Pelo menos 85 pessoas foram detidas nas últimas horas na Venezuela, durante protestos ocorridos nas cidades de Cumaná e Carúpano, no Estado venezuelano de Sucre, 440 quilómetros a leste de Caracas.

Em declarações às rádios locais o Governador do Estado de Sucre, Luís Acuña, confirmou que desde segunda-feira ocorreram 27 protestos, que envolveram a colocação de barricadas, pneus incendiados na estrada, e consideráveis danos a propriedades.

Segundo aquele responsável as 85 pessoas detidas estão a ser investigadas por danos causados a imóveis privados durante os protestos.

Várias fontes dão conta de que alguns dos protestos foram realizados contra a alta insegurança naquele Estado e outros por familiares de presos, que se queixam de estarem a ser vítimas de alegados maus-tratos por parte das autoridades.

Em declarações aos jornalistas, o coronel Efrén Barrios, diretor da Polícia de Sucre, explicou que na noite de domingo para segunda-feira foi realizada uma rusga aos calabouços com o propósito de evitar situações irregulares, durante a qual foram confiscados vários telemóveis.

Segundo relatos de vários cidadãos, há elementos policiais nas ruas das duas localidades.