A ministra de Estado e das Finanças afirmou nesta quinta-feira que o Governo está tranquilo com a situação dos bancos portugueses e confiante relativamente aos testes de stresse à Caixa Geral de Depósitos, BPI e BCP. “O Governo está confiante e tranquilo relativamente ao resultado destes testes que serão divulgados no domingo”, declarou Maria Luís Albuquerque aos jornalistas, considerando que os três bancos envolvidos neste exercício “têm feito um trabalho muito consistente, com grandes progressos, muito significativos, em 2014”.

Em declarações na Assembleia da República, onde participou nas jornadas parlamentares da maioria PSD/CDS-PP, a ministra das Finanças acrescentou: “Temos a certeza de que estamos no bom caminho para o reforço da solidez e para o reforço da capacidade de financiar a economia portuguesa. E não acho útil fazer outras especulações sejam quais forem. O Governo está tranquilo relativamente àquilo que é a situação dos nossos bancos”. De acordo com fonte comunitária, Caixa Geral de Depósitos, BPI e BCP já receberam informação preliminar sobre os resultados dos testes de stresse a que foram sujeitos e cujos resultados definitivos serão divulgados no domingo.

Apesar de os bancos já conhecerem parte dos resultados, de acordo com a mesma fonte, a informação a que tiveram acesso não é completa.

Entre 29 setembro e 10 outubro, responsáveis dos supervisores nacionais e do Banco Central Europeu tiveram reuniões com todos os bancos europeus sujeitos aos testes de resistência e à avaliação de ativos, tendo sido “partilhados os resultados preliminares”. Apesar de os bancos já conhecerem parte dos resultados, de acordo com a mesma fonte, a informação a que tiveram acesso não é completa e não conhecem designadamente os impactos nos seus rácios de capital dos testes de stresse. Após essas reuniões, cada banco teve dois dias para apresentar comentários sobre a informação recebida.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os testes de stresse foram introduzidos na União Europeia depois da crise financeira de 2007-2008 para assegurar a solvência da banca comunitária. Feitos em conjunto entre o Banco Central Europeu a pela Autoridade Bancária Europeia, os testes de stresse e a avaliação da qualidade dos ativos abarcam mais de 100 bancos de 22 países europeus.

Os últimos foram realizados em 2011 pela Autoridade Bancária Europeia, tendo chumbado oito dos 90 bancos examinados. No entanto, foram criticados por não terem conseguido detetar falhas em determinados bancos. Por exemplo, o banco franco-belga Dexia passou os testes de stresse de 2011 antes de ter ficado à beira da insolvência.