PSD

Passos diz que foi avisado que Governo não ia durar muito

835

O primeiro-ministro diz que foi avisado por um "mensageiro" que lhe disse que por se ter metido com determinada pessoa, não identificada, o Governo não ia durar muito.

Pedro Nunes/LUSA

O presidente do PSD afirmou na sexta-feira à noite que existe incómodo com as mudanças que introduziu na forma de fazer política em Portugal e falou num “mensageiro” que o terá advertido que o Governo não ia durar muito.

Estas afirmações foram feitas por Pedro Passos Coelho perante o Conselho Nacional do PSD, disseram à Lusa dirigentes que estiveram na reunião deste órgão, realizada na sexta-feira, em Lisboa, durante a qual o primeiro-ministro recebeu palavras de apoio a propósito da polémica em torno da sua relação com a empresa Tecnoforma e dos seus rendimentos enquanto foi deputado em exclusividade.

De acordo com estes dirigentes, na sua intervenção final, o presidente do PSD referiu-se a “um mensageiro” que terá recebido esta semana, e que lhe terá dito que o seu Governo não ia durar muito porque se tinha metido com determinada pessoa – uma menção ambígua, em que não identificou ninguém, e que deixou nalguns a dúvida sobre se era um relato literal ou figurativo.

Passos Coelho não falou diretamente da polémica em que esteve envolvido nos últimos dias, apenas agradeceu as palavras de apoio dos conselheiros nacionais do PSD e declarou que tudo o que tinha a dizer sobre o assunto disse na sexta-feira de manhã na Assembleia da República.

Segundo as fontes contactadas pela Lusa, a maior parte das intervenções nesta reunião extraordinária do maior órgão do PSD entre congressos foram sobre a natalidade, o primeiro tema na agenda da reunião de sexta-feira, e as referências à polémica em torno da Tecnoforma foram todas de apoio ao primeiro-ministro.

Durante o debate quinzenal de sexta-feira, no seu discurso inicial, Pedro Passos Coelho sugeriu hoje que a forma como decide pode “desagradar” a “pessoas com alguma influência” e desafiou quem está por trás das acusações sobre os seus rendimentos a apresentar provas.

O chefe do executivo PSD/CDS-PP afirmou que é “uma pessoa remediada”, mas que isso não o condiciona nas suas decisões: “Portanto, nunca na minha vida em lugares públicos ou de outra natureza exerci ou decidi senão de acordo com a minha consciência, mesmo que isso possa desagradar a algumas pessoas com alguma influência”. Mais à frente, no mesmo discurso, Passos Coelho voltou a sugerir que “alguém importante” está a procurar incriminá-lo, a propósito do acesso da comunicação social a declarações suas de IRS.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)