MH17

EUA dizem que Putin é “culpado” da tragédia da Malaysia Airlines

Casa Branca afirma que a Rússia enviou armas pesadas para os separatistas no leste da Ucrânia. Washington está a coordenar "uma resposta" com a comunidade internacional.

"O presidente Putin é responsável", disse Josh Earnest, porta-voz da Casa Branca

MICHAEL REYNOLDS/EPA

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse na sexta-feira que os EUA concluíram que o Presidente russo e a Rússia são os culpados pela queda do avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia com 298 pessoas a bordo.

“Concluímos que Vladimir Putin e os russos são os culpados desta tragédia”, disse na sexta-feira durante uma conferência de imprensa o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, citado pela agência Efe.

O incidente ocorreu no dia 17 de julho, quando o aparelho, um Boeing-777, fazia a ligação entre Amesterdão e Kuala Lumpur.

Earnest referiu, em linha com o anteriormente assinalado pela Casa Branca, que a Rússia enviou armas pesadas para os separatistas no leste da Ucrânia.

“Esses separatistas, que são apoiados pelos russos, receberam treino para usar esses sistemas, incluindo os sistemas antimísseis e, segundo informações nas redes sociais, esse armamento inclui o sistema SA-11”, afirmou Earnest.

“O Presidente Putin é responsável”, reiterou Earnest, indicando que Washington está a coordenar “uma resposta” com a comunidade internacional para penalizar a Rússia pelas suas ações, sem, no entanto, avançar detalhes.

 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)