António Costa, atual autarca da Câmara Municipal de Lisboa, voltou a falar da polémica na federação distrital de Braga, onde existem mortos, acamados e emigrantes inscritos nos cadernos eleitorais do Partido Socialista. Em entrevista ao Expresso, o candidato às primárias no PS sai ao ataque e diz que há pessoas que precisam de comprar votos ou ressuscitar mortos para conseguirem votos.

“Não estive estes três anos na sexta fila da bancada parlamentar a aguardar pela minha hora, a fazer planos sobre a minha vida, nem a comprar votos ou a ressuscitar mortos para poderem votar, nem outras coisas a que outras pessoas se dedicaram enquanto estavam na sexta fila da banca parlamentar”, disse Costa, num tom irónico, aos jornalistas do semanário.

Durante a entrevista, que será publicada na íntegra na edição semanal de 6 de setembro, António Costa falou também sobre a sua estratégia para o país, em particular, sobre a questão da consolidação das finanças públicas, tendo considerado que “um dos erros deste Governo, que o PS acompanhou, foi achar que resolvido esse problema, tudo se resolveria. A minha ideia é que é o contrário”.

O atual autarca de Lisboa garantiu ainda que, caso ganhe com maioria relativa, está disponível para “fazer pontes com a esquerda à esquerda do PS” e não descarta a ideia de uma coligação com os sociais-democratas, desde que o líder do partido não seja Pedro Passos Coelho.