis da primeira à última. Dito por outras palavras, é possível aos seus olhos as sociedades viverem numa espécie de assimbolia generalizada. Mais do que possível é desejável. E, mais que desejável, tal é o resultado necessário do progresso em direcção ao Bem. Ora, é certamente verdade que uma sociedade que viva em perpétuo estado de hiper-simbolia, onde todas as diferenças sejam vistas como naturais e absolutas, é algo próximo do horror, um horror que desgraçadamente foi mais a regra do que a excepção na história da humanidade. Mas não é menos verdade que nenhuma sociedade pode viver em permanente estado de assimbolia e de indiferenciação, já que o resultado imediato de tal estado, de um estado em que todas as diferenças no interior da sociedade se esbatem, é a incalculável multiplicação da violência no seu seio. Esta simples constatação é incompreensível ao idiota polivalente.

Tomemos o exemplo das recentes eleições na Suécia (mas muitos outros exemplos, é claro, se poderiam dar). Não há notícia que não mencione o perigo terrível da votação dos “Democratas suecos”, símbolo da extrema-direita. Para o que estou a querer dizer não me interessa o facto de aparentemente o partido ter evoluído, desde os anos oitenta do século passado, em que era francamente racista e nacionalista, para posições muito mais moderadas, evolução que implicou a expulsão de muitos dos seus membros. O que interessa é outra coisa: as razões pelas quais a sua votação aumentou de forma tão estrondosa.

São razões fáceis de perceber, mesmo à distância. Quando o ex-primeiro-ministro Fredrik Reinfeldt, do Partido Moderado, declara em 2015, no contexto do debate sobre as migrações, que os suecos são em si mesmos “desinteressantes” e que as fronteiras são construções “ficcionais”; quando a ministra da Integração, Mona Sahlin, anuncia em 2004 que os suecos invejam os curdos por estes possuírem uma história e uma cultura ricas e unificadoras enquanto os suecos se limitam a apreciar irrelevâncias; quando a secretária parlamentar Lise Bergh responde em 2005, confrontada com a questão de saber se é necessário preservar a cultura sueca: “O que é a cultura sueca? E com isto suponho que respondo à sua pergunta”; quando se vive assim fundo na assimbolia – bom, do que é que se está à espera?

Pesam-se os tempos, ou uma parte das suas faces mais visíveis, e é isto que se encontra. Um mundo assim povoado por idiotas polivalentes, em formidável mergulho na irrealidade, só pode ir por muito mau caminho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Política

Retorno a um passado negro /premium

Paulo Tunhas
115

Uma boa parte daquilo que é conhecido pelo nome de “esquerda", em nome de uma concepção da justiça colhida no mundo das ideias, propõe políticas que têm por efeito o exacto contrário do proclamado.

Política

Quem não os conhecer… /premium

Paulo Tunhas

Dispomos de um conjunto de palavras cuja repetição basta para nos situarmos no campo do Bem e combatermos, pelo exercício dessas mesmas palavras – “fascista!” – o Mal que não precisamos de inquirir.

Crónica

O melhor país do mundo /premium

Alberto Gonçalves
2.118

Os poucos que assistem à farsa com o horror que esta merece aproveitam para se despedir do melhor país do mundo a fingir que não é uma vergonha, nas mãos de criaturas que não têm nenhuma.

Crónica

Apenas leia o raio do meu e-mail /premium

Ruth Manus
1.063

O frenesi da nossa era faz com que as pessoas estejam tão, mas tão impacientes e superficiais a ponto de não conseguirem ler dois ou três parágrafos com um mínimo de atenção.

Crónica

As cidades capturadas /premium

Maria João Avillez
226

Um dia Veneza será afogada pelos turistas, Barcelona fechará as portas, o Monte de São Michel soçobrará, Roma sucumbirá. E Florença talvez já tenha colapsado sem que ainda não se tenha dado por isso.

Crónica

Episódios da política portuguesa /premium

João Marques de Almeida

Uma conversa em Belém. Outra na São Caetano à Lapa. E um telefonema por causa da Web Summit. Não se assustem: qualquer semelhança entres estes episódios e a realidade é pura coincidência.

Crónica

Não chame uma mulher de meu anjo /premium

Ruth Manus
3.285

É muito mais fácil chamar uma mulher pelo nome. Ou de você. Ou de tu. Ou de senhora. Reserve seus tratamentos “carinhosos” para quem esteja com alguma vontade de recebê-los.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)