Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não sou apologista de políticos cinzentos que teimam em comunicar com os eleitores fazendo uso dos hábitos vigentes circa 1970. Não torço o nariz à experimentação de novas formas de comunicação, mesmo quando correm mal (quem disse que se acerta sempre?) Não tenho paciência para quem arenga com sobranceria sobre a abstenção e a distância entre os cidadãos e os eleitores dos políticos, mas critica com ainda maiores peneiras as tentativas dos políticos comunicarem e fazerem pontes com os seus súbditos, perdão, governados.

Por isto, não estive entre os críticos do telefonema do Presidente da República para Cristina Ferreira quando iniciou o novo programa. Nem com os atormentados com cozinhados de Assunção Cristas e António Costa no dito espaço de televisão. E não me indigna só por si que Marcelo Rebelo de Sousa tenha convidado para o Palácio de Belém umas dezenas de influencers, acabando por se passear pelas redes sociais em abundância.

Se os influencers têm seguidores – tal como Cristina Ferreira tem espetadores e fãs – por que diabo não poderia o Presidente mostrar que comunga interesses com os cidadãos (os que veem televisão e os que seguem instagrammers)? Que se esforça por criar pontes com os eleitores? Que valoriza a tal sociedade civil de que tanto se fala e, até, pessoas empreendedoras e que vivem da sua iniciativa e engenho? Que quer normalizar as figuras políticas junto dos mais novos (que só usam o instagram e reviram os olhos com excentricidades dos velhotes como o twitter ou o facebook)?

Nada a apontar nesta iniciativa presidencial, até meritória. O problema de Marcelo Rebelo de Sousa está noutro lado: em não entender que há mais atividade presidencial para além da que lhe permite exibir-se nas luzes da ribalta – ou das redes sociais. Não tenho dúvidas que o Presidente é um trabalhador incansável. E já comprovei várias vezes que tem uma visão das dinâmicas internacionais, que a prazo nos cairão em cima, bastante sagaz. É um promotor de estabilidade política – e eu aprecio e valorizo muito a estabilidade.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.