Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os norte-americanos estão loucos com futebol. A seleção de Jürgen Klinsmann portou-se bem, ao chegar aos “oitavos” da prova, e deixou a sua gente orgulhosa. Mas a história aqui está no novo herói nacional americano: Tim Howard. O guarda-redes, de 35 anos, é agora uma espécie de semi-deus na terra do Tio Sam. A exibição sublime contra a Bélgica ofereceu-lhe esse estatuto. Em resposta, alguns norte-americanos já lançaram duas petições com a esperança de receber feedback da Casa Branca.

A primeira pretende alterar o nome do Aeroporto Nacional de Washington para Aeroporto Nacional Tim Howard. Porquê? “Tim Howard mostrou que é um tesouro nacional, ministro da Defesa, amigo de Joe Biden [vice-presidente norte-americano] e o dono do recorde de defesas de um jogo do Campeonato do Mundo [16]; Por isso, fazemos um pedido político para renomear o aeroporto para reconhecer os seus préstimos e méritos ao serviço dos Estados Unidos da América”, pode ler-se no site oficial da Casa Branca.

Qualquer pessoa pode, desde 2011, lançar uma petição no site da Casa Branca, na secção “We the People”. A Administração Obama garante que qualquer petição que atinja as 100 mil assinaturas no prazo de 30 dias terá direito a uma resposta formal. Esta que demos a conhecer em cima já conta, ao segundo dia, com 6,308 assinaturas, o que não é um valor nada mau: se conseguir em média três mil assinaturas por dia terá 90 mil no fim do mês. Agora (20h25 de quarta-feira) falta-lhe qualquer coisa como 93,692 para receber uma resposta forma por parte do Executivo. Está quase, quase…

A segunda petição revela-se ainda mais ambiciosa, mas com muito mais graça: “Tim Howard para secretário da Defesa”.  A argumentação é, prepare-se, deliciosa: “Nós abaixo assinado requeremos a nomeação de Timothy Matthew ‘Tim’ Howard, o guarda-redes e MVP [jogador mais valioso] da seleção nacional norte-americana, rei dos Andals, o Rhoynar e First Men — calma, são referências a Guerra dos Tronos –, para o cargo de secretário de Estado norte-americano por atos de valor e ‘badassery’ durante o Campeonato do Mundo de 2014.”

Badass tem dois significados. Tanto pode querer dizer que é alguém difícil, um “mauzão”, como pode significar que alguém é craque, um ser tão poderoso quanto intimidador. Bom, voltemos ao que interessa. Esta petição, que tem 31 de julho como deadline, regista apenas 322 assinaturas. Surprise, surprise.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR