Lifestyle

Serra d’Arga: um roteiro para escalar a sua nobreza

254

Shore e alguns amigos do Clube de Escalada de Braga têm na Serra d’Arga uma espécie de santuário, onde se refugiam durante o fim de semana para escalar e desfrutar da companhia uns dos outros.

PEPE BRIX

Pepe Brix, fotógrafo documental português, é o autor deste artigo, sétimo da história “Este Verão Portugal é Mini”

“Escalar é, quando o terreno o exige, a única forma de progredir.”

Embora escalar seja algo que o Homem faz desde as suas origens, acima de tudo por questões de adaptação e exploração, considera-se que a escalada começa a ser praticada no século XVIII com as primeiras ascensões aos Alpes.

Elevando-se a mais de 825 metros do nível do mar, a Serra D’Arga, situada no Alto Minho, tem para partilhar com aqueles que por lá passam as mais incríveis vistas sobre o mar, o rio Minho e o rio Lima, sobre a cidade de Viana do Castelo, as vilas de Caminha e Ponte de Lima, e algumas povoações espanholas. Os montes e vales de origem granítica, que se sucedem por centenas de quilómetros, dão aos exploradores desta região a oportunidade de contemplarem a natureza no seu estado mais puro, servida com um silêncio apaziguador, quebrado aqui e ali pelo som de um ecossistema rico e salutar.

Escalar as paredes altivas que dão corpo à paisagem minhota é provavelmente a forma mais eficaz de a contemplarmos e de nos mantermos ligados a ela.

Shore e alguns amigos do Clube de Escalada de Braga têm a Serra d’Arga como uma espécie de santuário onde se refugiam durante o fim de semana para escalar e desfrutar da companhia uns dos outros. No fim de semana que tive o prazer de passar com eles, éramos catorze numa casa que pertence à família da Joana, a namorada do Shore. A casa é o poiso para preparar a escalada e partilhar umas Minis, enquanto esperam que o calor amaine para poderem fazer rumo à rocha. Durante a tarde a tropa reúne-se em torno da piscina para relaxar e é montada uma slackline, uma fita que fizeram abraçar a uma das árvores do quintal, esticando-a depois até um pequeno anexo do outro lado da piscina para poderem atravessá-la em equilíbrio. Aqui restabelecem também as energias e descansam depois de levar o corpo à exaustão durante a escalada. O serão adormece lentamente entre sorrisos depois de um delicioso jantar, e antecipa mais uma manhã de escalada.

Nascido em Vila Real no ano de 1982, Shore vive há treze anos em Braga, cidade onde começou a escalar. É o presidente do Clube de Escalada de Braga e um dos praticantes mais dinâmicos da escalada no Minho. Com mais de dez anos de experiência, ele conhece bem os riscos que é preciso enfrentar e superar se nos aventuramos rocha acima e ficamos com a vida suspensa numa corda. Essa profunda vontade de explorar e manter viva a ligação à natureza, tem um preço alto, e é pago em segurança. Shore dedica a maior parte do seu tempo a preparar os novos praticantes para essa tarefa delicada e tão cheia de responsabilidade, dando treinos diários a mais de sessenta apaixonados pela modalidade. Como os grupos são pequenos, os cuidados são mais evidentes e personalizados, para que tudo possa fluir quando os pés estão assentes nas rochas graníticas da Serra D’Arga, o lugar predileto para os refúgios de escalada com os amigos. Há, por isso, um trabalho intenso realizado indoor, em espaços devidamente equipados.

Quando chegada finalmente a hora por que todos esperámos, dividimo-nos em vários carros e fizemos rumo ao lugar onde costumam escalar. Já perto da rocha, Shore distribui o equipamento por todos, garantindo que nada fica para trás.

As vias, onde agora todos podem escalar, foram abertas por iniciativa de Shore, que contou com a ajuda dos amigos para a limpeza árdua da vegetação que invade a rocha, tomando conta de cada fenda aberta. O esforço de todos para a limpeza dos lugares que escalam é o preço que pagam para os poderem escalar depois e contemplar a natureza, observando as magníficas panorâmicas da serra.

Verticais e imponentes, as rochas estendem-se muito acima das nossas cabeças. No momento exatamente antes da subida, o coração de quem está prestes a fazer frente à parede dispara, acendendo o corpo e todos os instintos que apelam à segurança. Para garantir que todos se sintam seguros o suficiente para poderem desfrutar do que estão a fazer, Shore e alguns dos amigos mais experientes supervisionam cada movimento de quem está a escalar, posicionando-se por baixo dos mesmos. Ciente do esforço que cada um empenha, Alto e em bom som, Shore partilha algumas palavras de incentivo com aqueles que estão a escalar. Palavras essas que em momentos mais críticos, em que os membros já tremem de tanta força empregue, são o mote para que quem está suspenso nas pontas dos dedos encontre força bastante para finalizar a subida e ninguém os para.

“Um fraco desejo de regressar lá ao alto surge um dia em nós. Assim recomeça o encantamento.”

Walter Bonatti (1962)

Este Verão Portugal é Mini

Meu mar, meu quintal

Quando o Verão dá à costa

Descendo os caminhos ancestrais da ilha

Rua, a galeria a céu aberto

No esplendor do Zêzere

Livres como pássaros

Do liceu aos churrascos no hostel

Conteúdo produzido pelo OBS Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site