O governo está confiante de que a dívida pública face ao produto interno bruto (PIB) vai voltar a descer em 2015. O rácio deverá cair para 123,7% do PIB no próximo ano, mantendo a tendência de queda da dívida bruta iniciada em 2014.

A proposta de Orçamento do Estado para 2015 aponta para uma descida do rácio de endividamento de 127,2% para 123,7%, uma descida de 3,5 pontos percentuais. Em 2013, este valor atingiu os 128%, já tendo em conta as novas regras do Sistema Europeu de Contas Nacionais e Regionais (SEC 2010).

“O rácio da dívida pública na ótica de Maastricht deverá atingir, em 2014, 127,2% do PIB, invertendo a tendência de crescimento observada nos últimos anos”, escreve o governo na proposta de Orçamento do Estado para 2015. “Como se tem verificado nos anos mais recentes, a evolução da dívida pública em 2014 é explicada essencialmente pelo efeito dos outros ajustamentos, crescimento nominal do PIB e o efeito do saldo primário, contrabalançado pelo efeito dos juros”, acrescenta.

A expectativa do governo é mais otimista do que de outros organismos, como a Comissão Europeia, o FMI e a OCDE. Bruxelas prevê que o rácio desça de 126,7% para 124,8%, o FMI uma queda de 131,3% para 128,7% e a OCDE de 130,8% para 131,8% do PIB.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“As mais recentes previsões das instituições internacionais para o crescimento do PIB estão em linha com as previsões do Ministério das Finanças. Contudo, os contributos para a variação do PIB diferem entre as diferentes entidades. Assim, para 2015, as previsões nacionais apresentam um contributivo mais positivo do consumo privado e menos negativo do consumo público, enquanto a Comissão Europeia e a OCDE preveem que a procura externa tenha um maior impacto no crescimento.”

O governo indica também que “a dívida pública líquida de depósitos da Administração Central deverá rondar os 118,8% do PIB no final do próximo ano, continuando a refletir a acumulação de reservas de liquidez”.