Angola

Colecionador Sindika Dokolo quer modelo original para museu de arte africana em Luanda

112

O colecionador de arte congolês Sindika Dokolo reafirmou hoje em Londres a intenção de abrir em Luanda um museu de "celebração da africanidade", mas disse querer encontrar uma forma original de expor as obras.

Luís Vasconcelos/LUSA

O colecionador de arte congolês Sindika Dokolo reafirmou hoje em Londres a intenção de abrir em Luanda um museu de “celebração da africanidade”, mas disse querer encontrar uma forma original de expor as obras.

“Pessoalmente, penso que os museus atualmente […] a nível global estão desatualizados, um bocado como a Igreja Católica – não está adaptada à forma como o mundo mudou”, afirmou, durante uma palestra na feira de arte 1:54, que encerrou hoje. Dokolo defendeu a necessidade de uma “reflexão séria” sobre o modelo a seguir, acrescentando: “Talvez a solução tenha de vir de nós”.

Em causa, explicou, está a necessidade de encontrar uma forma de expor as obras de arte colocando de lado as noções de tempo, de geografia ou de tipo de arte, como as categorizações de escultura ou pintura. “Precisamos encontrar um fio que seja intelectualmente pertinente para juntar todas as obras com coerência, beleza e força. Gostaria de ter um museu assim, da celebração da africanidade”, defendeu.

Sindika Dokolo é um empresário congolês e colecionador de arte que fundou em 2003 uma fundação com o seu nome e que inclui uma coleção de arte com mais de 5.000 peças de 140 artistas originários de 28 países africanos. A sua fundação esteve na origem da primeira Trienal africana, em 2006, em Luanda – evento que deverá ter a terceira edição em 2015 – e é também o principal patrocinador da 1:54, uma feira de arte dedicada à arte africana contemporânea.

Nesta segunda edição do certame que se realiza em Londres (Inglaterra) participaram 27 galerias, que apresentam obras de mais de uma centena de artistas africanos, incluindo o angolano Edson Chagas e os moçambicanos Gonçalo Mabunda e Mauro Pinto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)