O CDS veio ontem criticar duramente a proposta de reforma da fiscalidade verde, apresentada por um conjunto de perito aos Governo. Esta sexta-feira veio a resposta do PSD. Foi num post do Facebook, tal como no dia anterior a deputada do CDS fez, que o deputado Virgílio Macedo deixou o recado indireto, para bom entendedor: “Esta também é uma bandeira da ideologia social-democrata: estarmos ao lado da cidadania com responsabilidade e não do grande empresariado, que muitas vezes só pensa no lucro individual no sentido estrito da palavra.”

Sem nunca referir as críticas centristas, o líder da influente distrital do Porto do PSD recupera para os sociais-democratas a bandeira que o CDS tanta vez tem reclamado. “Acredito que com esta reforma também será possível efetuar uma descida do IRS, sobretudo à classe média, aquela classe que é fundamental existir, crescer e progredir em qualquer sociedade”, diz Virgílio Macedo. “No final, o objetivo deverá sempre atingir uma fiscalidade mais justa e neutral”.

Depois das palavras duras de Cecília Meireles, e das muitas dúvidas levantadas nos ministérios liderados pelos centristas quanto a várias medidas propostas no documento, o PSD dá o mote para uma discussão que promete durar até ao Orçamento do Estado. “A sustentabilidade ambiental futura deve ser uma causa de todos. É imperativo fazermos essa reforma, pois ela também é parte para no futuro termos um país mais moderno, mais competitivo, e mais amigo da ambiente.”