Administração Interna

Ministro coloca guardas na rua para cão não ladrar. GNR queixa-se

9.991

O ministro da Administração Interna terá exigido que militares da GNR ficassem no exterior da casa porque cão não parava de ladrar. Associação de guardas fez queixa do ministro ao comandante-geral.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Cuidado com o cão: não o perturbem. Os guardas que fazem a segurança à casa do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, foram deslocados para o exterior da casa do governante, perto de Santarém, porque o animal não parava de ladrar com a presença de estranhos. O problema — noticiado pelo Mirante e confirmado pelo Observador — é que os militares da GNR que fazem segurança à habitação dizem não ter condições para desempenhar a função. A Associação de Profissionais de Guarda (APG/GNR) revelou ao Observador que enviou um “ofício para o comandante-geral da GNR a expor a situação”. Ou seja: a fazer queixa das condições que o ministro (não) dá aos militares.

Inicialmente, os guardas nem tinham forma de ir à casa de banho, sendo forçados a deslocarem-se à coletividade mais próxima da vivenda. Depois da primeira queixa, apurou o Observador, os militares já têm acesso a uma pequena casa de banho junto à piscina do ministro. Mas, de acordo com o presidente da APG/GNR, César Nogueira, “continuam sem um local para fazerem uma refeição quente e teriam direito a pelo menos uma, uma vez que fazem turnos de oito horas”. Os GNR são obrigados assim, conta César Nogueira, a “levar sandes” e a “comer no carro.”

Os guardas até entendem ficar dentro do carro na rua, mas defendem que o ministro deve criar condições para o mínimo de conforto dos guardas. César Nogueira entende que o “cão ladre a estranhos” e que a situação possa não ser sustentável, mas isso não impede que sejam dadas condições aos profissionais. Com mais responsabilidade ainda por ser a casa do ministro que os tutela. “Se o ministro que nos tutela não cria condições para os guardas na sua própria residência, será que o vai promover no resto do país onde há situações ainda mais complicadas? São estas pequenas atitudes que contam“, lamenta o presidente da APG/GNR.

A segurança a Eduardo Cabrita trouxe também problemas a três postos de GNR na zona de Santarém, sendo o de Almeirim o mais afetado. Para fazer segurança à casa do ministro, o posto de Almeirim ficou desfalcado de militares para as rondas habituais e para a segurança à população. No entanto, a APG/GNR acredita que o assunto está a ser resolvido e vão ser recrutados elementos da “unidade de intervenção” e não dos postos da zona. Na habitação mora também a ministra do mar, Ana Paula Vitorino, que é casada com o ministro da Administração Interna.

Contactado pelo Observador, o ministério da Administração Interna não quis fazer qualquer comentário ao assunto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Proteção Civil

Os inconsequentes

Helena Cristina Coelho

Não sei o que é pior: se ver as falhas da Proteção Civil expostas numa auditoria do Tribunal de Contas, se descobrir que as recomendações feitas há dois anos foram na maioria ignoradas ou adiadas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site