Rádio Observador

Abusos na Igreja

Pedofilia na Igreja: a luz ao fundo do túnel /premium

Autor
419

Desde há mais de quinze anos que já não há denúncias de abusos de menores, por membros do clero, em muitas dioceses norte-americanas, mas a protecção das crianças ainda não é uma realidade no mundo.

Há um nome que é de obrigatória referência quando se fala da luta da Igreja católica contra o abuso de menores por sacerdotes e religiosos: o do cardeal de Boston. Para além de capuchinho e arcebispo de uma das mais importantes dioceses norte-americanas, Sean O’Malley é também um dos principais conselheiros do Papa Francisco, a quem tem secundado nos seus esforços para erradicar da Igreja esta horrível praga.

No esteio do que já tinham feito os seus predecessores, sobretudo Bento XVI e São João Paulo II, o Papa Francisco empenhou-se, desde o início do seu pontificado, em resolver este horrível escândalo. Com este fim promoveu, no mês passado, uma cimeira no Vaticano sobre a proteção de menores na Igreja, em que foi dada voz às vítimas e em que participaram, entre outros bispos e superiores de ordens religiosas, os presidentes das conferências episcopais de todo o mundo, nomeadamente a portuguesa, presidida e representada pelo cardeal D. Manuel Clemente, patriarca de Lisboa.

Foi, portanto, em muito boa hora que a Conferência Episcopal Portuguesa convidou o cardeal Sean O’Malley para pregar o seu retiro anual. Esta ocasião foi aproveitada para o lançamento de mais um livro do cardeal de Boston: “Procura-se Amigos e Lavadores de pés”, que as Paulinas editaram e de que o Observador deu notícia na sua edição do passado dia 16.

Apesar de ser um tema recorrentemente referido nestas crónicas, não será excessivo a ele voltar, mais uma vez, para reafirmar o que sempre aqui se tem dito a este propósito, mas agora pela voz autorizada de um dos mais corajosos prelados da Igreja. Não obstante a sua condição cardinalícia, faz gala em se apresentar com o seu pobre hábito de capuchinho, que é eloquente sinal de pobreza e do seu modo tão autêntico e radical de testemunhar publicamente a sua consagração religiosa. Desde que assumiu responsabilidades episcopais, Frei Sean O’Malley sempre exigiu e praticou a total transparência em questões desta matéria, quando ainda não era essa a prática seguida por todo o episcopado. Foi também pioneiro em dar prioridade absoluta às vítimas e na responsabilização, civil e eclesial, dos culpados, qualquer que fosse o seu estatuto.

Os primeiros encargos pastorais de O’Malley foram com os imigrantes lusos e sul-americanos, na capital dos Estados Unidos. Vem desde então o seu excelente conhecimento da língua portuguesa, que fala na perfeição, e a sua amizade com o nosso país, que visita esporadicamente.

Os vinte anos de trabalho com imigrantes lusos e sul-americanos, em Washington, foram a lua-de-mel do meu sacerdócio e uma alegria absoluta. Eu estava a gostar tanto da minha vida, que Deus, com o seu sentido de humor, me fez bispo. A minha primeira diocese foi as Ilhas Virgens, que, antes de 1917, eram conhecidas como Índias Ocidentais ou Antilhas dinamarquesas. Quando me disseram que ia ser enviado para lá, fiquei surpreendido e porque nunca lá tinha estado, fui ter com um padre que conhecia bem as ilhas para saber o que me esperava. Ele, maliciosamente, respondeu-me: ‘As Ilhas Virgens são como as Ilhas Canárias – não têm canários’”.

É sempre com muita graça, espiritual e humana, que o cardeal O’Malley – que, por usar o seu hábito religioso com o solidéu cardinalício, bem se poderia designar, com todo o respeito, por ‘capuchinho vermelho’ – se refere, com franciscana simplicidade, à sua vida e ministério.

Em 1992 tem o seu primeiro contacto com a realidade da pedofilia na Igreja, quando foi “nomeado bispo de Fall River, no Estado de Massachusetts, também conhecida como a décima ilha dos Açores”. Foi enviado para essa diocese pouco depois de lá “ter rebentado um escândalo terrível, porque um sacerdote, o padre James Porter, um pedófilo ‘em série’, tinha abusado e violado centenas de crianças”.

Ao contrário do que então era costume fazer-se nestes casos, tanto nas instituições eclesiais como civis – recorde-se, entre nós, o não menos terrível caso Casa Pia – O’Malley não só não escondeu o caso como lhe deu a maior visibilidade: “Assim que cheguei, organizei um encontro com as vítimas e as suas famílias. […]Na verdade, estou muito grato por ter tido a oportunidade de ouvir pessoalmente cada pessoa e suas famílias, cujas vidas foram devastadas pelo abuso sexual por parte do clero. Para mim, era incompreensível que esse problema pudesse ter ficado oculto por tanto tempo. Por mais dolorosa e penosa que seja a atenção dos media, colocando um holofote sobre o abuso sexual clerical, isso prestou, na verdade, um grande serviço à Igreja. Obrigou-nos a reconhecer os nossos crimes e pecados, que causaram tanto dano a crianças e pessoas vulneráveis”.

Quando Sean O’Malley foi transferido para a arquidiocese de Boston, teve que enfrentar uma situação muito mais grave: a abundância de casos tinha levado a arquidiocese à falência, que até da casa episcopal se teve que desfazer para pagar indemnizações às vítimas. Por outro lado, “os nossos sacerdotes e o nosso povo estavam todos profundamente desmoralizados. Muitos viraram costas à fé e deixaram a Igreja, tão grande foi a sua dor e desilusão”.

O cardeal arcebispo de Boston teve então uma difícil missão a cumprir: fazer frente a esses casos, que a incúria dos seus antecessores na diocese não tinha sabido resolver, e relançar, ao mesmo tempo, a pastoral da sua arquidiocese, prevenindo novos abusos. Mais uma vez, graças a Deus, a sua oração e o seu trabalho não foram em vão, como o próprio agora reconhece: “Foram momentos tremendamente exigentes para todos na Igreja, mas o resultado dos esforços para desenvolver protocolos cuidadosamente pensados, adotados e implementados por todas as dioceses resultou numa enorme quebra no número de casos de abuso sexual de menores. Em Boston, a última denúncia foi em 2006. Algumas dioceses não tiveram um único caso desde 2003. Isso mostra que, se os bispos não improvisarem, mas tiverem uma estratégia bem pensada para a proteção das crianças, isso fará uma enorme diferença. Os britânicos têm um ditado: ‘Um grama de prevenção vale um quilo de cura’ ”.

Depois de décadas de sofrimento, sobretudo das vítimas e das suas famílias, mas também dos clérigos e leigos, que sofreram a humilhação de serem equiparados aos que, pelos seus horríveis crimes, não eram dignos da condição sacerdotal, nem cristã, vê-se agora alguma luz no fundo do túnel, que ilumina também outras igrejas cristãs, que passaram por situações análogas, e outras religiões até. Segundo o cardeal O’Malley, “a Igreja tem hoje, realmente, a possibilidade de proporcionar um ambiente seguro para as crianças e para os adultos vulneráveis. Muitas outras igrejas cristãs e congregações de outras religiões estão interessadas em aprender com a experiência da Igreja, adotando os nossos procedimentos”.

São Paulo escreveu, aos cristãos de Roma, que “tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8, 28). Também os primeiros fiéis passaram por inúmeras vergonhas – desde a do traidor ser um dos apóstolos, até à tripla negação do primeiro Papa – mas de todas elas ressurgiu uma Igreja mais humilde e mais forte, porque purificada dos pecados dos seus membros.

O capuchinho, que é cardeal de Boston, escreveu: “da vergonha e dor da nossa história recente, Deus pode fazer nascer algo de bom: uma Igreja e uma sociedade que coloquem a proteção das crianças entre as mais altas prioridades”. Se, no que respeita à Igreja, a questão da proteção dos menores parece já estar em vias de solução, o mesmo não se pode dizer ainda da sociedade civil.

A imprensa teve um papel louvável, e certamente determinante, na denúncia dos casos de pedofilia na Igreja. Agora é necessário arremeter contra as redes de prostituição infantil e juvenil, o abuso de menores por pessoas próximas e em instituições civis, os locais de turismo sexual em que impunemente se pratica a pedofilia e os sítios que, na net, promovem a pornografia e exploração de menores. Se o melhor do mundo são as crianças, as políticas de prevenção da pedofilia devem ser uma prioridade da legislação e governação dos Estados e da acção social das organizações mundiais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Pôncio Pilatos era português? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
507

“‘Se se põe de parte o direito, em que se distingue então o Estado de um grande bando de salteadores?’ – perguntava Santo Agostinho.”

Humor

RIP pelo RAP /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
862

A melhor profissão para ir para o céu? Humorista, porque fazem lá falta e no inferno não há. O melhor vício para evitar o inferno? A preguiça, porque pecar dá trabalho.

Discriminação

A Universidade e a raça

Ricardo Cabral

É pena ver parte dos políticos a não abordar os assuntos raciais com a maturidade necessária. É triste saber que Portugal é governado por quem desconhece a verdadeira e diversa realidade portuguesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)