Logo Observador
União Europeia

Merkel e Shinzo Abe defendem comércio livre e acordo entre a União Europeia e o Japão

A chanceler alemã e o primeiro-ministro japonês apontaram o comércio livre como caminho para o crescimento e defenderam o acordo entre a União Europeia e o Japão, em negociação.

Líderes encontraram-se na inauguração da feira tecnológica CeBIT, em Hannover, Alemanha

CARSTEN KOALL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, apontaram este domingo o comércio livre como caminho para o crescimento e defenderam o acordo entre a União Europeia e o Japão, em negociação.

Na inauguração da feira tecnológica CeBIT, em Hannover, Alemanha, que conta nesta edição com o Japão como país convidado, Merkel e Abe sublinharam os benefícios do comércio mundial e comprometeram-se a trabalhar juntos e atuar como impulsionadores a favor do acordo.

“Queremos um mercado aberto e livre, queremos um comércio justo, não queremos levantar nenhuma barreira. Na era da internet, queremos conectar as nossas sociedades e cooperar de forma justa. Isto é o livre comércio”, sublinhou Merkel.

No sábado, os Estados Unidos dificultaram a negociação sobre esta questão na reunião dos ministros das Finanças do G20, cuja declaração final omite a habitual condenação ao protecionismo económico.

Em momentos em que temos de discutir com muitos sobre o livre comércio, fronteiras abertas e valores democráticos, é um bom sinal que a Alemanha e o Japão não discutam sobre isto”, considerou a chanceler alemã.

Abe destacou a sua aposta num acordo comercial com a União Europeia, com a qual o Japão partilha o respeito pela liberdade, os direitos humanos e as regras do jogo democrático, sublinhou.

Junto ao chefe do executivo japonês, Merkel comprometeu-se a ser “motor” nas negociações para esse acordo entre a UE e o Japão e defendeu também as regras da economia social de mercado, que deve responder aos receios e dúvidas dos cidadãos face à globalização e à digitalização.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Londres e a irrealidade

Paulo Tunhas

O que se sabe de certeza certa é que o canibalismo islamista voltou a atacar. Como sabemos o que vem a seguir: a exibição ritual de piedade genérica e avisos contra a ameaça da “deriva islamofóbica".