O braço armado do movimento radical palestiniano Hamas, as Brigadas Ezzedine al-Qassam, avisou esta quinta-feira que a organização voltará às armas se as reivindicações palestinianas ficarem por atender nas conversações que decorrem no Cairo.

“Apelamos à delegação palestiniana para não aceitar um cessar-fogo a não ser que o mesmo satisfaça as exigências do nosso povo”, declarou num depoimento gravado em vídeo o porta-voz Abou Obaida, adiantando que aquele movimento está “pronto a recomeçar a batalha”.

O prazo do cessar-fogo de 72 horas no conflito na Faixa de Gaza, que dura há cerca de um mês e incluiu ofensivas aéreas e terrestres por parte do exército israelita naquela faixa, termina às 08h00 de sexta-feira (06h00 em Lisboa).

Até agora, depois do sequestro e assassínio de três jovens israelitas na Cisjordânia, quase 1.900 palestinianos foram mortos nas operações das forças hebraicas, além de perto de 10.000 feridos.

Do lado de Israel, outros três civis perderam a vida devido aos morteiros lançados do outro lado da fronteira, assim como 64 soldados, vitimados em combate.