Política

Vêm aí os liberais. Não são papões e querem criar um partido

3.396

Em setembro foi criada a associação Iniciativa Liberal e o objetivo é, caso haja condições, formar um partido. Ideologicamente, ficará "à direita de Costa e à esquerda de Passos", diz Adelino Maltez.

Em outubro, a associação organizou uma conferência com o presidente do ALDE, Hans Van Baale

É uma associação, mas ainda não é um partido. Tem membros, mas ainda não tem militantes. Tem uma visão de sociedade, mas ainda não tem um manifesto final. Um grupo de liberais — sem medo de serem acusados de “papões neoliberais” — criaram em setembro a Associação Iniciativa Liberal. O objetivo final é criar um partido liberal em Portugal, ao estilo do Ciudadanos (Espanha) ou dos Lib Dems (Reino Unido). Já começou a recolha de assinaturas para a constituição de um partido que, no espectro político, estará situado ao centro (entre o PSD e PS).

Um dos co-fundadores da Iniciativa Liberal, Rodrigo Saraiva, explica ao Observador que ser um partido “depende da vontade das pessoas”, definindo atualmente o movimento como “uma startup política.” O grupo de liberais, alguns militantes da Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE), lançou a associação por acreditar que “a oferta política em Portugal ainda não está preenchida ao centro” e que “o facto de existirem tantos votos brancos e nulos, demonstra que os eleitores não se reveem na atual oferta política”. O grupo começou, precisamente, por trabalhar num manifesto que tem por base o Manifesto Liberal de Oxford (1947).

A supressão da liberdade económica conduz ao inevitável desaparecimento da liberdade política. Opomo-nos a tal supressão, quer esta se deva à estatização da propriedade ou a monopólios, cartéis ou trusts privados. Apenas admitimos o controlo do Estado sobre as tarefas que excedam o âmbito da iniciativa privada ou nas áreas em que a concorrência já não funcione“, pode ler-se num dos pontos essenciais do manifesto de Oxford.

Rodrigo Saraiva explica que os fundadores do movimento não acreditam num “sistema top down” (imposto de cima para baixo) e por isso decidiram fazer o Manifesto Liberal Portugal 2016 numa lógica “colaborativa”. E acrescenta: “Qualquer movimento tem de ter a sua Bíblia.” Durante meses, as pessoas puderam entrar numa “plataforma online e propor alterações ao manifesto, mas respeitando a base do de Oxford“. De acordo com dados cedidos ao Observador, o manifesto recebeu mais de três mil contributos e validou 150 participações que agora serão selecionadas e compiladas num documento final.

símbolo iniciativa liberal

Símbolo da Iniciativa Liberal

A nível de ideologia, o co-fundador da associação explica que os promotores querem “um Portugal ainda mais liberal”, pois acreditam que “Portugal já é liberal”. Essa visão liberal da sociedade está, acreditam, desenvolvida “em termos sociais” em Portugal, mas “na questão económica e de organização do Estado ainda há muito a fazer.”

Após a fase do manifesto, o movimento quer avançar para uma “vertente programática”, para a qual vão contribuir iniciativas e debates. Aliás, a 7 de outubro, a associação organizou uma conferência com o presidente do ALDE, Hans Van Baalen, na World Academy, em Carnaxide.

Membros da Iniciativa liberal participaram também de 1 a 3 de dezembro de 2016 no Congresso do ALDE, em Varsóvia, e mantêm contactos com os vários partidos liberais da Europa que serão, desejavelmente, os seus futuros homólogos.

Quem são os liberais portugueses?

O grupo fundador do movimento conta com nomes como Alexandre Krauss, conselheiro político do ALDE desde janeiro de 2015, Rodrigo Saraiva, e aquele que é o “CEO” da associação, Bruno Horta Soares. Em vez de um presidente, o grupo optou por ter um CEO.

Bruno Horta Soares é professor universitário na Católica-Lisbon School of Business and Economics e na Porto Business School. É também fundador do GOVaaS – Governance Advisors, as-a-Service, um projeto que tem como missão “apoiar os decisores e gestores das organizações, independentemente da sua dimensão ou complexidade, na adoção das melhores práticas de governance.”

Consultor de comunicação, Rodrigo Saraiva chegou a integrar a lista do Movimento do Partido da Terra nas Legislativas de 2015, que tinha como cabeça-de-lista Manuel Ramos e como mandatário o antigo presidente da câmara municipal de Lisboa, Carmona Rodrigues. A política não é um terreno novo para Rodrigo Saraiva que teve ligações ao PSD, tendo sido secretário-geral da JSD e vereador da câmara de Lisboa no tempo de Carmona, onde ficou com os pelouros de Serviços Gerais e da Juventude”.

Além dos fundadores, no site do movimento constam mais de 40 pessoas como “pioneiras” do grupo e que incluem nomes como o professor universitário e politólogo José Adelino Maltez. Tal como Rodrigo Saraiva, José Adelino Maltez é militante do ALDE (um partido europeu que permite a militância sem a necessidade de ser previamente militante de um partido a nível nacional).

José Adelino Maltez começa por explicar que tem “muito desgosto” por não ter em Portugal um partido “semelhante ao ALDE” que siga o “manifesto de Oxford”. O professor universitário explica que em Portugal “quem usa a palavra liberal são os inimigos do liberalismo”, que “metem um sufixo” na palavra: neo-liberais.

O apoiante da Iniciativa Liberal explica que “Portugal tem muitos liberais políticos, nomeadamente no PS e no PSD, que são bons representantes do liberalismo político”, mas não há partidos que consigam “conciliar liberalismo político, económico e social.” Adelino Maltez recorda que, em Espanha, “surgiu o Ciudadanos, que conseguiu uma vice-presidência do ALDE”. Em Portugal é difícil repetir a experiência.

Qualquer movimento político, se quiser ter força, tem de ser partido. Em Portugal é muito difícil. É preciso surgir um partido à esquerda do PPE e do PSD, mas à direita do PS”, avança Adelino Maltez.

O politólogo diz que nem sabe “dizer se o mais liberal é Passos, se é Costa, que é herdeiro do partido com mais liberais políticos”. Quanto ao partido que poderá surgir da Iniciativa Liberal, Adelino Maltez explica que seria “claramente à direita de Costa e à esquerda de Passos Coelho”.

Se esse partido surgir, Adelino Maltez garante que será apoiante e até militante. Para isso, a força política só tem de corresponder ao manifesto de Oxford. Quanto ao processo de formação do partido, deixa-o para os mais novos, como Rodrigo Saraiva.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
CDS-PP

O grande Gatsby

Miguel Alvim

O depoimento de Adolfo Mesquita Nunes, apesar da manchete mediática que inegavelmente teve, constituiu, sobretudo, uma proposta de promoção pessoal.

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site