Defesa

Marcelo satisfeito com consenso entre PS e PSD na adesão à defesa comum europeia

O Presidente da República considerou "bom para o país e para a posição do país na UE" que PS e o PSD estejam em sintonia no projeto de apoio à adesão de Portugal ao mecanismo de defesa comum europeia.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, congratulou-se esta quarta-feira com a procura de consensos entre o PS e o PSD no projeto de apoio à adesão de Portugal ao mecanismo de defesa comum europeia.

“Muitas vezes na política há divergências, mas quando há convergências em termos de posições políticas não faz sentido que isso não se traduza num acordo. É bom para o país e para a posição do país na União Europeia. Não fazia sentido não dar esse passo”, afirmou aos jornalistas o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa, que esta tarde visitou uma escola no concelho de Loures, comentava desta forma o anúncio feito na manhã de quarta-feira pelo PS de que iria introduzir emendas na proposta sobre cooperação europeia para procurar “amplo consenso”, nomeadamente com o PSD.

Na terça-feira, o Presidente da República já tinha afirmado que “seria um erro histórico o parlamento não aprovar, por falta de diálogo, um projeto de apoio à adesão de Portugal ao mecanismo de defesa comum europeia”.

No mesmo dia, em resposta às declarações de Marcelo Rebelo de Sousa, o PSD ressalvou que “erro histórico” seria o PS não votar ‘linhas vermelhas’ para a adesão à defesa europeia.

Assim, segundo anunciou esta quarta-feira no parlamento o deputado socialista Vitalino Canas, uma das emendas que o PS irá introduzir na sua proposta será a recusa de um exército europeu e da especialização das Forças Armadas.

Em novembro, 23 países já notificaram a UE da intenção de aderir à cooperação estruturada permanente na área da segurança e defesa (PESCO, na sigla original), mas Portugal não o fez, por estar ainda por realizar o debate parlamentar sobre a medida.

No entanto, Santos Silva garantiu que Portugal será um dos países fundadores da cooperação estruturada permanente, ao aderir na próxima semana.

Apenas Reino Unido, Malta e Dinamarca não integrarão a cooperação estruturada permanente, um mecanismo aprovado há quase dez anos no Tratado de Lisboa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site