Rui Rio

Rui Rio quer “libertar o país da amarração à extrema-esquerda”

275

Rui Rio afirmou esperar que a nova liderança do PSD venha fazer com que o PS fique livre das "grilhetas" da esquerda, em referência aos acordos entre socialistas, bloquistas, comunistas e ecologistas.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O candidato à presidência do PSD Rui Rio exprimiu esta quinta-feira o desejo de poder vir a “libertar o país da amarração à extrema-esquerda”, uma vez chegado à liderança social-democrata, após as eleições diretas de janeiro, frente a Santana Lopes.

“Tenho de ser mais ambicioso do que António Saraiva. Eu quero libertar o país – não o PS -, mas o país dessa amarração à extrema-esquerda”, disse o antigo presidente da Câmara Municipal do Porto, questionado sobre declarações do presidente da CIP (Confederação Empresarial de Portugal), na sede nacional do PSD, em Lisboa.

O presidente da CIP, em entrevista à Rádio Renascença, afirmou esperar que a nova liderança do PSD venha fazer com que o PS fique livre das “grilhetas” da esquerda, em referência aos acordos entre socialistas, bloquistas, comunistas e ecologistas.

Rui Rio respondia a perguntas de jornalistas após formalizar a sua candidatura à presidência da Comissão Política Nacional do PSD, com a entrega das declarações de subscrição da candidatura, o orçamento de campanha e a proposta de estratégia global junto de dirigentes sociais-democratas.

Os militantes do PSD vão escolher o seu próximo presidente em 13 de janeiro em eleições diretas, já com o 37.º Congresso do partido agendado para Lisboa, entre 16 e 18 de fevereiro.

Até agora, anunciaram-se como candidatos à liderança do PSD o antigo presidente da Câmara do Porto Rui Rio e o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes, também antigo edil lisboeta e da Figueira da Foz.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

O líder da oposição

Maria João Avillez
102

Se o PSD fizer escolhas mais adequadas à nossa realidade e às suas circunstâncias em vez de alinhar na semi-ficção do país das maravilhas onde garantem que vivemos já estará a ser diferente. E melhor.

PSD

The incredible shrinking party

Rui Ramos
419

O PSD ameaça deixar de concorrer com o PS, para passar a ser um rival do PCP e do BE, como um pequeno lóbi parlamentar da governação socialista. Mas a vida não será mais fácil entre os pequeninos. 

Ribeiro e Castro

O apagamento da história e o futuro do CDS

Abel Matos Santos

Agora que o PSD escolheu Rui Rio, defensor da eutanásia, o CDS só poderá afirmar-se e ganhar espaço se deixar o pragmatismo envergonhado que o separa da afirmação plena da razão para o qual foi criado

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site