266kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Paulo Tunhas

Colunista

Nasci a 18 de Maio de 1960. Licenciei-me em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e doutorei-me, também em Filosofia, pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris. Sou professor no Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e investigador no Instituto de Filosofia da mesma Universidade. Publiquei, entre outros livros, Impasses, seguido de Coisas vistas, coisas ouvidas, em colaboração com Fernando Gil e Danièle Cohn (Europa-América), O Essencial sobre Fernando Gil (Imprensa Nacional/Casa da Moeda), O pensamento e os seus objectos. Maneiras de pensar e sistemas filosóficos (Edições da Universidade do Porto) e As questões que se repetem. Uma breve história da filosofia, em colaboração com Alexandra Abranches (D. Quixote). Na imprensa, colaborei regularmente, entre outros lugares, na revista Atlântico (2005-2008) e no jornal i (2009-2010).

Artigos publicados

PS

O longo 25 de Abril de Pedro Adão e Silva /premium

436
O PS não tem com que se incomodar. As avenidas à sua frente estão todas abertas. Ao ponto de se poder celebrar a si mesmo sem pudor algum. O pudor é uma virtude política, mas o PS não precisa dela.
Pandemia

O Governo vive numa bolha /premium

126
Esqueçam os tratados de teoria política. Se vivem em Portugal, vendam-nos e substituam-nos por manuais de psiquiatria.
Liberdade de Expressão

O verdadeiro Grande Irmão /premium

É em nome do Eu – Eu, Eu, Eu – que a liberdade do discurso (“expressão” é um conceito mais ambíguo) é limitada dia após dia, num enclausuramento progressivo. Já estivemos mais longe do 1984 de Orwell.
Israel

Miguel Sousa Tavares e Israel /premium

1493
Um homem que compara Israel à Alemanha nazi não se limita a dar-nos uma analogia grotesca. Mostra, para lá da sombra de uma dúvida, que aterradoramente lhe falta qualquer sensibilidade para a história
Sporting

O Grande Bazuco dos pratos voadores /premium

Costa avisa que vai lançar o prato e, muito lampeirinho, logo se propõe como alvo voador um dos indivíduos que compõem aquela esquisita colecção de "disjecta membra" que constitui o Governo.
Política

Uma casa portuguesa /premium

Nesta velhíssima casa portuguesa, que todos nós conhecemos muito bem, tudo o que mexa à direita é visto como perfeitamente suspeito. Sempre foi assim e, arrisco-me a dizer, sempre assim será.
Sociedade

O suicídio ideológico /premium

O novo pensamento colectivo é obedientemente praticado já quase sem reflexão, como uma segunda natureza que se vai alargando a cada dia que passa.
Política

O 25 de Abril /premium

Quando as convicções se multiplicam é muito mau sinal. Nenhuma cabeça normal tem espaço legítimo para muitas. A partir da terceira, o mais provável é estar-se a mentir.
Operação Marquês

Oprah entrevista Sócrates /premium

255
Foi a ampla varanda da casa de um amigo, na Ericeira, que o ex-Primeiro-Ministro português escolheu como cenário para a entrevista que concedeu a Oprah Winfrey e que em breve passará na CBS.
Justiça

Sócrates, uma questão que temos a nosso respeito /premium

Não quero fingir nenhum soberano desinteresse. Estou interessado. Nem quero simular um qualquer agnosticismo no capítulo. Estou firmemente convencido da culpabilidade do homem.
Comunismo

O conselheiro de Estado Louçã e os canibais /premium

936
Louçã – é uma evidência – não é um democrata. É um espírito autoritário vindo de outros tempos, de tempos de horror e morte que não o podem em nenhuma circunstância chocar. É neles que vive de facto.
Crónica

“Portugal? Salazar? Que horror!” /premium

Alexandre O’Neill não tinha, como é óbvio, qualquer simpatia pelo regime de Salazar, mas sabia em toda a sua extensão o abismo que o separava de um regime totalitário como o soviético.
Política

Dentro e fora da jaula /premium

O importante é saber distinguir o que é olhar para as jaulas de fora e viver dentro delas. Confundir as duas situações é um erro lógico de proporções gigantescas.
Sociedade

A grande alcova sentimental /premium

A mínima dúvida sobre a excelência das vítimas, a mínima reserva quanto à abissal profundidade do seu sofrimento, podem, de um só golpe, condenar-nos ao estatuto de vis serventuários das trevas.
Ciência

Não há “evidência científica” /premium

Talvez esta pandemia pudesse, se as pessoas ao menos parassem para pensar, trazer-nos alguns ensinamentos. Sobre, por um lado, a eficácia da ciência. E, por outro, os seus limites.
Política

A esquerda contra a sociedade /premium

A esquerda, arrogando-se o monopólio da cultura, que supostamente através dela fala, quer assegurar para si, através dos dinheiros da Europa, o imaginário papel de garante da “coesão nacional”.
Governo

O nosso Titanic, com orquestra e comandante /premium

157
Quando o nosso Titanic for mesmo ao fundo e apenas a música se ouvir, distante, os últimos sobreviventes descobrirão que ele não está lá, nunca esteve, e que o barco não tem, nunca teve, comandante.
Política

O espectro do populismo /premium

Da parte de André Ventura, não há praticamente reflexo populista algum que não tenha sido encenado. Da parte dos seus adversários mais virulentos, não há erro que não tenha sido cometido.
Governo

Que se lhe há-de fazer? /premium

130
Não tenho dúvidas que António Costa, se pudesse, mudava, como o outro aconselhava, de povo. Este, pelos vistos, não o satisfaz. Entre outras coisas, adoece e morre quando ele não quer.
Turismo

Um herói popular contra o turismo de massas /premium

Que mil Xulas floresçam em Lisboa, no Porto, no país. Ficamos com má-fama e mais pobres? Que importa, se as nossas casas e ruas forem só nossas? É uma causa simultaneamente aristocrática e de esquerda
A página está a demorar muito tempo.