O comércio de rua é um dos alvos preferenciais dos investidores internacionais em imobiliário, que apostam em Portugal. A conclusão vem do estudo Market Pulse, promovido pela JLL, empresa de serviços financeiros e profissionais especializados em imobiliário, e diz respeito aos dados obtidos no primeiro trimestre de 2014, em Portugal.

Nos primeiros três meses do ano, o setor arrecadou 28 milhões de euros “exclusivamente assegurados por investidores de origem internacional”, sendo que o retalho foi o pólo com maior atração, captando 79% do investimento.

Em Lisboa, as marcas de luxo continuam a intensificar a procura de lojas na Avenida da Liberdade, diz o estudo. Depois de 10 novas aberturas em 2013, são esperadas mais sete em 2014. A venda da futura loja da Ermenegildo Zegna, em plena Avendida da Liberdade, por 6,6 milhões de euros, é um dos exemplos retratados pela JLL, que opera em 75 países.

No Porto, a Rua de Santa Catarina continua a registar uma “procura saudável”, mas a zona dos Clérigos é que está a marcar a tendência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Desde meados do ano passado que se tem assistido a um crescente interesse por parte dos investidores estrangeiros em adquirir ativos imobiliários em Portugal”, diz Pedro Lencastre, diretor geral da JLL Portugal, acrescentando que os 28 milhões de euros ainda são um valor tímido face aos negócios de grande volume que estão perspectivados.

“A recuperação dos indicadores económicos e as projeções positivas para a evolução da economia têm sido determinantes para esta dinamização do mercado imobiliário”, refere Pedro Lencastre.