Poesia

Sophia: a grande senhora

Autor
270

“Corajoso é combater o que está à nossa frente e no poder” disse um dia Sophia, a mulher simples e vertical que se recorda vestida de branco, contra o azul do mar, imersa no único lugar possível.

Este texto foi escrito, como editorial do Público, a 2 de Julho de 2004, dia em que Sophia de Mello Breyner Andresen nos deixou: 

 

Devo-lhe o primeiro poema que decorei, trauteando estrofes que nunca mais me saíram da memória – “Vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar…” – e não sei até que ponto essas palavras simples me influenciaram para ser o que sou hoje, jornalista. Os meus filhos devem-lhe as palavras mais belas que lhes lemos quando meninos, as de “A Menina do Mar”. E todos devemos-lhe o que de mais simples, luminoso e certeiro foi escrito sobre a madrugada de 25 de Abril de 1974, “o dia inicial inteiro e limpo”. Inteiro. E limpo.

Porque Sophia tinha o mais raro e mais precioso dos dons: o de dizer imenso com uma total economia de palavras. Os poemas que nos deixou têm, como escreveu Eduardo Lourenço, “sabedoria mais funda do que o simples saber”, possuem o conhecimento “do essencial”. E a sua vida, a forma como a viveu, discreta mas sempre presente, sobretudo quando a sua presença era necessária, nunca demasiado longe do mar, sempre dentro do que é essencial no humano, foi a vida de uma grande senhora que sabia que se tinha libertado da leis da vida e da morte.

“Corajoso é combater o que está à nossa frente e no poder” disse um dia, e isso é que a divertia. A desafiava. E também a fazia uma mulher à parte, sempre vertical, sempre consciente de que não tinha de se impor pois estava onde tinha de estar – entre os grandes da nossa poesia. E da nossa escrita. E da nossa cidadania.

O seu segredo talvez não estivesse, como sugeriu Agustina Bessa Luís, em ter “virtudes de rainha”, que tinha, mas sua capacidade de estar acima do terreno que pisamos, na sua capacidade de, nas palavras de Eduardo Lourenço, estar “aquém ou além da História, inteiramente imersa na Natureza”. Algo que assumia: “Tive amigos que morriam, amigos que partiam/Outros quebravam o seu rosto contra o tempo/Odiei o que era fácil/Procurei-me na luz, no mar, no vento”. E registava num poema a que chamou “Biografia”.

Os que não têm o dom de assim resumirem, em quatro linhas singelas, o que são, procuram, procuraram, procurarão nas palavras que nos deixou ao longo das seis décadas em que foi publicando, nunca em demasia, algo que nos possa ajudar a ser sombras do que ela foi, íntegros e verdadeiros, mesmo que tal seja inalcançável. E então talvez tropecemos nestas outras palavras que, como a estrofe que continua a não me sair da cabeça, mantêm uma actualidade impensável apesar de publicadas, pela primeira vez, em 1958:

Este é o tempo
Da selva mais obscura

Até o azul se tornou grades
E a luz do sol se tornou impura

Esta é a noite
Densa de Chacais
Pesada de amargura

Este é o tempo em que os homens renunciam

Renunciam? Sophia nunca renunciava.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmf@observador.pt
Eleições

Quando o centro é um lugar deserto /premium

José Manuel Fernandes
267

Dizem que as eleições se vencem ao centro. Mentira. Em Portugal o centro é quase tudo e ao mesmo tempo é nada, e por isso é que o circo vale mais do que as convicções. Precisa-se muito de ar fresco.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)