Eleições Europeias

Marinho e Pinto espera quebrar ciclo de governação PS/PSD

Candidato do MPT diz que o "grande mal da vida portuguesa" são os "enormes consensos entre PS e PSD".

MIGUEL A. LOPES/Lusa

Marinho e Pinto, que a sondagem da Universidade Católica para o DN, JN, RTP e Antena 1 dá como provável eleito para os próximos cinco anos no Parlamento Europeu, diz querer quebrar o ciclo de governação PS/PSD, mas não deixa os eurocepticos portugueses sem resposta: a saída de Portugal do euro seria “uma tragédia de dimensões cósmicas” para o país. O candidato do MPT considera ainda que foram “enormes consensos” são “o grande mal da vida portuguesa”.

Apesar de não dar muita importância às sondagens, Marinho e Pinto espera ser eleito para romper o ciclo de governação PS/PSD –  CDS vai de vez em quando ao pote – que tem sido a “maldição do país nos últimos 35 anos”. “Os enormes consensos [entre PS e PSD]é que são o grande mal da vida portuguesa” defendeu num debate com outros sete cabeças de lista ao Parlamento Europeu transmitido hoje pela Antena 1.

Marinho e Pinto disse que a entrada de Portugal na união económica e monetária deveria ter sido referendada, mas a saída do país neste momento do euro seria “uma desgraça cósmica” e uma tragédia para os portugueses”. O ex-bastonário da Ordem dos Advogados considera que quem pretende sair do euro “quer isolar Portugal”, já que não há saída do euro sem saída da União Europeia.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)