Lisboa

O último debate sobre o estado da cidade de António Costa?

Passou um ano desde que a câmara de António Costa tomou posse em Lisboa e, esta terça-feira, o mandato foi a debate na Assembleia Municipal. A oposição focou-se na "herança" do futuro líder do PS.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • João Pedro Pincha

Uma Lisboa diferente consoante os olhos de quem a vê. Para a oposição municipal, “o estado da cidade é mau, é mesmo muito mau”, nas palavras do deputado do PSD Magalhães Madeira. Do lado do executivo camarário ninguém se atreve a dizer que o estado de Lisboa é bom, mas os vereadores e presidente rejeitam muitas das críticas dos opositores e destacam o trabalho realizado no último ano.

Naquele que foi, presumivelmente, o último debate sobre o estado da cidade em que António Costa participa enquanto presidente da câmara, o grupo parlamentar do PCP aproveitou para afinar as suas intervenções pelo diapasão da “herança” que o agora candidato a primeiro-ministro do PS deixa a Lisboa. “Não poderia ser mais fácil e claro o balanço do estado da cidade”, afirmou o deputado comunista Modesto Navarro, que diz que Costa “já faz as malas para tentar ocupar outros interesses”, “novas aventuras e conquistas”. A sua comunicação à assembleia municipal foi, aliás, a única que mereceu resposta direta da parte de Costa, no encerramento da longa reunião.

Estou comovido com a atenção que têm dedicado à minha vida e ao meu futuro político”, brincou Costa, para quem os deputados e vereadores da oposição “deviam estar bastante felizes por eu ir deixar de ser presidente de câmara, se eu sou tão mau, tão mau…”.

“Estamos de facto melhor ou pior? A câmara presta ou não um melhor serviço aos lisboetas? Temos razões para acreditar que não”, disse Sérgio Azevedo, deputado do PSD, para quem o estado da cidade se verifica “em episódios semelhantes aos de ontem [segunda-feira]”: as cheias. Na única vez em cinco horas de reunião em que o executivo se referiu a essas inundações, logo no início do debate, Costa repetiu o que já dissera cá fora aos jornalistas – que o plano geral de drenagem avançará com financiamento “através do fundo de coesão”, mas que isso não impedirá que o cenário se volte a repetir. “Como ontem [segunda-feira] pudemos constatar, não podemos adiar sine die” a concretização do plano, afirmou. A Duarte Cordeiro, vereador da Higiene Urbana (que, ainda esta terça, reiterara o que Costa disse na assembleia) e a Carlos Castro, vereador da Proteção Civil, nada se ouviu sobre inundações.

Depois disso, pautou a sua intervenção pelo destaque dos fatores que têm contribuído para o “dinamismo económico significativo” da capital. Lisboa é cada vez mais um destino turístico e universitário, destacou o autarca, referindo que, em 2014, houve três milhões de dormidas nos primeiros cinco meses do ano, bem como um número recorde de 14 mil estudantes estrangeiros nas universidades lisboetas. O empreendedorismo local e a posição geográfica de Lisboa – que atraiu 16 novas multinacionais – foram os outros destaques do discurso de Costa.

No final deste mandato, o conjunto das Av. da Liberdade, Fontes Pereira de Melo e da República estarão a concluir a sua integral regeneração”, disse o autarca.

A questão da reabilitação urbana e da venda de património municipal foram dois dos temas mais abordados pelos deputados da oposição.

Não há reabilitação urbana que não seja privada e cara, que poderá trazer habitantes de luxo mas deixa de fora os jovens lisboetas e outros, numa cidade sem política de acusação séria, popular e a custos controlados”, acusou Modesto Navarro.

A ideia foi entusiasticamente refutada por Miguel Coelho, presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, eleito pelo PS. “A cidade está viva, está atuante, está a andar para a frente”, disse, recolhendo aplausos da plateia. “Está a haver reabilitação urbana, Lisboa tem sido uma bolsa de resistência”. Também Fernando Medina, vice-presidente da autarquia, afirmou que “a reabilitação urbana é incontornável e indesmentível”.

Um argumento que não convenceu a oposição. Cláudia Madeira, do Partido Ecologista Os Verdes, acusou mesmo Costa de ter uma “vocação de mediador imobiliário”, numa referência à alienação de património municipal que tem ocorrido nos últimos tempos – e que, segundo o executivo, não tem sido feita “ao desbarato”, referiu Medina.

Ao fim de mais de cinco horas de reunião, não houve qualquer consenso sobre o estado da cidade. Do lado da oposição, a ideia de que “Lisboa merece mais” e “precisa de outras políticas e outra gestão”. Do lado do executivo camarário, a afirmação de que esta é, hoje, “uma cidade mais bem administrada”. “A melhor avaliação do estado da cidade é feita lá fora, com as pessoas”, afirmou, em jeito de conclusão, Cláudia Madeira.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)