Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dezassete anos depois de um contentor repleto de milhões de peças da Lego ter caído ao mar, na Cornualha, ainda há peças que dão à costa naquelas praias. E, segundo as declarações de um oceanógrafo à BBC, algumas destas peças poderão circular pelo mundo inteiro e aparecer numa qualquer praia do planeta. O navio Tokio Express quase naufragou a 13 de fevereiro de 1997, numa onda que o capitão da embarcação descreveu como um fenómeno “que só acontece a cada 100 anos”. 62 contentores a bordo tombaram  e um deles trazia cerca de 4,8 milhões de peças da Lego, destinadas a ser levadas para Nova Iorque.

Ainda de acordo com a BBC, ninguém sabe o que aconteceu de seguida ou o que estava nos outros contentores, mas pouco depois disso algumas peças começaram a aparecer nas costas norte e sul da Cornualha, no Reino Unido. E ainda hoje, mesmo depois de terem passado dezassete anos, continuam a aparecer (apenas ali) peças da Lego. Há já uma página do facebook onde se partilham os achados. A história, aparentemente misteriosa (até porque há muitas peças da Lego ligadas ao mar) não encontra grandes explicações na boca de especialistas mais atentos. É o caso do oceanógrafo Curtis Ebbesmeyer que tem seguido a história destas peças.

“Dezassete anos depois, só houve registo destas peças nas praias da Cornualha”, disse.

E esse é que é o mistério. Porque pela facilidade com que boiam e pelas correntes marítimas, estas peças “podiam aparecer em qualquer praia do planeta”.

 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR