Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Banco de Portugal determinou a convocação de uma reunião extraordinária do Conselho de Administração do Banco Espírito Santo (BES), este domingo, para acelerar a entrada em funções da nova equipa dirigente. A reunião, que terminou às 21h, serviu para cooptar para a administração Vítor Bento, João Moreira Rato e José Honório.

A reunião marcada de urgência foi motivada pela renúncias entretanto apresentadas pelos membros do Conselho de Administração do BES, refere o comunicado de imprensa do Banco de Portugal. Permite a cooptação, para a Comissão Executiva do BES, dos três membros propostos Espírito Santo Financial Group (ESFG) e apoiados pelo Crédit Agricole.

Vítor Bento, João Moreira Rato e José Honório vão assumir a partir desta segunda-feira as funções de presidente da Comissão Executiva, administrador financeiro e vice-presidente da Comissão Executiva do BES, respetivamente. Mantém-se para dia 31 de julho a reunião da Assembleia Geral do BES, com ratificação da cooptação (escolha de novos membro através de nomeação interna).

“O Banco de Portugal informa ainda que, tal como referido no comunicado divulgado a 20 de junho, aguarda que lhe seja submetido, para avaliação, o modelo de governo interno que venha a ser aprovado em Assembleia Geral Extraordinária. De modo a permitir uma avaliação positiva pelo Banco de Portugal, a Assembleia Geral deve assegurar que os membros a designar para o novo órgão societário são adequados tendo, designadamente, por referência os requisitos exigidos na lei para o exercício de funções de administração e fiscalização em instituição de crédito”, lê-se no comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este sábado, o presidente do Banco Espírito Santo Investimento (BESI), José Maria Ricciardi, tinha apresentado a demissão do BES com “efeitos imediatos” para que a nova equipa pudesse entrasse em funções, segundo a comunicado divulgado à noite.

Também na noite de sábado, Marques Mendes comentava na SIC que Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, devia “intervir e já” para que a equipa entrasse em funções esta segunda-feira.