Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Presidente da Comissão Europeia deixou claro este domingo que as eleições europeias “não são eleições nacionais”. Enquanto votava, em Lisboa, Durão Barroso reiterou que neste ato eleitoral as pessoas limitam-se a escolher os seus representantes para o Parlamento Europeu – “é isso que está na lei”.

Apelando ao voto, Durão Barroso sublinhou a importância destas eleições que, por norma, são as que registam maior percentagem de abstenção. “Grande parte das leis que têm a ver diretamente com o dia-a-dia dos cidadãos são votadas em Bruxelas e em Estrasburgo”, disse.

Este ano, disse, há ainda outro motivo para os portugueses irem às urnas. É que esta é a primeira vez desde o Tratado de Lisboa que os resultados das eleições vão ser tidos em conta para a escolha do próximo Presidente da Comissão Europeia.

Questionado sobre se o voto dos portugueses nas europeias pode ser um voto de protesto contra o Governo, Barroso limitou-se a reforçar que não se trata de eleições nacionais e que, no fim, “cada um tira as suas interpretações”.

 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR