Cabo Verde

TACV fecha operação doméstica a partir de agosto

A companhia aérea cabo-verdiana TACV vai fechar, a partir de agosto, a operação doméstica, passando os voos a serem assegurados pela Binter Cabo Verde.

As ligações entre as ilhas cabo-verdianas, que até à entrada da Binter em Cabo Verde, em 2016, eram asseguradas em regime de monopólio pela TACV, passam a partir de agosto ser assegurada novamente sem concorrência, agora pela Binter

ANTONIO COTRIM/LUSA

A companhia aérea cabo-verdiana TACV vai fechar, a partir de agosto, a operação doméstica, passando os voos a serem assegurados pela Binter Cabo Verde, em cujo capital o Estado cabo-verdiano entrará com 49%.

A prestação de serviço no mercado de aviação doméstico será descontinuada, passando a ligação aérea entre as ilhas para a responsabilidade da Binter Cabo Verde”, anunciou o ministro da Economia e Emprego.

José Gonçalves, que falava esta terça-feira, na cidade da Praia, em conferência de imprensa, adiantou ainda que a parceria com a Binter prevê a entrada do Governo de Cabo Verde no capital social daquela empresa privada com uma quota de 49%.

As ligações entre as ilhas cabo-verdianas, que até à entrada da Binter em Cabo Verde, em 2016, eram asseguradas em regime de monopólio pela TACV, passam a partir de agosto ser assegurada novamente sem concorrência, agora pela Binter.

O acordo prevê também, segundo José Gonçalves, um reforço das ligações “com a obrigatoriedade de prestação de serviço regular” para todas as ilhas com aeroportos e articulação com os transportes marítimos para as ilhas da Brava e Santo Antão, que não têm aeroporto.

Será ainda estabelecida uma parceria com a TACV-Cabo Verde Airlines em termos de transporte aéreo internacional para permitir à companhia de bandeira continuar a vender bilhetes internacionais para todos os destinos em Cabo Verde.

José Gonçalves destacou o facto de a solução encontrada assegurar “um serviço regular, de qualidade e em todos os destinos de Cabo Verde”.

Foi uma solução para viabilizar a solução elegante de menor custo possível para o Estado. O Estado está com um buraco de 100 milhões de euros por causa da TACV. É estancar esse buraco. A solução que se encontrou a nível doméstico é uma solução com o mínimo de esforço por parte do Estado e com a garantia de que não vamos ter problemas para satisfazer as necessidades de transportes domésticos”, disse.

Relativamente à operação internacional da TACV, o Governo adiantou que a empresa será relançada com vista à privatização, estando em “análise dois cenários com a participação de um parceiro estratégico forte no capital e na configuração e gestão da empresa a relançar”.

Qualquer dos cenários irá envolver a participação dos trabalhadores e de investidores emigrantes, segundo o ministro, que, quando questionado pelos jornalistas, não especificou se já existem propostas concretas para a compra da companhia de bandeira cabo-verdiana.

O ministro adiantou que o Estado, como acionista, vai continuar a “suportar o normal funcionamento da TACV e a garantir aos credores e parceiros o cumprimento de todas as obrigações”.

José Gonçalves admitiu que “a reconfiguração da empresa implique a redução do quadro de funcionários“, sem especificar quantos, acrescentando que serão tomadas medidas “para reduzir o impacto da eventual perda de emprego”.

Apontou, nomeadamente, a criação de uma linha de crédito para apoiar os trabalhadores dispensados “que desejem fazer desta nova realidade uma oportunidade de empreendedorismo”.

José Gonçalves disse ainda que o Negócio de Manutenção e Engenharia será reestruturado também com vista à privatização.

O Banco Mundial aguarda por parte de Cabo Verde a entrega de um plano de reestruturação da empresa pública de aviação cabo-verdiana para desbloquear a ajuda orçamental ao país, que permitirá financiar uma solução para a TACV.

José Gonçalves admitiu que o acordo com a Binter é apenas uma parte desse plano. “O plano para o Banco Mundial é um plano completo. A segunda parte e o maior bolo vem com a solução da [operação] internacional”, disse.

A TACV tem atualmente uma dívida acumulada de 100 milhões de euros, que continuará a ser assumida pelo Estado mesmo após a privatização.

O Estado já está a procurar recursos para resolver esse problema, mas a nova empresa a surgir tem que ser uma companhia limpa em termos do seu balanço. Não pode estar com peso de passivo que não lhe permita voar”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site