Logo Observador
Autárquicas 2017

Projeto de Cristas para o metro de Lisboa custa 1.876 milhões de euros

646

As 20 novas estações de metro de Lisboa pensadas pelo CDS custariam quase 2 mil milhões de euros. 80% do investimento seria comparticipado por fundos europeus. Data final: 2030.

"Não é uma megalomania, como alguns querem fazer crer", disse Cristas na conferência de imprensa

OCTAVIO PASSOS/LUSA

O projeto de Assunção Cristas para a expansão do Metro de Lisboa custaria 1.876 milhões de euros, cerca de 144 milhões de euros por ano até 2030. Os detalhes do plano de construção das 20 novas estações do metropolitano fora apresentados esta sexta-feira pela líder do CDS, que aproveitou para deixar uma resposta aos que tem ridicularizado a estratégia do partido: “Não é uma megalomania, como alguns querem fazer crer. É um projeto com os pés bem assentes na terra e com princípio, meio e fim”, afirmou a líder democrata-cristã e candidata à câmara de Lisboa.

Na apresentação das linhas orientadoras do projeto de expansão do Metro, na sede do partido, Assunção Cristas garantiu que, apesar de “ambicioso e com rasgo”, o plano é perfeitamente “realista” e exequível. Acompanhado por Carmona Rodrigues, ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e por Miguel Moreira da Silva, coordenador do projeto, a líder do CDS fez questão de lembrar que o projeto foi analisado durante “os últimos oito meses”, tentando assim rebater a tese, alimentada pelos opositores, de que usou a expansão do Metro como trunfo eleitoral artificial e demagógico.

Quanto aos grandes números, a construção das 20 novas estações de metro seria, em grande medida, comparticipada por fundos europeus, mais precisamente em 80%. Os restantes 20% (375,2 milhões de euros) seriam assegurados pelo Orçamento do Estado, não estando excluída a hipótese de recorrer ao Banco Europeu de Investimento ou de alocar alguns recursos da Câmara Municipal de Lisboa e de outras câmaras da Área Metropolitana de Lisboa para o efeito, como explicaria Cristas.

O projeto conta com duas fases: entre 2018 e 2025, o CDS espera que seja possível construir 13 novas estações, na zona ocidental da cidade. As restantes sete estações seriam construídas até 2030, o que daria uma média de 1,54 novas estações construídas por ano. Em comparação, e de acordo com dados recolhidos pelo próprio CDS, entre 1995 e 2016, a rede do Metro de Lisboa cresceu ao ritmo de 1,38 estações por ano (foram construídas 29 em 21 anos).

Fonte: CDS

O plano prevê ainda números ambiciosos em relação ao aumento do número de passageiros: o gabinete de estudos do CDS acredita ser possível chegar a 203o com 230 milhões de passageiros do metro por ano, a uma taxa de crescimento médio anual de 4%.

Na apresentação do plano, Miguel Moreira da Silva assegurou ainda que, a concretizar-se a expansão do metro como pretende o CDS, tal permitiria, por exemplo, reduzir em 30% as emissões de dióxido de carbono, criar 2 mil postos de trabalho por ano e reduzir em pelo menos 10 minutos o tempo que os lisboetas perdem no trânsito.

No final do esclarecimento, e confrontada com o facto de o projeto poder ser entendido como mais um sinal de macrocefalia em torno da capital, Assunção Cristas lembrou que a “Área Metropolitana de Lisboa concentra 3 milhões de habitantes”, afetando uma cidade que precisa com urgência de se “modernizar”.

A terminar, e depois de repetir com insistência que o projeto era “realista”, Assunção Cristas deixou um desafio a António Costa: “É importante que o Governo diga o que entende sobre isto. Tenhamos nós ambição, foco e vontade e os resultados aparecem”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
PS

A comparação entre Marcelo e Ferro diz tudo

João Marques de Almeida
186

Almeida Santos e Jaime Gama deixaram a militância socialista quando chegaram à posição de segunda figura do Estado português. Infelizmente, Ferro Rodrigues não se compara as seus antecessores do PS.