Rádio Observador

Ébola

“É pouco provável que o Ébola chegue a Portugal”

Segundo a Organização Mundial de Saúde, o vírus do Ébola já infetou 1.201 pessoas e causou 672 mortes.

O vírus do Ébola já causou a morte de 672 pessoas.

SEYLLOU/AFP/Getty Images

Pensava-se, no início, que a epidemia do vírus do Ébola, que surgiu na Guiné-Conacri, não ia durar mais de que um mês a conter. Porém, passados cinco meses, o vírus continua a espalhar-se e o medo de chegar a outros países aumenta. Nesta quarta-feira, a direção geral de Saúde (DGS) garantiu que Portugal está preparado para detetar e enfrentar um eventual caso de vírus de Ébola, mas sublinhou que o risco de importação e propagação é “muito baixo”.

“É pouco provável o Ébola chegar a Portugal”, afirma Jorge Atouguia, médico especialista em infecciologia e medicina tropical, ao Observador, confirmando as declarações da DGS. “Outros países africanos com ligações comerciais à Libéria, Guiné-Conacri e Serra Leoa estão em maior risco”, acrescenta, ao falar do caso dos países em áfrica com raízes francófonas e anglo-saxónicas.

Já passaram cinco meses desde o início do surto de Ébola, mas a situação só dá sinais de estar a piorar. Segundo o especialista, o maior perigo é que pessoas já infetadas estejam a abandonar aqueles países. Isto porque, no início da doença, os sintomas podem ser confundidos com uma qualquer situação febril e o período de incubação de 2 a 20 dias, o que complica a situação e aumenta a probabilidade de propagar o vírus.

Na semana passada, foi declarada a primeira morte devido ao vírus do Ébola na Nigéria, o que criou um clima preocupação internacional. Este caso evidenciou o risco de contágio e propagação “de deslocação por avião”, diz Jorge Atouguia.

Se, em último caso, o vírus chegar a Portugal, quem deve estar mais alerta são os funcionários de saúde: médicos, enfermeiros e auxiliares de ação médica. “São quem tem maior probabilidade de entrar em contacto com alguém infetado”, explica.

Como precaução, o especialista de saúde recomenda que a primeira pergunta a fazer a algum doente que evidencie os sintomas é: veio de onde? “Se vier da Libéria, Serra Leoa ou Guiné-Conacri, é preciso tomar medidas de prevenção.” Depois de identificar o caso, é necessário proceder a uma “identificação de contactos”: pessoas com quem tenha contactado. “Qualquer pessoa contagiada está em risco” de morte, lembra o especialista.

Graça Freitas, diretora-adjunta da Direção Geral de Saúde, afirmou hoje que Portugal está preparado, tal “como os restantes países europeus, para detetar um eventual caso [do Ébola] que possa ser importado.” A epidemia, surgida no início do ano, foi declarada primeiro na Guiné-Conacri, antes de se estender à Libéria e depois à Serra Leoa, dois países vizinhos que, a 23 de julho, totalizavam 1.201 casos e 672 mortes, de acordo com o último balanço da Organização Mundial de Saúde. “Neste momento estamos confortáveis com a situação, o risco de importação é muito baixo”, adiantou Graça Freitas, referindo que “o risco de propagação [do Ébola é] muito baixo nos países desenvolvidos”.

Também nesta quarta-feira, em Londres, o Governo britânico anunciou a realização de uma reunião interministerial de gestão desta crise, que considera “uma ameaça” para o Reino Unido. “Até ao momento nenhum cidadão britânico (no estrangeiro) foi infetado e estamos bastante confiantes de que não existe qualquer caso (do vírus) no Reino Unido”, declarou à estação BBC o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Philip Hammond. O vírus do Ébola “constitui uma ameaça à qual se deve dar uma resposta”, frisou.

“Nunca vimos uma epidemia assim”

O diretor de operações da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), Bart Janssens, avisou esta quarta-feira, numa entrevista publicada no jornal Libre Belgique, que a epidemia de Ébola na África ocidental está a agravar-se e pode atingir outros países.“Esta epidemia não tem precedentes, não está controlada, a situação agrava-se e ameaça estender-se ainda mais, sobretudo na Libéria e Serra Leoa, com focos muito importantes”, declarou.

“Se a situação não melhora muito rapidamente, há um risco real de ver novos países atingidos”, advertiu. Janssens afirmou que esta possibilidade “não se pode excluir, mas é difícil de prever”.“Nunca vimos uma epidemia assim e falta uma visão de conjunto para perceber onde se situam os principais problemas”, sublinhou.

A MSF está “muito preocupada com os contornos que a situação assume, particularmente” na Libéria e na Serra Leoa, disse. “Cabe à Organização Mundial de Saúde (OMS) e aos governos destacar e organizar os meios necessários para desenvolver esforços e capacidade ao nível requerido para começar a controlar esta epidemia”, concluiu o responsável da organização não-governamental.

O vírus do Ébola transmite-se por contacto direto com o sangue, líquidos biológicos ou tecidos de pessoas ou animais infetados. A febre manifesta-se através de hemorragias, vómitos e diarreias. A taxa de mortalidade varia entre os 25 e 90% e não é conhecida uma vacina contra a doença.

Leia o nosso explicador sobre o vírus do Ébola.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)