Comissão de Inquérito

Ferro Rodrigues pede parecer à PGR sobre comissão de inquérito à CGD

2.024

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, pediu um parecer à Procuradoria Geral da República sobre a comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos pedida pelo PSD e pelo CDS-PP.

O parecer segue ainda esta quinta-feira para a PGR

JOSÉ COELHO/LUSA

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, pediu um parecer, com “o caráter de máxima urgência”, à Procuradoria-Geral da República (PGR), sobre a comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), proposta pelo PSD e pelo CDS-PP.

Em comunicado, a Presidência da AR explica que, “na sequência de uma primeira análise, surgiram dúvidas acerca da compatibilidade entre, por um lado, os objetivos e os fundamentos da comissão de inquérito requerida e, por outro, a Constituição e o regime jurídico dos inquéritos parlamentares, que configuram este instrumento”.

Perante isto, Ferro Rodrigues começou por pedir ajuda à auditora jurídica do Parlamento, que confirmou a existência fundamentada de dúvidas jurídicas. “Confrontando o objetivo e fundamentos desta iniciativa com os limites constitucionais e legais deste instrumento, é lícita a dúvida sobre se o inquérito parlamentar é o meio adequado para a Assembleia da República obter a informação que, de acordo com os fundamentos que constam do requerimento, lhe estará a ser recusada pelo Executivo”, lê-se no comunicado.

“Poderá, assim, questionar-se se o referido objetivo extravasa os poderes de investigação das comissões parlamentares permitidos pelo princípio da separação de poderes, arrogando-se poderes que a constituição e a lei não autorizam.”

Assim sendo, o presidente da AR decidiu “obter o completo esclarecimento exigido”, solicitando, com caráter de máxima urgência, parecer ao Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República.

Ferro Rodrigues comunicou a decisão aos presidentes dos vários partidos, esta manhã, durante a conferência de líderes, que ainda está a decorrer. O parecer segue ainda esta quinta-feira para a PGR.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Incêndios

Fogo posto não é terrorismo?

José Milhazes
225

Concordo com os que dizem que a vida humana não tem preço, mas parece que há alguns dos nossos políticos que seguem o princípio estalinista de que a morte de mais do que uma pessoa é mera estatística.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site