Rádio Observador

Bolívia

O Governo da Bolívia inverteu o relógio, para passar uma mensagem política

Países do sul devem ter "relógios do sul", defendem os responsáveis bolivianos. Foi por isso que decidiram alterar a numeração do relógio do Congresso do país, um gesto que é mais do que capricho.

O edifício do Congresso, ainda com o relógio de numeração romana

AIZAR RALDES/ AFP/ Getty Images

O relógio do Congresso boliviano, em La Paz, passou esta terça-feira a ter a numeração das horas ao contrário e os seus ponteiros passaram a girar para a esquerda, naquilo que os responsáveis políticos do país definiram como uma afirmação dos povos do sul.

É este o novo aspeto do relógio do Congresso

“Estamos no sul e é tempo de recuperar a nossa identidade”, disse David Choquehuanca, ministro dos Negócios Estrangeiros boliviano, que participou em pelo menos duas conferências de imprensa com o presidente Evo Morales e com os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados. “O relógio invertido (…) significa que, para nós, o nosso norte é o sul. Porque é no sul que nascem ideologias”, declarou na sua conta de Twitter Marcelo Elío, responsável pela Câmara dos Deputados, que referiu ainda “uma nova ordem mundial a nascer no sul”.

“Quem disse que os relógios tinham de girar sempre neste sentido [para a direita]? Porque temos sempre de obedecer, porque não podemos ser criativos?”, perguntou Choquehuanca, que revelou ainda que na recente cimeira do G 77, realizada no país, todas as delegações receberam um relógio com as mesmas características em forma de mapa da Bolívia – incluindo territórios que já não lhe pertencem.

O relógio foi alterado na sexta-feira passada à meia-noite, altura do início do solstício de inverno, explicou o presidente do Senado boliviano. Os atuais números decimais foram pintados por cima da numeração romana que o aparelho tinha desde 1905.

Muitos habitantes de La Paz e a oposição parlamentar boliviana foram apanhados de surpresa pelas mudanças no relógio, o que levou mesmo alguns deputados a pedir explicações ao Governo. “Se quiserem comprar um relógio do sul, façam-no; se querem usar um do norte, poderão utilizá-lo. Não se pode impor”, disse Choquehuanca, quando questionado sobre o novo sistema de relógios seria tornado obrigatório para todos os cidadãos bolivianos.

Lisboa também tem um relógio assim – há décadas

Também há um relógio com os ponteiros a andar ao contrário em Lisboa. Mas sem qualquer mensagem política. É o velho relógio do British Bar, junto ao Cais do Sodré, onde o mostrador enquadrado por uma moldura de madeira é apenas mais uma peça da decoração kitsch daquele velho estabelecimento. “Roda em sentido contrário e marca horas pontualíssimas”, disse dele José Cardoso Pires no seu livro “Lisboa, Livro de Bordo” (1997).

dsc02718

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)