Rádio Observador

Lifestyle

Livres como pássaros

294

No Verão, o vento é tudo menos previsível. É o calor e a beleza da costa portuguesa que evocam o espírito de verão e os convidam a sobrevoar o Meco.

PEPE BRIX

Pepe Brix, fotógrafo documental português, é o autor deste artigo, segundo da história “Este Verão Portugal é Mini”

Nem a irregularidade dos ventos que chegam à costa portuguesa nos meses de Verão os fazem parar. Na conduta do parapente, essa é a condição que lhe dá um travo especial e convida os praticantes a sobrevoar o Meco nos meses em que as praias se enchem de gente. Dispersos pela região centro do país, a praia do Moinho de Baixo é um dos lugares de eleição deste grupo de amigos apaixonados pelo voo. É aqui que se reúnem para desfrutarem do calor de verão e sobrevoarem a soberba vista sobre os quilómetros de areal que se estendem ao longo da costa.

José Cardoso descobriu um dia a sensação de liberdade que é voar ao sabor do vento e do calor, com vista privilegiada para qualquer que seja o lugar de voo escolhido. Desde então, nunca mais parou, passaram já treze anos e é hoje instrutor de parapente. Na verdade, foi o Zé, como é conhecido, que guiou a maior parte deste grupo de amigos durante os primeiros voos. Foi com ele que aprenderam e repetiram vezes sem conta todas as manobras de segurança, as técnicas de manuseamento da asa e de exploração das condições climatéricas.

Durante a semana, qualquer pausa no trabalho serve para espreitar o Windguru e perceber como progride o vento na previsão para o fim de semana. Ainda assim, por mais atentos que estejam a essa previsão, esta tende a surpreendê-los com frequência, obrigando-os muitas vezes a esperar durante horas a fio até que o vento sopre em direção a terra, subindo as colinas que abrigam a praia e permitindo que essa ascensão do ar os leve às nuvens. Nesses períodos de espera, a que chamam de parawaiting há sempre tempo para treinar algumas técnicas e partilhar umas saudáveis gargalhadas no areal.

Por vezes, depois de todo o processo de se deslocarem até à praia, de percorrerem o areal e subirem a penosa colina com os sacos às costas, onde se guardam as preciosas asas, e de esperarem horas a fio, o vento manda baixar as expetativas e regressar a casa sem chegar a tirar os pés do chão. As gaivotas são um dos melhores indicadores das condições do vento. O grupo mantém-se atento ao seu comportamento, tentando perceber quando poderão finalmente descolar. Contudo, essas asas desenhadas por mão alheia, uma outra qualquer que não a mão humana, têm a eficácia da sua aerodinâmica elevada ao expoente máximo. São incontáveis as vezes que as gaivotas varrem a costa sem um bater de asas sequer e, ainda assim, os amantes do parapente terão de voltar a casa sem saciar a sua sede de voar.

Resta-lhes, nesses dias, a conversa regada pela boa disposição de sempre, enquanto relaxam no areal encostados aos sacos e sonham juntos com o próximo voo.

“Depois de experimentares voar, vais andar na terra de olhos postos no céu. Se lá estiveste um dia, vais querer voltar sempre.”

Este Verão Portugal é Mini

Do liceu aos churrascos no hostel

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)